Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Comportamento

Voluntariado: melhor é dar que receber

Voluntariado é oportunidade de fazer a diferença na vida das pessoas e de se sentir bem consigo mesmo

Em todo lugar, ao nosso redor e do outro lado do mundo existem problemas de todo tipo, e ordem, que aumentam em grande escala e fazem com que governos e administrações não consigam resolver. Ao olhar para dentro de nós e reconhecer que podemos doar um pouco do que temos e somos, assumimos a responsabilidade por um mundo melhor para viver.

É nesse cenário que entra o trabalho voluntário. Hoje disseminado por todas as partes, ele é a oportunidade de dar para receber. “Fomos criados seres relacionais. São nas relações interpessoais que nos realizamos, aprendemos e crescemos. Existe uma lei natural de doação, quanto mais eu dou mais eu recebo. É maravilhoso poder ser um ator da mudança e melhoria da realidade de alguém, ou se engajar em alguma causa que produzirá benefícios à sociedade. A experiência em conviver com alguns grupos e seus problemas e dificuldades proporciona ao voluntário uma nova visão de mundo, um amadurecimento, valorização do seu meio, e uma nova maneira de conduzir suas escolhas”, conta Ana Dronneau Santos, coordenadora de Projetos da Ong CIAF, idealizadora e coordenadora do “Melhor Escolha – Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos”.

Mas apenas querer ser voluntário não basta. “Muitas pessoas não conseguem, desistem sem mesmo antes começar. Procuram com vontade e muito boa intenção de se tornar um voluntário, reconhecem que há nelas muito para oferecer, e que ao seu redor existe toda uma sociedade carente de ajuda. Mas entre o querer e ser existe um largo passo a ser dado, e se dispor para um trabalho não remunerado vai requerer muito mais do que apenas seu tempo”, completa Ana.

Contrariando essa expectativa está a executiva de vendas Larissa Motta César. Voluntária no “Melhor Escolha” há dois anos e meio, ela ministra a oficina de contação de histórias para as crianças a cada 15 dias durante toda a tarde. Realizada com o voluntariado, Larissa conta que a maior beneficiada é ela mesma. “Me sinto mais útil, realizada. Esse trabalho me completa, me estimula e me dá esperança de ver um futuro melhor. Posso estar super cansada da correria do dia a dia , mas quando vou para a CIAF volto renovada. O que me move é o amor pelas crianças. Ver aqueles rostinhos lindos e sem maldade, cheios de brilho, de vontade de aprender, de alegria me enche de ânimo”, conta Larissa, que ainda faz questão de levar as filhas sempre que pode para acompanhá-la. “Tenho duas filhas de 3 e 6 anos, e vejo nelas a alegria de fazerem parte desse projeto comigo. Meu esposo ainda não me acompanha efetivamente, mas me ajuda na retaguarda, na montagem das aulas, nas atividades, nas dinâmicas… E também me incentivando.”

“Me sinto mais útil, realizada. Esse trabalho me completa, me estimula e me dá esperança de ver um futuro melhor.”

Sobre a ONG

A Central Integrada de Apoio Familiar (CIAF) tem como objetivo promover programas, projetos e serviços úteis às famílias, valorizando a convivência e o fortalecimento de vínculos, favorecendo  o desenvolvimento de uma geração saudável, e a defesa de direitos sociais.

Durante alguns anos a CIAF desenvolveu várias ações pontuais, de cunho recreativo e socioeducativo, com crianças e pré-adolescentes e, reconhecendo a necessidade da comunidade e do território onde atua, iniciou em agosto de 2013 o Melhor Escolha, um serviço de convivência e fortalecimento de vínculos que acolhe a criança no horário oposto ao horário da escola, provendo um ambiente  saudável e seguro.

Por meio do serviço, são oferecidas oficinas de informática, contação de histórias, jogos cooperativos, culinária, dança, artes, recreação e lazer, entre outras. O serviço  também desenvolve atividades envolvendo os familiares no processo de ouvir e serem ouvidos, tais como reuniões, palestras, atividades e brincadeiras, gincanas em grupos. “A ação voluntária trouxe para as crianças a oportunidade de ter segurança, cuidado, recreação, lazer num tempo que poderiam estar expostas ao perigo de estar na rua, ou sozinhas e ociosas em suas casas no período que não estão na escola. A ação voluntária promove para as crianças o entendimento de que elas também podem fazer a diferença na vida de alguém, muitas das nossas crianças nos dizem que quando se tornarem adultas querem ser ‘tios’ no Melhor Escolha”, finaliza Ana.

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também