Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Defesa da Vida

Baby Boom na Polônia: programa do governo faz nascimentos crescerem 10%

2,5 milhões de famílias já se beneficiam do programa que distribui dinheiro para casais que fazem a família crescer, a partir do segundo filho

O programa do governo da Polônia para combater os baixos índices de natalidade – que subsidia metade dos gastos de cada um dos filhos a partir do segundo – tem dado resultado. Em janeiro deste ano, nasceram no país 2,3 mil crianças, 10% a mais que no mesmo período em 2016. Se essa taxa de crescimento persistir, 2017 pode contabilizar 400 mil nascimentos, o que seria o maior número desde 2010.

Esses dados, aliás, se referem apenas aos hospitais públicos. O aumento pode ser ainda maior se incluir as estatísticas das instituições privadas. O programa 500+ foi instituído em abril de 2016 e desde então mais de 2,5 milhões de famílias já se beneficiaram dos 500 zloty por mês – o equivalente a 115 euros e à metade dos gastos médios com um filho – que o governo repassa por cada filho a partir do segundo, ou a partir do primeiro em caso de famílias de baixa renda ou crianças com necessidades especiais.

Rússia, o primeiro país a legalizar o aborto, agora pede a proibição total da prática

Segundo o governo – liderado pela primeira-ministra Beata Szydło –, o programa começou a fazer efeito já no ano passado, quando se registrou um ligeiro aumento no número de nascimentos – 16 mil a mais que em 2015. A popularidade do programa é tão grande que os especialistas creem que algum partido que assumisse o governo no futuro dificilmente o aboliria.

Ainda assim, o programa sofre críticas dos partidos de oposição, que apontam como problema os altos gastos que ele exige. O governo implantou novos impostos a grandes empresas, sobretudo estrangeiras, para dar conta de manter o subsídio.

 

Com informações de Infocatolica.

 

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também