Em casa

As famílias sairão fortalecidas da pandemia?

  • PorSalomé Adroher Biosca* e María José López Álvarez**
  • The Conversation
  • 04/01/2021 17:11
A experiência de uma intensa convivência familiar que por vezes gerou conflitos, também permitiu relações mais estreitas.
A experiência de uma intensa convivência familiar que por vezes gerou conflitos, também permitiu relações mais estreitas.| Foto: Bigstock

Os efeitos do confinamento provocados da pandemia, além daqueles resultantes da perda de empregos e da crise econômica, foram especialmente significativos para as famílias. Tanto para quem é sozinho como nas casas com crianças.

Siga o Sempre Família no Instagram!

Em 25,7% dos lares espanhóis, por exemplo, a experiência da solidão teve consequências duras. E nos casos de dependentes idosos, a suspensão de recursos de cuidado, como creches ou ajuda domiciliar, e a vivência do medo e do isolamento têm acelerado, em muitos casos, o declínio cognitivo.

O segundo grupo de famílias para as quais o confinamento foi um teste de estresse é o de pais com filhos (33,4% de todas as famílias espanholas) e ainda mais famílias monoparentais (10,1%). Da noite para o dia estas famílias transformaram as casas em escola e escritório, com pais "teletrabalhadores" e filhos "tele-estudantes", e perderam o apoio fundamental dos avós que, na Espanha, juntamente com a escola, são essenciais para conciliar a vida, trabalho e família.

Alguns ensinamentos

O isolamento social deixou alguns ensinamentos: a dificuldade e a importância de cada um dar o seu melhor – para o trabalho e para o cuidado das pessoas e do lar – e o consequente direito de se desligar. Também a corresponsabilidade entre homens e mulheres como condição essencial da conciliação – as mães têm sido, também em reclusão, as mais dedicadas ao cuidado – e a vivência de uma intensa convivência familiar que por vezes gerou conflitos, também permitiu relações mais estreitas.

O que aprendemos

Para essas famílias o “novo normal” – com as crianças frequentando escola ou universidade e os pais frequentando o trabalho com maior presença – deixa algumas certezas:

  1. O teletrabalho ou o ensino online vieram para ficar.
  2. A flexibilidade do trabalho é um fator chave que permite o cuidado de crianças e adultos.
  3. A presença física profissional em muitos empregos é coisa do passado e o trabalho por objetivos é o futuro.
  4. O aparecimento de um lazer familiar mais caseiro e, claro, o drama social da perda de emprego em muitas famílias.
  5. O aumento da pobreza e da exclusão social.
  6. No caso de famílias com filhos maiores, sua idade de emancipação será ainda mais adiada (e já é uma das mais altas da Europa devido ao alto desemprego juvenil): de acordo com um estudo recente do Conselho da Juventude da Espanha, a pandemia está afundando emancipação juvenil: apenas 17,3% dos jovens vivem emancipados.

O sentimento de opressão e frustração com que muitos pais vivem nesta situação é compreensível. Antes mesmo de terminar a pandemia já quebrou as costuras de nossas estruturas sociais, econômicas e de bem-estar, expondo fortemente suas fraquezas.

O que devemos promover

A tarefa de reconstrução que temos pela frente não deve ser realizada sem reflexão sobre essas deficiências:

  1. Medidas de conciliação devem ser articuladas com uma abordagem mais ampla, oferecendo flexibilidade suficiente para enfrentar responsabilidades familiares que se estendem muito além do momento do nascimento dos filhos, que têm que abranger contingências muito diversas e que também incluem cada vez mais o cuidado para idosos e dependentes. A consolidação do teletrabalho, para o qual contribuiu a pandemia, pode ser uma boa ferramenta.
  2. Dignificar e valorizar as tarefas de cuidado para oferecer serviços de qualidade, garantir o bem-estar dos mais desfavorecidos e dar liberdade de escolha às famílias. A melhoria do benefício para filhos dependentes e da renda mínima vital podem ser formas de reconhecer parte desse trabalho, não remunerado, mas essencial para nossa sociedade.
  3. Corresponsabilidade é o assunto pendente. Alguns estudos sobre confinamento detectam uma maior disposição dos homens para fazer tarefas que antes não faziam como lavar roupas, cozinhar, fazer compras. Mas o ritmo é lento. A OIT estima que a diferença de gênero em termos de tempo gasto no trabalho de cuidado não remunerado não diminuirá até 2228 – e o fardo sofrido pelas mulheres tem consequências físicas e emocionais. Este é um empecilho muito importante para suas carreiras profissionais.

    A longo prazo, a tensão sofrida pelas famílias devido às dificuldades de conciliação tem outros efeitos nocivos: estudos indicam que o “inverno demográfico” que vive a Europa está longe de acabar e na Espanha a população deverá diminuir até 2050 três milhões de habitantes, que podem se tornar 23 milhões a menos em 2100.

Nem tudo está ruim. A exemplo da crise econômica de 2008, as famílias continuam a ser a principal fonte e referência dos indivíduos e a pandemia oferece oportunidades para fortalecer esses laços: maior envolvimento dos pais na educação dos filhos, tempo para viver e compartilhar e reconhecimento da vulnerabilidade do idoso e de suas necessidades.

* Salomé Adroher Biosca é professora de Direito Internacional Privado na Universidade Pontifícia Comillas

** Maria Jose Lopez Alvarez é professora de Direito do Trabalho e SS na Universidade Pontifícia Comillas-Madrid e na Universidad Pontificia Comillas

©2021 The Conversation. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.