De casa

O trabalho remoto pode nos tornar trabalhadores compulsivos?

  • PorMaria Isabel Martinez Castro*
  • The Conversation
  • 05/01/2021 18:46
Há vantagens no trabalho remoto, mas também novos desafios e obstáculos que afetam a saúde física e emocional dos trabalhadores.
Há vantagens no trabalho remoto, mas também novos desafios e obstáculos que afetam a saúde física e emocional dos trabalhadores.| Foto: Marcus Aurelius/Pexels

Você trabalha a distância? Provavelmente sim. Se não, provavelmente você conhece alguém próximo a você que está fazendo isso. Durante a pandemia, uma grande parte da população mundial teve que trabalhar em casa.

Siga o Sempre Família no Instagram!

Um estudo do Centro Superior de Pesquisas Científicas (CSIC), da Espanha, sobre confinamento, habitação e habitabilidade concluiu que em 92% dos lares há pelo menos uma pessoa fazendo teletrabalho ou tele-estudo. Referimo-nos a uma das formas mais comuns de teletrabalho: o realizado em casa, que apresenta particularidades do ambiente em que ocorre.

Como você está lidando com o trabalho em casa?

Ninguém duvida das vantagens de poder trabalhar em casa. No entanto, enfrentar essa mudança também significa encarar novos desafios e obstáculos que afetam a saúde física e emocional dos trabalhadores.

É verdade que esses problemas não ocorrem necessariamente em todos os casos. Claro, existem várias características pessoais, a tarefa e o ambiente doméstico que podem afetar negativamente o ambiente de trabalho. A organização do tempo dedicado às tarefas laborais, por exemplo, juntamente com outras variáveis, pode constituir um risco psicossocial para a nossa saúde mental.

O trabalho remoto permite que se trabalhe menos, em alguns casos. Porém também pode fazer o contrário: impor que trabalhemos excessivamente, além da jornada a que estamos acostumados e com um horário não de acordo com o que o organismo aguenta.

Estamos expostos, ainda, a sofrer uma disfunção psicológica significativa: o vício no trabalho. Se caracteriza por uma preocupação irresistível com as atividades de trabalho e uma necessidade incontrolável de investir muito tempo e esforço nelas.

Por que algumas pessoas desenvolvem esse problema e outras não?

Existem vários fatores que influenciam esse tipo de vício. Agora, as variáveis ​​de personalidade desempenham o papel principal. Os traços mais representativos do vício no trabalho são neuroticismo, personalidade tipo A (competitividade, senso de urgência e hostilidade), supercomprometimento, perfeccionismo e extroversão.

A falta de assertividade também torna difícil para muitas pessoas dizer "não" a seus superiores quando mais trabalho lhes é imposto. Por outro lado, você pode passar mais tempo trabalhando para evitar situações emocionais negativas (como conflitos de relacionamento).

Que efeitos o vício no trabalho pode ter em nossa saúde?

O vício no trabalho é um problema com consequências significativas. Não apenas no nível psicológico, mas também no nível fisiológico e psicossomático. Entre as consequências psicológicas, está a síndrome de burnout; possíveis conflitos entre o tempo de trabalho e no relacionamento com o companheiro, família, amigos, etc .; ansiedade e estresse no trabalho.

No nível psicossomático, existem inúmeras investigações que o relacionam aos distúrbios do sono. No nível físico, há evidências de uma relação entre o vício no trabalho e a pressão arterial sistólica elevada. Um estudo do Conselho Nacional de Psicologia da Espanha alerta que 40% dos entrevistados apresentaram sintomas moderados e graves de depressão. Outros 30% tinham problemas de ansiedade. A qualidade do sono é outra das áreas mais afetadas.

Entre as possíveis causas desses dados estão os motivos do trabalho. Na verdade, teme-se que apareça uma “quarta onda” da pandemia de saúde mental.

Como posso saber se sou ou estou me tornando um workaholic?

Aqui estão alguns dos possíveis sintomas facilmente reconhecíveis:

  • Não cumprir o cronograma de trabalho estabelecido.
  • Ter pouco ou nenhum tempo livre para descansar. Sentir-se desconfortável com isso.
  • Falar apenas sobre trabalho, mesmo nas saídas de lazer.
  • Ter uma sensação constante de medo ou angústia e estresse frequente devido ao trabalho.
  • Recusar-se a tirar dias de folga quando doente.
  • Mostrar pouco interesse em tirar férias.
  • Ir para a cama pensando nas atividades de trabalho pendentes.

O que você pode fazer a respeito?

Embora pareça mais evidente quando falamos sobre o uso não controlado de substâncias, por exemplo, como outros vícios, o vício do trabalho também deve ser tratado. Se você não consegue separar o trabalho dos tempos de lazer ou pessoais e ignora os tempos de descanso, ou se lhe dizem repetidamente que você trabalha muito, é hora de ver o que pode estar acontecendo. O importante é estar atento aos sinais para evitar consequências mais graves.

E lembre-se: não há relação entre o grande esforço realizado no trabalho que caracteriza esse problema e o aumento do desempenho no trabalho.

*Maria Isabel Martinez Castro é doutora em Psicologia e psicóloga Geral de Saúde na Universidade Internacional de Valência.

©2021 The Conversation. Publicado com permissão. Original em espanhol.

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.