Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Pais e filhos

Laços mais fortes e menos depressão: conheça os benefícios da refeição em família

Crianças e adolescentes que jantam regularmente em família apresentam mais facilidade para lidar com problemas, melhor desempenho acadêmico e menores taxas de doenças emocionais

Reunir a família no momento das refeições é algo comum na rotina da empresária Kelly Nery, de 40 anos. Moradora de Curitiba, ela trabalha perto de casa e sempre aproveita o intervalo de almoço para comer na companhia do esposo e do filho de oito anos. “É nossa hora de união e de conversa”, afirma a paranaense, que repete o encontro à mesa todas as noites e garante que isso é necessário para manter o bom vínculo familiar. “São nesses momentos que colocamos todos os assuntos em dia, e isso faz diferença”, completa.

Pedir perdão aos filhos não é fraqueza e fortalece a relação familiar

Segundo o Family Dinner Project, projeto desenvolvido pela Escola de Educação de Universidade Harvard para incentivar as refeições em família, reunir pais e filhos para comer juntos traz benefícios significativos à saúde física e emocional de adultos e crianças. “Compartilhar uma refeição divertida em família é bom para o espírito, o cérebro e a saúde de todos os membros”, afirmam os responsáveis pela iniciativa, no site do projeto.

Para chegar a essa conclusão, eles avaliaram pesquisas desenvolvidas nos últimos 25 anos a respeito do assunto e perceberam, por exemplo, que crianças e adolescentes que jantam regularmente com a família apresentam melhores notas na escola, maior vocabulário e mais facilidade para lidar com problemas. Além disso, as taxas de uso de drogas, gravidez na adolescência, distúrbios alimentares e de depressão são menores nessas famílias.

De acordo com a analista de comportamento e especialista em práticas familiares, Luana Cavicion Gomes, isso ocorre porque as refeições aumentam o vínculo entre pais e filhos ao possibilitar um bom diálogo e gerar mais confiança entre eles. “Quando sentamos à mesa com nossos familiares, temos trocas afetivas e de vivência”, afirma a psicóloga brasileira. Além disso, cada membro “se sente amparado, acolhido e respeitado”.

“Quando sentamos à mesa com nossos familiares, temos trocas afetivas e de vivência”, afirma a psicóloga.

Só que a rotina apertada tem roubado esse momento especial de muitas residências e poucos pais têm separado algumas horas de seu dia para aproveitar as refeições em família. “É necessário lembrar que os filhos crescem muito rápido e que esse tempo não volta mais”, pontua a terapeuta, que aconselha a reunião em, pelo menos, uma refeição por dia. “Pode ser no café, no almoço ou no jantar”.

Dicas para uma refeição significativa

Após definir o melhor horário de acordo com a agenda familiar, é necessário cuidar com os assuntos abordados durante a refeição para evitar tópicos “espinhosos” como notas escolares ou problemas financeiros. “Se a família estiver passando por momentos de crise, dificuldades ou entrar em uma discussão repentina, por exemplo, tentem conversar a respeito disso depois”, orienta Luana.

Foto: Arquivo pessoal/Luciana Squioquet
A família de Luciana se reúne diariamente para o almoço e o jantar. Foto: Arquivo pessoal/Luciana Squioquet

Esse foi o conselho que tornou as refeições do casal Rubens e Luciana Squioquet mais especiais e divertidas. Depois que os dois filhos nasceram, eles decidiram falar apenas de assuntos alegres em volta da mesa, evitando qualquer conversa mais séria que pudesse constranger algum membro da família. “Esse é um momento de estar feliz, então falamos de coisas legais e brincamos”, afirma Luciana.

Segundo a especialista em práticas familiares, essas refeições também são essenciais para transmitir bons hábitos alimentares às crianças, sem que os pais precisem de menus muito elaborados para isso. “Quando a mãe come frutas, verduras e sente satisfação com isso, os filhos percebem e compreendem que o alimento saudável é agradável”, explica.

6 dicas para ir com os filhos ao supermercado

Para isso, Luciana procura variar nas receitas e aproveita seus pratos para ensinar os filhos de 8 e 13 anos a respeito da importância de ingerir diferentes frutas e verduras. “Nós fazemos até algumas brincadeiras como adivinhar o que tem no suco, por exemplo. Aí, quem acerta todos os ingredientes ganha alguma coisa”.

Outra dica para tornar a refeição ainda mais proveitosa é diminuir a atenção dedicada ao celular ou à televisão, utilizando esses aparelhos apenas para enviar alguma mensagem urgente, conversar via Skype com o pai que não chegou a tempo para o jantar ou para assistir algum vídeo que possa servir de assunto durante a conversa à mesa. Aos poucos, todos os membros perceberão como é gostoso interagir nessas refeições e contarão as horas para o encontro diário especial.

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também