Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Steven HWG/Unsplash
Steven HWG/Unsplash
Pais e filhos

Por que somente o cuidado familiar não é o melhor atendimento para idosos

Dependendo das necessidades do idoso, a casa de seus filhos pode não ser um ambiente apropriado para o seu cuidado

Catherine Needham*, The Conversation

Durante sua gestão como subsecretário de estado parlamentar no Departamento de Saúde do Reino Unido – 2016 e 2017 –, David Mowat, teve uma grande ideia para lidar com a crescente demanda por cuidados no futuro: cuidar de nossos pais, da mesma maneira que eles cuidaram de nós quando crianças. Como ele disse a um comitê seleto de deputados:

“Uma das coisas que me impressionou é que nunca ninguém questiona porquê cuidamos de nossos filhos – isso é óbvio. Ninguém diz que é uma responsabilidade solidária, é o que fazemos… Penso que parte dessa lógica e parte do modo como pensamos nisso, em termos do volume de números que estamos vendo descendo a pista, terão de afetar a maneira que pensamos em cuidar de nossos pais. Porque é uma responsabilidade em termos de nosso ciclo de vida que é semelhante”.

Ele não está sozinho, o secretário de saúde Jeremy Hunt também pediu anteriormente que as pessoas cuidem mais de seus parentes idosos. Pelo seu valor nominal, existem alguns aspectos atraentes dessa visão. A ideia de um ciclo de vida é atraente – depois de cuidar das crianças, receber cuidados na velhice parece uma justiça natural.

A maioria dos cuidadores de pessoas com demência são familiares, que também precisam de ajuda

Ela evoca imagens de famílias multigeracionais, onde os avós ajudam nos cuidados com as crianças e nos trabalhos de casa enquanto os pais estão fora do trabalho. Ou até mesmo a família de Charlie, em A Fantástica Fábrica de Chocolate, onde os avós dividem uma cama na sala e todos se esmagam. Eles são pobres, mas felizes, sem visitas de cuidados de 15 minutos ou negligência institucionalizada.

De fato, evitaria que os idosos fossem enviados para asilos onde raramente encontram jovens. Mas antes de trazermos uma cama de casal para a sala de estar para nossos pais e avós, vamos pensar em alguns aspectos práticos.

Há problemas com o cuidado da família

Muitos de nós moramos longe de nossos pais, por isso não somos capazes de simplesmente “aparecer” todo o tempo. Portanto, se ficar em casa não é uma opção para idosos, precisamos decidir se eles devem interromper suas redes de amizade e afinidade com um lugar, para se aproximar de nós; ou se devemos desistir de nosso próprio trabalho e redes para viver com eles ou mais próximos deles. Parece que não há outra barra de opções que passa muito tempo na estrada, prestando cuidados à distância.

Adote um avô: projeto combate a solidão de idosos em asilos

Sabemos que muitos membros da família já são prestadores de cuidados não remunerados. A Carers UK indicou que mais de 6,5 milhões de pessoas no Reino Unido oferecem cuidados informais, muitos dos quais são filhos adultos apoiando seus pais. Cerca da metade deles também equilibra o trabalho de assistência com o emprego e outras demandas familiares.

Cuidar de um ou mais pais frágeis pode ser exigente. À medida que as pessoas abordam a necessidade de serviços de cuidados formais, elas geralmente são bastante frágeis, têm necessidades complexas e geralmente incluem os estágios avançados da demência. A casa da família de seus filhos pode não ser mais um ambiente apropriado se não houver banheiro no térreo, chuveiro ou quarto acessível.

Também devemos estar cientes de quem provavelmente será encarregado desse papel de cuidar – na maioria das vezes filhas e outras parentes. Os cuidados remunerados e não remunerados são uma tarefa de gênero que muitas vezes recai sobre as mulheres. E alguns países, por exemplo, o Japão, explicitamente se afastaram disso por causa das deficiências reconhecidas no atendimento à família, como as pressões exercidas sobre os prestadores de cuidados informais.

Melhor assistência social

É claro que nem todo mundo tem filhos para cuidar deles e aqueles que o fazem podem não necessariamente querer ser cuidados por seus filhos – pelo menos em relação a tarefas íntimas, como lavar e se vestir. É precipitado sugerir que os adultos que cuidam dos pais tenham o mesmo tipo de relacionamento e intimidade que os pais que cuidam dos filhos. Para os adultos, é necessário negociar um tipo de relacionamento muito diferente, com o qual ambas as partes possam ter dificuldades e prejudicar os laços entre elas.

Como ajudar seus pais ou avós a envelhecerem bem?

A Grã-Bretanha progrediu no caminho de um estado de bem-estar social desde 1948, no qual bons cuidados na velhice são algo a que temos direito como parte dos direitos comuns da cidadania. Não deve estar sujeito às relações irregulares, parciais e às vezes violentas que temos dentro das famílias.

É claro que muitas famílias prestam assistência – geralmente em situações excepcionalmente exigentes. Mas exortar as pessoas a prestar mais cuidados familiares não se parece como um modelo sustentável para atender à crescente demanda de uma população em envelhecimento. Não devemos apelar para o modelo doméstico nostálgico e com tons rosados que não existe mais – e era problemático quando existia. Em vez disso, deve haver um sistema integrado de saúde e assistência social adequadamente financiado através de impostos gerais, que reconheçam direitos e responsabilidades compartilhados entre todos os cidadãos.

*Professora de Políticas Públicas e Gestão Pública, Universidade de Birmingham

Tradução de Janaína Imthurm.

©2019 The Conversation. Publicado com permissão. Original em inglês.

***

Recomendamos também:

***

Acompanhe-nos nas redes sociais: Facebook Twitter | YouTube

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também