Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Comportamento

Harmonia no trabalho: como não ser um colega inconveniente

Comece fazendo uma reflexão sobre suas atitudes no ambiente corporativo e evite que seus colegas se afastem de você

O “funcionário chato” corre o risco de carregar esse estereótipo para o resto da vida. Ele costuma contaminar o ambiente de trabalho com fofocas, reclama de tudo e cria conflitos com seus hábitos inconvenientes e ainda acha que seu comportamento é natural. Encontrar pessoas assim nas empresas não é raridade.

Como seu local de trabalho pode te ajudar a ser uma pessoa mais gentil

Segundo Elizabeth Sinnott, psicóloga e professora de Recursos Humanos do Centro Universitário Internacional (Uninter), geralmente esse profissional não percebe o quanto é desagradável e continua repetindo comportamentos que incomodam o coletivo. Por vezes fala alto ao celular ou atende ligações em meio a uma reunião importante. Não é colaborativo, contamina o ambiente com muitas reclamações individualista, é preguiçoso ou sempre atribui ou deixa tarefas para o colega fazer em vez de tomar iniciativa.

Conhece alguém com esse perfil? Ou talvez se identificou com algum dos pontos acima e percebeu ser você o inconveniente da equipe? Caso a resposta tenha sido sim para a segunda pergunta, Elizabeth dá uma dica especial: olhe para seus erros e assuma seus defeitos. “O primeiro passo para ver se você não é uma destas pessoas é começar fazendo uma reflexão sobre suas atitudes no ambiente corporativo e verificar se existem alguns sinais que podem estar atrapalhando sua convivência em equipe, fazendo com que seus colegas se afastem de você”, afirma ela.

“Só a partir do feedback a pessoa pode evoluir. Ter um retorno é importante para saber se estamos correspondendo às expectativas da empresa”

Elizabeth explica que algumas atitudes comportamentais que parecem simples para você, podem ter grande potencial para gerar conflitos. Por isso, depois de refletir é importante ter humildade para pedir ajuda ao seu gestor ou mesmo um colega da equipe com quem você tenha confiança e, principalmente, estar aberto ao que a sua equipe falará sobre sua conduta. É importante que os colegas de trabalho andem na mesma direção e que todos cooperem um com o outro para que o desempenho geral não seja prejudicado.

Por isso, o feedback é valioso no ambiente de trabalho e deve ser feito com regularidade. E ele só pode vir daqueles com quem você trabalha diariamente e principalmente por seu gestor, que é quem enxerga o todo e pode perceber nuances comportamentais entre seus liderados. “Só a partir do feedback a pessoa pode evoluir. Ter um retorno é importante para saber se estamos correspondendo às expectativas da empresa”, observa Elizabeth, ao ressaltar que o funcionário que mantém um comportamento desagradável no trabalho, traz isso de outros ambientes e nem percebe.

Vontade de mudar

Mas para que esse cenário se transforme de fato, é preciso que a pessoa deseje a mudança. “Com uma boa reflexão, apoio dos colegas e mudança de hábitos, ele vai notar que isso funciona e traz resultados positivos para o todo”, garante Elizabeth. Considere também que essa relação com os outros precisa se tornar cada vez mais positiva. “Em primeiro lugar o ser humano é social e sempre precisa das outras pessoas para viver”, diz.

Elizabeth traz, também, algumas perguntas para que você se faça ou sugira ao colega que está passando por um “processo de recuperação da inconveniência”. Elas podem ajudar a manter o foco na mudança e na reestruturação da boa convivência organizacional:

– Você considera que ainda precisa desenvolver sua vida profissional ou pessoal?

– Ao falar você percebe se as pessoas te escutam e como elas se comportam quando você está falando? E você escuta as pessoas e percebe o impacto que causa nelas?

– Você percebe que as pessoas atingem resultados de forma diferente?

– Quem é mais importante no processo profissional, você ou a equipe como um todo?

– Para sua evolução, você poderia pedir o feedback ou é algo complicado para se fazer?

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também