Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Arquivo pessoal
Arquivo pessoal
Virtudes e Valores

Sem os braços catarinense de 12 anos se destaca no xadrez e cubo mágico

Gustavo nasceu sem os braços por conta de uma síndrome genética chamada tetra-amelia

Aos 12 anos, o catarinense Gustavo Laurentino Galvani coleciona medalhas conquistadas no xadrez. Recentemente ele foi vice-campeão brasileiro juvenil no esporte. Além disso, ele é especialista em cubo mágico e quer conquistar o título brasileiro em breve. Tanto reconhecimento se deve à dedicação do adolescente, mas também representa uma história de constante superação. É que Gustavo nasceu sem os dois braços.

“Eu me aceitei assim”, diz dançarino abandonado na infância, após sofrer queimadura grave no corpo

Foi uma síndrome genética chamada amelia que fez com que Gustavo não tivesse os membros superiores. Geralmente quem nasce com essa condição também não tem as pernas, como é o caso do palestrante motivacional Nick Vujicic. Jucemara, a mãe de Gustavo, soube do problema no quarto mês de gestação quando fez o exame morfológico. “O choque é para todo mundo. Ele é o primeiro filho e a gente não esperava algo assim”, lembra.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Cercados de amigos e familiares, Jucemara e o marido Romário se prepararam durante a gestação para os desafios que viriam. “Fomos nos cuidando psicologicamente até ele nascer. Sabíamos que a vida seria diferente, mas ele veio com muita saúde”, comenta ela. Até os seis meses de idade, quando fez uma cirurgia, Gustavo usou gesso por ter nascido com o pé direito torto. Há dois anos ele passou por outra operação no mesmo membro.

Tanto cuidado com o pé direito é porque ele equivale à mão direita de Gustavo. Com esse pé ele faz suas jogadas no xadrez e resolve com maestria o cubo mágico. Mas se você pensa que nesse último período em que o adolescente esteve com o pé engessado, a sua vida parou, se engana: ele tratou de aprender a usar o pé esquerdo para as mesmas funções.

Sem qualquer limitação

Essa coragem de Gustavo para superar qualquer limite e se destacar naquilo que faz tem grande influência de sua família. Jucemara conta que em casa tudo é feito sem que haja distinção em relação a ele e o adolescente jamais se sentiu excluído em casa ou fora dela. “A gente sempre levou a vida normal sem pensar que ‘ah, ele é deficiente’”, explica.

A rotina familiar é como outra qualquer, com cada um tendo suas obrigações. Além de Gustavo, Jucemara e Romário têm uma filha de sete anos, chamada Helena. “Quando eles terminam de almoçar, já peço para que escovem os dentes e arrumem suas coisas e o Gustavo faz tudo tranquilamente”, diz ela, apontando que em algumas atividades ele precisa de ajuda: “Para trocar de roupa e tomar banho nós auxiliamos”.

Este bebê não fala e não anda, mas transformou a vida de sua família

Na escola tudo sempre foi tranquilo também. Gustavo está na mesma instituição particular desde os quatro meses de idade. Para recebê-lo diariamente, a única adaptação da escola foi em relação ao assento, que fica na altura da carteira. “Ele tem uma escrita muito boa e desenha muito bem. Faz tudo como se tivesse os braços”, diz Jucemara.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Foi nessa instituição, inclusive, que Gustavo conheceu o xadrez. O interesse pelo esporte veio aos quatro anos. “Como eu ficava na escola o dia todo participava das aulas extras comecei a jogar xadrez”, conta. “E eu gosto do jogo até hoje porque ele me faz ter concentração, pensar em estratégias e também estimula o meu raciocínio“, explica o menino que já tem 12 medalhas neste esporte.

E a facilidade com os jogos lógicos trouxe há alguns anos mais uma paixão para a vida deste catarinense: o cubo mágico. Aqui, além do pensamento estratégico, Gustavo precisa ser ágil. E ele não deixa por menos: na modalidade com os pés ele já conseguiu duas medalhas. “Mas agora eu quero bater também o recorde mundial que é de 20 segundos”, finaliza esperançoso.

Diante de tantos desafios a superar, o apoio da família e da professora Eluana Marieli Moreira Turazzi, do Centro Educacional Meta, são importantes motivadores para Gustavo, que precisa de ainda mais apoio para seguir conquistando medalhas. “Queremos mostrar a capacidade que temos mesmo com qualquer deficiência”, salienta Jucemara. “Às vezes precisamos de pessoas para nos ajudar a ir além, já que os campeonatos fora da cidade têm um custo alto. Neste em que ele foi vice-campeão, algumas pessoas da cidade nos patrocinaram e foi ótimo!”, comemora a mãe orgulhosa.

***

Recomendamos também:

 

 

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também