Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
No detalhe do ultrasom, a perna do bebê para fora do útero depois de um chute forte demais. (foto: Divulgação/Hospital Universitário de Pequim).
No detalhe do ultrasom, a perna do bebê para fora do útero depois de um chute forte demais. (foto: Divulgação/Hospital Universitário de Pequim).
Atualidades

Grávida quase morre depois de ter útero rompido por chute do próprio bebê

Ela estava na 35ª semana de gestação e uma cesárea de emergência teve de ser realizada

Uma mulher na 35ª semana de gestação quase perdeu a vida após um chute forte demais do próprio bebê. O caso inusitado ocorreu no dia 2 de outubro, em Pequim, na China. A paciente identificada como Zhang pelo hospital local chegou para ser atendida com fortes dores abdominais e, após o primeiros exames, notaram alterações na pressão sanguínea , pulsação e respiração, o que indicava ruptura no útero. A ultrassonografia, contudo, mostrou um detalhe inesperado: uma das pernas do bebê estava para fora do órgão, indicando que o rompimento foi causado por um chute do filho de Zhang.

A notícia foi divulgada pelo hospital por meio do perfil da instituição no Weixin, uma rede social chinesa. No post, os médicos disseram que o fato colocou em risco de infecção tanto a mãe quanto o bebê e uma cesárea de emergência foi realizada. Embora Zhang tenha sofrido com uma forte hemorragia interna, a cirurgia correu bem. Durante a operação, a equipe médica confirmou que a perna do bebê abriu uma fissura de 7 centímetros no útero.

Bebê morre após lesão provocada por fórceps durante o parto

Zhang contou aos médicos que havia feito passado por outra cirurgia no útero em 2016, pouco antes de engravidar, para a retirada de um mioma. Diante desse histórico, os médicos deduzem que o procedimento deve ter deixado cicatrizes no tecido uterino, que teria facilitado o rompimento.

 

Com informações de The Sun

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também