Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Marten Bjork/Unsplash
Marten Bjork/Unsplash
Comportamento

Plano B: quando a vida profissional muda de rumo

Desejo pelo novo, busca por mais qualidade de vida ou satisfação pessoal são alguns dos motivos que levam a escolha de uma nova profissão

Escolher a carreira profissional exige, além de autoconhecimento, a análise de diversos fatores como vocação, realização pessoal e retorno financeiro. Mas isso não garante que a vida seja dedicada a apenas uma profissão. Com o passar do tempo, a vontade de trabalhar em outra área pode surgir e diversos fatores levam a isso.

Conciliação entre família e trabalho: uma pauta que precisa estar em foco

Segundo Michelle Navarro, consultora de carreira e empregabilidade, os principais motivos para a transição de carreira são o desejo por uma área que ofereça maiores perspectivas de desenvolvimento profissional, a falta de propósito naquilo que se faz, insatisfação com a empresa ou líderes, falta de reconhecimento ou sentimento de que seus verdadeiros talentos não são explorados.

“É certo que todos nós queremos ter uma profissão que nos dê segurança financeira e conforto, porém, isso deve estar ligado à vontade de exercer a atividade escolhida”, destaca.

Desejo pelo novo

Foi em busca de crescimento pessoal e profissional que Maria Lima, de 53 anos, deixou a profissão de enfermeira, em que atuou por quase 10 anos, para se tornar professora de física e de matemática na rede pública de ensino. Na época do vestibular, seu desejo era ser médica, mas acabou se tornando auxiliar e técnica em enfermagem. Anos mais tarde, se formou em Engenharia Química e foi um pulo para começar a lecionar.

“Pra mim sempre é tempo de mudar e experimentar um novo projeto de vida. Eu tenho uma enorme necessidade de mudança. O novo é esperança de renovo e dentro de mim tem algo que sempre pede novos horizontes, não consigo resistir”, afirma. A professora garante que não é falta de amor pelas profissões, pois sempre se sentiu realizada, e acredita que o importante é ter dedicação, responsabilidade e respeito pelo ofício. Ela ainda acredita que todos os dias aprende coisas diferentes e seria um desperdício de vida, tempo e aprendizado exercer a mesma função pelo resto da vida. “Eu nunca me arrependi de ter escutado os gritos de mudança do meu eu interior”, acrescenta.

Mudança planejada

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Ingrid Danielle Alves Pires Ricardo Wendt, de 35 anos, queria ser esteticista, mas começou a trabalhar como cabeleireira. Abriu seu próprio salão de beleza e trabalhou na área por 16 anos. Mesmo feliz na profissão, a forte concorrência do ramo e os problemas de saúde ocasionados pelo esforço repetitivo a fizeram repensar a carreira.

Para ela, satisfação pessoal e retorno financeiro andam juntos, por isso planejou bem a mudança. “Resolvi mudar radicalmente e montei uma hamburgueria e vendemos também açaí. Eu já tinha um ponto comercial, pesquisei e vi que este tipo de comércio está em alta, então resolvi investir”, conta. Com o apoio da família, Ingrid tem certeza de que se sentirá realizada no novo empreendimento, já que gosta muito de trabalhar alimentos e com o público.

Foco na família

Com o desejo de conhecer o Brasil e o mundo, Sérgio Conrado Koller, de 64 anos, se tornou caminhoneiro. Em seus 22 anos de estrada, percorreu quase todo o país e uma boa parte da América do Sul. As viagens para transportar produtos químicos eram longas, chegavam a 40 dias, e a esposa ficava sozinha em casa com o filho pequeno.

Após sofrer um acidente, que deu perda total no caminhão, ele decidiu que era hora de parar e cuidar da família. ‘A minha esposa adorou a mudança e meu filho mais ainda, porque eu estava todo dia com eles”, lembra Koller. “Com o acerto da última empresa em que trabalhei, comprei uma máquina pequena de marcenaria e comecei a fazer artesanato em casa, fui me adaptando e crescendo. Sempre gostei de trabalhar com madeira”, conta. Durante a infância ele ajudou o pai em uma serraria.

Desde 1995 como marceneiro e carpinteiro, ele já fez diversos projetos, como as réplicas do atelier de Alfredo Andersen, cozinhas coloniais e móveis para casa. Hoje, faz pallets, martelos de madeira e embalagens para empresas e também se dedica a construção do seu próprio barco. Nem o problema de saúde atrapalha seu trabalho – o marceneiro teve um tumor no nervo da perna direita e, após a cirurgia realizada há 13 anos, convive diariamente com a dor.

“Não me importo mais com a dificuldade que tenho na perna e continuo trabalhando. Me sinto realizado, me sinto bem, me sinto feliz”, assegura Koller, que está pensando na ideia de escrever um livro para contar toda a sua história.

Quando é a hora de mudar de profissão e como planejar a transição?

Michelle enfatiza que a transição de carreira não é apenas um projeto profissional, mas também um projeto de vida e pode gerar um sentimento de apreensão pela incerteza do novo. Por isso, é preciso ter coragem e planejamento. O primeiro passo é buscar as causas de não estar satisfeito profissionalmente para identificar se a desmotivação é causada pelo emprego ou pela atividade desenvolvida.

7 dicas para conciliar trabalho e família

“Nem sempre a insatisfação profissional pede uma mudança radical, por isso é necessário avaliar corretamente a situação”, destaca. Se a raiz do problema realmente for o ofício, a mudança deve ser planejada e “o melhor momento é aquele em que a preparação encontra a oportunidade”, afirma a consultora, que também é especialista em recolocação profissional.

A mudança de carreira deve ser alinhada com o propósito de vida e com valores pessoais e não acontece da noite para o dia. A especialista recomenda buscar apoio profissional para ter uma visão mais abrangente e escolher uma área de acordo com suas competências, que seja prazerosa e rentável. Michele ainda cita outras dicas para mudar de profissão:

  • Invista em autoconhecimento. Reconhecer os pontos fortes, os talentos, aptidões e o que precisa melhorar minimiza a insegurança e ajuda na escolha do novo caminho.
  • Avalie o impacto da decisão na vida financeira e pessoal.
  • Analise quais serão as mudanças de postura necessárias para atuar em uma nova área e reflita se está disposto a mudar.
  • Defina os prós e contras do trabalho e veja o que se encaixa no seu perfil.
  • Se prepare. Estude o mercado, verifique quais são os requisitos para atuar na nova profissão, converse com que já trabalha na área e se capacite antes de mudar efetivamente de carreira.

***

Recomendamos também:

***

Acompanhe-nos nas redes sociais: Facebook Twitter | YouTube

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também