Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock
Crédito: Bigstock
Comportamento

Como controlar a raiva, mesmo em situações de estresse

Autocontrole é algo que pode ser desenvolvido e treinado; confira dicas da psicologia para quem vive perdendo a calma

Não é fácil manter a calma e resolver problemas com a tranquilidade necessária sempre. Nosso temperamento é sujeito a provocações o tempo todo e ceder à ira ou à ansiedade é algo que pode ocorrer com qualquer um. Uma forma de diminuir o efeito das emoções negativas em nós é estabelecer estratégias e treinar o próprio temperamento. No livro El Autocontrol Emocional, os psicólogos espanhóis Natalio Extremera e Pablo Fernandes propõe cinco passos para quem quer, mas não consegue manter a calma em situações estressantes.

 

Convença-se de que é capaz

O primeiro passo é cultivar em si mesmo a certeza de que é capaz, uma vontade de dominar os próprios instintos e de frear as emoções negativas quando estas surgem. Alguns estudos mostram que o simples fato de você acreditar que pode se manter calmo em situações estressantes já diminui os efeitos da ansiedade no sistema nervoso.

Identifique as situações que o descontrolam

Acostume-se a analisar o próprio estado de ânimo e procure identificar em quais circunstâncias você perde a calma. O reconhecimento dessas situações e dos efeitos que elas provocam em si mesmo vai lhe permitir fazer o próprio diagnóstico para, a partir dessa resposta, estabelecer estratégias.

Faça uma lista das coisas que melhoram seu humor

Mentalmente ou no papel, enumere as ações ou pensamentos que aliviam seu estado de ânimo. Quando se conhece bem o próprio temperamento, uma lista como essas funciona como uma caixa de ferramentas sempre à mão para consertar algo que está fora de ordem. Nela pode haver elementos que o alegrem, que o relaxem, que o concentrem, etc. São acessórios que te ajudam a controlar a si mesmo.

Escolha sabiamente a opção ideal para cada momento

Depois que tiver aprendido a identificar a ocasião que o afeta e a emoção que o envolve (pode ser ira, medo, ansiedade), é hora de escolher qual item da lista de soluções criada por você é a mais adequada para a circunstância. No entanto, qualquer que seja sua escolha, é importante determinar alguns princípios a seguir, como fato de que nenhuma ação deve implicar em dano para outras pessoas e que seja social e culturalmente aceitável.

Avalie se deu certo

Por último, terminado o processo, reflita se a estratégia emocional funcionou. É essa etapa que lhe permite separar o que é ou não eficaz para si mesmo, além de tornar possível medir se houve ou não evolução em seu autocontrole com o passar do tempo

Com informações do site La Familia.info.

1 Comentário
Leia também