Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Pais e filhos

O papel do pai faz toda a diferença na saúde de uma criança, diz estudo

Ao incluir somente mães nos esforços por uma alimentação mais saudável, estamos reforçando normas e práticas de gênero – por exemplo, a noção de que prover comida saudável é 'tarefa da mulher'

Jess Haines*, The Conversation

Ajudar nossas crianças a desenvolver uma alimentação saudável, a se exercitar e a passar menos tempo na frente da televisão ou do computador é um objetivo importante para a saúde pública em todo o mundo.

O motivo, é que comportamentos estabelecidos na infância frequentemente se manifestam na fase adulta. E esses comportamentos têm um grande impacto no risco de doenças crônicas, como diabetes tipo 2 ou doenças cardiovasculares. Mesmo assim, as crianças canadenses, por exemplo, não estão estabelecendo hábitos saudáveis para suas vidas. Uma pesquisa nacional sugere que 70% das crianças entre 4 e 8 anos não consomem a quantidade recomendada de frutas e verduras e em torno de 80% das crianças entre 3 e 4 anos excedem o tempo na frente da televisão ou do computador.

7 coisas que um filho precisa de seu pai

Pelo fato de que a saúde infantil deve ser cuidada desde cedo, e no contexto da família, é importante engajar pais e mães nessa questão. O pai, em geral, costuma estar ausente nesse tipo de assunto. Uma análise de intervenções de saúde baseadas na família feita em 2017 com apenas um responsável por família percebeu que, de todos os participantes, 93% eram mães e apenas 6% eram pais.

É importante a forma como o pai se alimenta e se comporta

Cada vez mais pesquisas mostram como o pai é um fator importante no desenvolvimento de uma criança. Estudos internacionais descobriram associações entre a alimentação dos pais e de seus filhos, destacando a influência paterna nesse aspecto.

Uma pesquisa com famílias no Guelph Family Health Study descobriu que as crianças seguem muito mais os pais do que as mães quando se trata da alimentação, o que comprova o papel único que os pais desempenham. É por essa razão que é importante incluir os pais em intervenções de saúde. As pesquisas argumentam que é necessário incluir tanto pai quanto mãe, para maximizar o impacto. Uma revisão de estudos parentais descobriu que programas incluindo pais e mães resultaram no melhor desenvolvimento das crianças do que aqueles com apenas as mães.

Alimentação saudável não é ‘trabalho da mulher’

Apesar do crescente envolvimento dos homens, no Canadá as mulheres continuam responsáveis pela maior parte dos cuidados com a casa e com a família. No geral, as mulheres canadenses gastam uma hora a mais do que os homens em trabalhos domésticos, incluindo os cuidados com os filhos e a preparação das refeições.

Ao incluir somente mães nos nossos esforços por uma alimentação mais saudável, poderíamos estar reforçando essas normas e práticas de gênero – por exemplo, a noção de que prover comida saudável é ‘tarefa da mulher’.

Essa abordagem também poderia resultar em intervenções baseadas na família menos eficazes, pois as famílias poderiam ficar menos inclinadas a implementar e manter mudanças de comportamento que reduzissem essas desigualdades.

Os pais importam para a pesquisa sobre saúde também

É importante incluir os pais em pesquisas sobre a família, para que as intervenções de saúde pública levem em conta a experiência da paternidade. Pesquisas mostra que os pais têm interesse em participar de pesquisas sobre a saúde infantil, mas dizem que geralmente não participam porque não sentem que foram convidados. Os pesquisadores precisam usar palavras como “pai” ou “papai” em vez de palavras genéricas como “famílias” ou “responsáveis” quando estiverem recrutando participantes para estudos.

“O papai é mais legal”: o que fazer quando um dos pais é o mais divertido

Ainda, é necessário que os pesquisadores e profissionais de saúde pública levem em conta a diversidade entre os pais e entre as famílias, incorporando diferentes tradições culturais e reconhecendo que o exercício da paternidade pode variar de acordo com a idade, a etnia, a geografia, a orientação sexual, o país de origem e o status socioeconômico e marital.

Os esforços para engajar efetivamente os pais na promoção da saúde pode ajudar as crianças a desenvolver uma alimentação mais saudável, a fazer atividades físicas e a passar menos tempo na frente da televisão ou do computador. Também pode gerar uma carga de trabalho mais equiparável entre pais e mães.

*Professora de Nutrição Aplicada na Universidade de Guelph, no Canadá.

Tradução de André Luiz Costa.

©2019 The Conversation. Publicado com permissão. Original em inglês.

 

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também