Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Ranking

As 11 melhores cidades do mundo para se viver

Lugares onde as condições de segurança, urbanismo, educação, meio ambiente e saúde tornam a vida em sociedade melhor

Periodicamente, a unidade de inteligência da revista britânica The Economist publica o ranking mundial das melhores cidades do mundo para se viver. O relatório leva em conta 30 fatores para determinar o ranking, entre os quais estão os índices de segurança, de educação, qualidade dos serviços de saúde, infraestrutura e respeito ao meio ambiente. Ao todo, 140 cidades foram pesquisadas. Confira quais ocupam as 10 primeiras colocações do ranking.

1.º) Melbourne (Austrália)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

Um dos centros financeiros mais importantes da Austrália, Melbourne é também a cidade que mais cresce no país, demográfica e economicamente. Tem 4,3 milhões de habitantes, portanto a segunda mais populosa – atrás apenas de Sidney – e exibe altos índices de desenvolvimento em todos os critérios considerados pela pesquisa.

A cidade é relativamente jovem, foi fundada em 1835 e se tornou capital do estado australiano de Vitória. Muitos a consideram a capital cultural da Austrália, já que ali funcionam diversas iniciativas vinculadas ao mercado cinematográfico, além do National Gallery of Victoria, a maior galeria de arte do país. É uma cidade litorânea de clima temperado localizada no sudeste do país.

 

2.º) Viena (Áustria)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

A capital da Áustria é também a maior cidade do país, com 1,8 milhões de habitantes. A milenar Viena é hoje uma das cidades com mais importância política no mundo. É sede de várias organizações internacionais, como a  Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), a  Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), além de abrigar uma das quatro sedes da Organização das Nações Unidas (ONU).

Embora tenha ficado na vice-liderança neste estudo, Viena já esteve no topo de pelo menos outras sete pesquisas relacionadas à medição da qualidade de vida. Sua rica história atrai anualmente cerca de 12 milhões de turistas à cidade.

 

3.º) Vancouver (Canadá)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

A maior cidade do oeste canadense, localizada no litoral, abriga uma população bastante heterogênea. Um censo recente mostrou que cerca de 52% dos moradores têm como língua materna algum idioma diferente do inglês. Os frequentes eventos internacionais que recebe, como os Jogos Olímpicos de Inverno, em 2010, têm tudo a ver com essa característica.

Considerando apenas a cidade, Vancouver tem pouco mais do que 603 mil habitantes, mas quando se inclui sua região metropolitana esse número salta para 2,3 milhões. Economicamente, destacam-se sua indústria cinematográfica – que lhe rende o apelido de Hollywood do Norte –, as empresas de mineração e o porto, que é o mais movimentado do país.

 

4.º) Toronto (Canadá)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

Toronto já liderou ranking anteriores da The Economist, mas a quarta colocação não diminui a atrativa qualidade de vida oferecida pela maior cidade do Canadá. Quem se preocupa com segurança, principalmente, ficará encantado em saber que Toronto é a cidade mais segura das Américas, com níveis de criminalidade realmente baixos para uma cidade do seu tamanho – 2,8 milhões de habitantes.

Os primeiros europeus a chegar à região foram os franceses, em 1640, e a França dominou o local durante quase 120 anos, quando os britânicos tomaram o controle. Localizada na margem norte do lago Ontário, a cidade recebeu esse nome por causa da palavra indígena usada pela tribo de nativos mohawk para designar o local. No idioma deles, “tkaronto” quer dizer “onde há árvores na água”.

 

5.º) Calgary (Canadá)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

Menos famosa internacionalmente do que as outras canadenses da lista, Calgary, capital do estado de Alberta, fica no sudoeste do Canadá, tem cerca de um milhão de habitantes e é sede das principais petrolíferas do país. Localizada aos pés das Montanhas Rochosas, Calgary está a mil metros do nível do mar, o que afeta diretamente as temperaturas da região. No inverno, a cidade chega a registrar até -20º C.

A pecuária local é bastante desenvolvida, o que estimula o fortalecimento de festas rurais, como o Calgary Exhibition and Stampede, considerado o maior rodeio do mundo.

 

5.º) Adelaide (Austrália)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

Empatada na pontuação com Calgary está Adelaide, cidade da costa sul australiana, conhecida por abrigar instituições ligadas ao desenvolvimento tecnológico e militar, como a Companhia de Submarinos Australianos, além de grandes indústrias automotivas como a General Motors e a Mitsubishi.

 

7.º) Sydney (Austrália)

Edifício Rainha Vitória, em Sydney, Crédito: Bigstock.
Edifício Rainha Vitória, em Sydney. Crédito: Bigstock.

A cidade mais populosa de toda Oceania, com cerca de 4,4 milhões de habitantes, é o lar de muitíssimos estrangeiros. Um levantamento recente mostrou que em Sydney falam-se 250 línguas diferentes, sendo que um terço dos moradores da cidade falam em casa um idioma diferente do inglês. A economia de Sydney é tão robusta que, sozinha, supera o Produto Interno Bruto de países como Dinamarca, Singapura e Hong Kong.

 

8.º) Perth (Austrália)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

Perth fica no litoral oeste da Austrália, banhado pelo Oceano Índico. Além de oferecer invejáveis níveis de qualidade de vida, Perth detém o exótico título de metrópole mais isolada do mundo. Isso porque a cidade grande mais próxima é Adelaide, que fica a 2.104 quilômetros de distância. No passado, grandes minas de ouro funcionaram nas proximidades da cidade.

 

9.º) Auckland (Nova Zelândia)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

Maior cidade e principal centro econômico da Nova Zelândia, com seus 1,4 milhões de habitantes, Auckland concentra 31% da população do país. Uma das curiosidades mais chamativas da cidade é o fato de estar localizada em cima de um campo vulcânico, considerado hoje como inativo. A cidade também abriga o maior edifício do hemisfério sul, a Sky Tower, uma torre de comunicações e observação com 328 metros de altura, apenas oito centímetros menor do que a torre Eiffel.

 

10.º) Helsinki (Finlândia)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

Fundada em 1550 pelo rei da Suécia, Gustavo I, Helsinki também já esteve sob o domínio russo e só em 1917 ganhou o status de capital, quando a Finlândia conquistou a independência. Por estar no extremo norte do mundo, seus invernos são naturalmente rigorosos, sendo frequentes temperaturas inferiores a -20º. A cidade de Helsinki tem cerca de 600 mil habitantes.

 

10.º) Zurique (Suíça)

Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.

Empatada com Helsinki está a cidade suíça de Zurique. Trata-se da única cidade global de nível alfa na lista. Essa nomenclatura é usada para designar as metrópoles economicamente mais influentes do mundo. O título coloca Zurique no mesmo patamar de importância para os negócios que Nova York, Paris, Tóquio e Londres, por exemplo. Um quarto de toda a atividade econômica da cidade é vinculado às finanças, em especial ao sistema bancário. Cerca de 380 mil pessoas vivem em Zurique.

 

Leia também

As 10 melhores cidades para se viver no Norte do Brasil

As 15 melhores cidades do Paraná para se viver

As 10 melhores cidades do Nordeste para se viver

As 10 melhores grandes cidades do Brasil para se criar os filhos

As 10 melhores pequenas cidades do Brasil para se viver

As 15 melhores cidades para se viver em Santa Catarina

As 15 melhores melhores cidades para se viver no Rio Grande do Sul

As 20 melhores cidades de São Paulo para se viver

As 15 melhores cidades para se viver no estado do Rio de Janeiro

16 Comentários
  1. Sou Suico, nacei em Berna e agora estou morando em Gramado RS. Vivei antes 3 meses em Vienna e gostei da Cidade, sim, tem muito cultura e histora e casas com fachadas maravilhosas. Mas pra mim Viena nao esta no primeiro ou segundo lugar. Falta ainda uma solucao com o transito individual, o transito publico precisa ainda melhorar e os impostos da renda sao alto demais.
    Viver numa cidade Suica como Bern ou Zürich tem mas qualidade.

Leia também