Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Ciro Gomes discursando
Foto: Wikimedia Commons
Eleições 2018

O que Ciro Gomes pensa sobre religião, aborto e casamento gay

O explosivo político cearense, candidato à presidência em 1998 e 2002, está de volta à disputa.

Depois de duas tentativas frustradas em 1998 e 2002, Ciro Gomes (PDT) está de volta no páreo para disputar a presidência da República em 2018. Membro de uma família tradicional na política cearense, Ciro se apoia em seu largo currículo político e nas críticas ácidas contra possíveis adversários dadas em entrevistas – entre os seus alvos, estão desde Lula e Marina Silva a João Doria e Jair Bolsonaro. No que diz respeito aos temas morais, as muitas declarações dadas por Ciro enquadram-se perfeitamente na categoria liberal, embora ele próprio tente evitar o rótulo.

Nascido em Pindamonhangaba, no interior de São Paulo, Ciro mora no Ceará, terra do seu pai, desde os quatro anos de idade. Formou-se em Direito na Universidade Federal do Ceará e cursou Economia na Harvard Law School. Ele entrou para a vida pública aos 20 anos, quando seu pai, então prefeito de Sobral, o nomeou procurador do município.

Em 1982, aos 25 anos, conquistou seu primeiro cargo eletivo, como deputado estadual. Aos 31, já era prefeito de Fortaleza, aos 33, governador do Ceará e aos 37, ministro da Fazenda, no governo de Itamar Franco. Nesse período, passou pelo PMDB e pelo PSDB.  Em 1996, migrou para o PPS, pelo qual concorreu à presidência da República em 1998 e 2002. Conquistou quase 10,97% dos votos na primeira tentativa e 11,97% na segunda. Durante o primeiro mandato de Lula foi ministro da Integração Nacional. Entrou para o PSB em 2005 e foi eleito deputado federal em 2006. Em 2010 e 2014, não se candidatou a nenhum cargo.

O que João Doria pensa sobre religião, aborto e casamento gay

Desde 2015, depois de uma passagem pelo PROS, está no PDT, seu sétimo partido, no qual é vice-presidente. Ele recusou para si todas as aposentadorias derivadas dos cargos políticos que ocupou até hoje. “Sou um socialista democrático em permanente revisão. No Brasil, até os adjetivos esquerda e direita são malversados”, afirmou à BBC em 2017. “Eu sou considerado um comunista para a direita e sou considerado um direitista para a esquerda. Ou seja, estou na posição correta”.

Ao mesmo tempo em que considera o ícone conservador Winston Churchill “o maior homem do século XX”, Ciro afirma que concorrer à presidência em uma chapa com Fernando Haddad (PT) “seria o dream team”.

 

Religião

Perguntado se adere a alguma religião pela Folha de S. Paulo, em 2008, Ciro disse que tem “uma crença em Deus” e que admira “a figura de São Francisco de Assis”.

Ele é crítico ao que chama de “interferência da religião” em assuntos políticos. Em 2010, ao Estadão, ele criticou duramente o uso do tema do aborto para desmerecer a candidatura de Dilma Rousseff. Disse que “a calhordice da mistificação religiosa” é “grave para o país”. “A imundície está tomando conta, essa coisa do ódio religioso, da intolerância trazida para a política”, afirmou.

O que Jair Bolsonaro pensa sobre religião, aborto e casamento gay

O assunto emerge ao redor de temas como aborto e casamento gay. “Eu respeito a sociedade brasileira como ela é. Temos uma Igreja Católica que é extremamente solidária com os pobres, mas extremamente criptoconservadora nesses termos de costumes. O chefe de Estado tem que entender isso, tem que compreender e respeitar isso”, disse à BBC em 2017.

Ao El País, no mesmo ano, Ciro seguiu na mesma linha: “Sei da importância estratégica da Igreja Católica e, mais recentemente, da crescente igreja neopentecostal, na solidariedade com os pobres, com o qual tenho total afinidade. Eles aderiram aos protestos contra esses retrocessos anti-povo”.

Referindo-se novamente a temas como aborto e casamento gay, completou: “Mas eles são violentamente contra esses assuntos e eu quero ser presidente do Brasil. Então eu tenho que respeitar essas coisas. O presidente tem que ser média. Eu estarei nesta média pendendo para a tolerância, para o respeito. Em nenhuma possibilidade de normatização no meu governo prosperará estigmatizando seja quem for, seja por qual diferença for”.

 

Aborto

Ciro se declara pessoalmente contra o aborto, mas acha que quem deve decidir é a mulher. “O aborto é uma tragédia humana. É morte. Quem pode ser a favor disso? Mas acho que esse é um assunto da mulher, da família e não da política, do governo e, muito menos, da polícia”, disse Ciro, em entrevista ao programa Gordo a Go-Go, da MTV, em 2002, quando concorreu à presidência.

O que Marina Silva pensa sobre religião, aborto e casamento gay

Em 2008, à Folha de S. Paulo, disse: “O aborto é um mal. Ponto. Para os religiosos, um pecado. Para uma jovem, uma tragédia. Criminalizar o drama de uma jovem pobre que engravidou de forma imprudente, incauta, ou porque lhe faltaram contraceptivos, só produzirá mais aborto, mais violência. O aborto deve ser uma decisão da mulher. O Estado não tem nada a ver com essa decisão”. Em 2017, ao El País, reafirmou sua posição: “O corpo da mulher a ela pertence, não é assunto de Estado, portanto o aborto é uma questão de saúde pública”.

 

Casamento gay

Ciro já teve problemas com a comunidade LGBT quando disse ao Fantástico, em 1993, que os gaúchos defensores da separação do Sul do país “deviam ter desvios homossexuais”. Além disso, em 1994, chamou um opositor de “baitola”. Em 2002, disse a Marília Gabriela que aprendeu “a superar a homofobia com o presidente do Grupo Gay da Bahia, Luiz Mott”. O próprio Mott, porém, disse em 2017 que “Ciro é um homófobo incorrigível”.

O que Alvaro Dias pensa sobre religião, aborto e casamento gay

No mesmo ano, disse a O Globo: “Sou absolutamente a favor dos efeitos civis da união estável de homossexuais. Casamento não é o que eles estão postulando. Quanto à adoção, se for o melhor para a criança, se a condição for correta, depois de apreciada pela Justiça, como em qualquer outra adoção, tudo bem”. Em 2015, quando os Estados Unidos aprovaram o casamento gay, Ciro aplicou o filtro com as cores da bandeira gay na foto de seu perfil no Facebook.

Ciro diz, porém, que não quer ser um “esquerdista guru de costumes”. Em 2017, ao El País, se defendeu da acusação de estar distante da comunidade LGBT dizendo: “Qual é minha opinião sobre a união homoafetiva? Considero justa toda forma de amor, para usar o verso do grande Lulu Santos. E a comunidade LGBT do Ceará me conhece de perto. Muito de perto. Muito. Apoio financiamento para concurso miss gay, tudo! Zero problemas! Muito recentemente fui num show lá numa boate gay, maravilhoso”.

O que Joaquim Barbosa pensa sobre religião, aborto e casamento gay

Ele disse ainda, em relação a políticas LGBT, que se eleito o seu governo “será protagonista de uma cultura de tolerância, de respeito à diversidade, de agasalhar as pessoas sofridas”. Em sua página no Facebook, compartilhou posts sobre o movimento do seu partido ligado à comunidade LGBT, o PDT Diversidade.

 

Legalização das drogas

Ciro defende que o consumo de drogas continue sendo proibido, mas é contra criminalizar o usuário. “O usuário, para mim, não comete crime nenhum, mas não devemos legalizar as drogas. Maconha é ilegal, cocaína é ilegal, crack é ilegal. Mas usar crack não é crime, é doença, e a ser tratada com carinho, hospital e assistência médica”, declarou a João Gordo em 2002. “Mas, quando a pessoa entra nisso, está financiando todo o sistema.”

“Estudei muito o assunto. Os EUA adotaram um regime de tolerância zero. Não funciona. Países da Europa resolveram descriminalizar. Não funciona. A droga é um flagelo para os jovens e é o caminho para a violência urbana assustadora que domina o Brasil”, disse Ciro à Folha de S. Paulo, em 2008. Segundo ele, é necessário “enfrentar o cartel, repressão na proporção necessária”.

 

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também