Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Comportamento

Fim de ano é ótima oportunidade para balanço pessoal

Veja por que é importante refletir sobre o que deu certo e o que deu errado nos meses que se passaram e algumas dicas sobre como fazer isso e se preparar para o próximo ano

Chegamos à fase final de um ciclo e é hora de apresentar um balanço das contas. Além das celebrações, reuniões e bons votos que o fim de ano traz, é uma oportunidade de fazer balanços, tanto pessoal como profissionalmente. Isso porque consideramos um ano como um ciclo, que tem começo e um fim, ainda que a vida não termine quando o relógio bate a meia-noite em 31 de dezembro, é o fechamento de um período de vida que merece alguma reflexão.

Uma pausa no caminho

Assim como no início do ano costumamos fazer uma projeção do futuro, é importante olhar para trás e fazer um balanço dos eventos negativos e positivos que ocorreram. Essa atividade é uma boa estratégia para reconhecer os pontos fortes, o que serviu para aumentar a autoestima e a segurança em suas próprias habilidades. Serve também para preparar o terreno que está por vir e, mais uma vez, aprender com os erros e traduzi-los em oportunidades de melhoria. É um exercício que proporciona clareza mental e permite medir o desempenho pessoal como, por exemplo, perseverança e empenho, para assim melhorar de forma contínua e se desenvolver.

Chaves para fazer o balanço pessoal

A avaliação pessoal é uma forma de se conectar consigo mesmo, por isso deve ser feita sem pressa, já que cada um tem o seu estilo. O importante é não começar um novo ano sem ter feito essa pausa antes. Para isso, a psicóloga clínica Mariely Said propõe as seguintes chaves publicadas em um artigo no jornal La Tercera de Chile:

  • Realizar um balanço de fim de ano é fazer uma parada ao longo do caminho que pode trazer resultados benéficos. Olhar para trás implica ver o que nos propusemos a fazer, o que alcançamos e o que quisemos, mas não conseguimos alcançar.
  • Este recurso é a oportunidade de crescer, independentemente do fim ser positivo ou negativo, só por permitir a aprendizagem.
  • Há uma tendência de lembrar somente a parte ruim, o que não pudemos conquistar, e isso nos causa frustração. No entanto, a satisfação na vida não depende apenas de sucessos, mas de aprender a apreciar as coisas simples, aquilo que temos hoje.
  • Tudo de difícil que enfrentamos traz oportunidades, pode ser maturidade, mais empatia ou proximidade com os outros. “O desespero nos invade quando nos preocupamos muito com o que nos fez sofrer no passado, nos impedindo de olhar para o futuro”, diz Said.
  • Fazer planos para o futuro pode ser altamente motivador para as pessoas, como se assim eles tivessem um guia para seguir. No longo prazo servirá para avaliar quais objetivos alcançamos e o que podemos aceitar ou alterar.
  • Expressar em público algumas de nossas metas ajudará a gerar um certo grau de compromisso com o que nós dissemos. “O desafio é passar das palavras à ação, cumprir aquilo que dissemos e fazer o que sonhamos”, enfatiza a psicóloga.
  • O importante é evitar as frustrações pelo que não conseguimos fazer durante o ano. Said enfatiza que, “quando as pessoas chegam ao final de suas vidas, não pedem a elas para trazer os seus diplomas, apenas querem ser cercadas por aqueles que amam. A sabedoria está em aprender isso o mais rápido possível”.

Passo a passo do balanço pessoal

Se alguma vez você já se sentou com o papel na mão para marcar os projetos no fim do ano, é hora de tirá-los para fora da gaveta; assim ficará mais fácil. Do contrário os projetos guardados ficam salvos no disco rígido da mente, e você terá que se lembrar cuidadosamente de um por um. Embora não haja um procedimento padrão, podemos considerar a avaliação dos pontos abaixo:

Conquistas

É importante ser o mais claro e honesto possível, porque não é um balanço apresentado para o chefe, mas para você mesmo. Você deve revisar cada meta definida, propósito e prazo de cumprimento. Essas conquistas devem ser celebradas e servir como fonte de motivação para novas conquistas.

Metas não concluídas

Uma vez que você revisou os objetivos alcançados, temos de rever os inacabados. Isso não é para se sentir frustrado com o que não foi alcançado, mas sim para procurar aprender com os erros e começar um novo ano com uma atitude vencedora. Talvez seja o caso de avaliar se era um objetivo ambicioso demais ou irrealista. Também é hora de avaliar as metas que fazem parte da lista e em dezembro ainda não foram cumpridas. Vale a pena identificar o que impede de concluí-la; se são condições pessoais e dependem de vontade própria.

Aspectos a melhorar

É o objetivo principal de todo o balanço, porque o exercício não teria sentido se não incluísse essa última fase. Das experiências que aprendemos com esse tipo de reflexão, aumentamos o conhecimento próprio que se traduz em benefícios às pessoas e no relacionamento com os outros.

Após a conclusão dessa avaliação, deve surgir um sentimento de esperança e atitude positiva para o novo ciclo que começa. Nunca uma atitude derrotada, mas um norte claro a seguir.

Fonte: LaFamilia.info.

Leia também