Novos hábitos

Como a tecnologia ajudou as pessoas a permanecerem conectadas durante a pandemia

  • PorShane Rogers*
  • The Conversation
  • 08/01/2021 17:59
Pesquisas sugerem que a separação física imposta pela pandemia não esta necessariamente associada ao rompimento de amizades.
Pesquisas sugerem que a separação física imposta pela pandemia não esta necessariamente associada ao rompimento de amizades.| Foto: Dylan Ferreira/Unsplash

Se você deixar seu carro parado na garagem por muito tempo a bateria pode acabar. Da mesma forma, se não mantivermos nossas amizades, elas também podem ficar um pouco vazias. Então, assim como é uma boa prática dirigir seu carro de vez em quando e fazer manutenção regularmente, amizades são mais fáceis de se manter com algum contato regular.

Siga o Sempre Família no Instagram!

O que isso significou para nossas amizades durante 2020, um ano de distanciamento social e bloqueios? Uma pesquisa sugere que a separação física não estava necessariamente associada à separação psicológica ou ao rompimento de amizades. E isso parece ser graças, principalmente, às tecnologias de comunicação.

Saúde mental, amizades e Covid-19

Em acordo com pesquisas de outras partes do mundo, as experiências de isolamento social na Austrália, por exemplo, têm sido associadas à diminuição do bem-estar emocional para muitas pessoas.

Uma pesquisa foi feita com 1.599 australianos de várias faixas etárias durante o bloqueio nacional em abril. O estudo ainda está em fase de pré-impressão, o que significa que ainda não foi publicado em um jornal revisado por pares, mas uma proporção substancial de participantes relatou uma deterioração em sua saúde mental devido à Covid-19 (10% alegaram muita deterioração, 44% disseram que houve pouca deterioração, 40% relataram nenhuma mudança e 6% melhoraram um pouco).

Também foi perguntado como as amizades foram afetadas e, surpreendentemente, a maioria dos entrevistados não relatou nenhuma mudança (66%). Isso apesar de 72% notarem que estavam interagindo cara a cara com amigos muito menos (e outros 14% um pouco menos) durante a pandemia.

Tecnologias de comunicação

À primeira vista, os resultados parecem estranhos, já que mesmo as melhores tecnologias de comunicação não são, sem dúvida, um substituto adequado para a interação pessoal. É difícil fazer contato visual – um indicador social importante – por meio de uma tela. E se você já tentou reunir um grupo de amigos em chamadas virtuais, saberá que isso pode se tornar um pouco caótico.

No entanto, 56% dos participantes do estudo relataram passar mais tempo interagindo com amigos usando tecnologia durante a pandemia (por exemplo, telefone, e-mail ou bate-papo online). Portanto, parece que a maioria das pessoas usou tecnologias de comunicação para se manter conectada com seus amigos durante as restrições sociais – mesmo que não fosse a mesma coisa que conversar pessoalmente.

As redes sociais, às vezes, tem uma má reputação. Seu uso excessivo, por exemplo, tem sido associado a resultados negativos, como baixa autoestima e tendências narcisistas. E também pode ser um veículo de divulgação de informações falsas. No entanto, ter uma série de opções para se comunicar digitalmente, das quais as redes sociais são uma grande parte, tem sido uma coisa boa no geral.

É possível, também, compartilhar piadas com um grande público para manter o ânimo. Por exemplo, um grupo do Facebook encorajando as pessoas a se fantasiarem para tirar suas lixeiras e depois postar fotos se tornou viral em todo o mundo. Mais importante ainda: as pessoas podiam ficar conectadas com amigos e familiares durante esse período estressante. Sabemos que o apoio social é importante para controlar a ansiedade, especialmente em momentos difíceis.

Nossos resultados vão de encontro a outras pesquisas australianas e americanas que descobriram que as pessoas não percebiam que seu apoio social foi afetado negativamente durante a pandemia.

Mas nem todo mundo fez uso da tecnologia

Só que enquanto a maioria das pessoas não relatou nenhum impacto em suas amizades, 27% das pessoas admitiram uma deterioração em seus relacionamentos com amigos. Essas pessoas eram mais propensas a relatar, também, que não aumentaram seu nível de comunicação por meios tecnológicos e assumiram que sua saúde mental havia piorado.

É importante observar que os dados foram coletados bem no início da pandemia. Portanto, é possível que mais pessoas, particularmente aquelas que sofreram com mais algumas restrições sociais severas, possam ter experimentado uma deterioração em suas amizades desde o início da pesquisa. Mas os resultados destacam o importante papel que as tecnologias de comunicação podem desempenhar durante uma pandemia e o valor do uso de tais tecnologias para manter relacionamentos e apoio social, para o benefício de nossa saúde mental.

Curiosamente, 7% das pessoas relataram uma melhora na qualidade da amizade. Talvez a conexão em tempos difíceis tenha aproximado algumas pessoas. Como alternativa, com as várias tecnologias de comunicação e aplicativos ganhando força, algumas pessoas podem ter começado a interagir com amigos durante o bloqueio, com quem normalmente não falariam.

Novas tecnologias de comunicação no horizonte

As plataformas de conversas por vídeo tiveram um aumento dramático no uso durante a pandemia. Embora seja útil, essas plataformas ainda estão longe de serem comparadas à interação social real. Mas a pandemia aumentou o interesse no desenvolvimento de novas tecnologias de comunicação digital. Uma perspectiva é a comunicação em realidade virtual (RV).

Durante a pandemia, uma série de empresas iniciantes apareceu vendendo plataformas de reunião de RV. Também houve um aumento no uso de programas de RV. O problema é que os avatares geralmente têm uma expressão mínima e, portanto, representam apenas a casca de um personagem que transmite sua voz.

No entanto, novos desenvolvimentos em tecnologia de rastreamento de movimento e dispositivos de estimulação de toque estão definidos para melhorar significativamente a experiência de interação social em RV nos próximos anos. Novos fones de ouvido de RV estão em desenvolvimento e incluem rastreamento de movimento facial embutido. Nos próximos anos, poderemos interagir em RV no trabalho e no fim de semana com nossos amigos.

* Shane Rogers é professor de psicologia na Universidade Edith Cowan.

©2021 The Conversation. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.