Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Comportamento

Voluntariado: melhor é dar que receber

Voluntariado é oportunidade de fazer a diferença na vida das pessoas e de se sentir bem consigo mesmo

Em todo lugar, ao nosso redor e do outro lado do mundo existem problemas de todo tipo, e ordem, que aumentam em grande escala e fazem com que governos e administrações não consigam resolver. Ao olhar para dentro de nós e reconhecer que podemos doar um pouco do que temos e somos, assumimos a responsabilidade por um mundo melhor para viver.

É nesse cenário que entra o trabalho voluntário. Hoje disseminado por todas as partes, ele é a oportunidade de dar para receber. “Fomos criados seres relacionais. São nas relações interpessoais que nos realizamos, aprendemos e crescemos. Existe uma lei natural de doação, quanto mais eu dou mais eu recebo. É maravilhoso poder ser um ator da mudança e melhoria da realidade de alguém, ou se engajar em alguma causa que produzirá benefícios à sociedade. A experiência em conviver com alguns grupos e seus problemas e dificuldades proporciona ao voluntário uma nova visão de mundo, um amadurecimento, valorização do seu meio, e uma nova maneira de conduzir suas escolhas”, conta Ana Dronneau Santos, coordenadora de Projetos da Ong CIAF, idealizadora e coordenadora do “Melhor Escolha – Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos”.

Mas apenas querer ser voluntário não basta. “Muitas pessoas não conseguem, desistem sem mesmo antes começar. Procuram com vontade e muito boa intenção de se tornar um voluntário, reconhecem que há nelas muito para oferecer, e que ao seu redor existe toda uma sociedade carente de ajuda. Mas entre o querer e ser existe um largo passo a ser dado, e se dispor para um trabalho não remunerado vai requerer muito mais do que apenas seu tempo”, completa Ana.

Contrariando essa expectativa está a executiva de vendas Larissa Motta César. Voluntária no “Melhor Escolha” há dois anos e meio, ela ministra a oficina de contação de histórias para as crianças a cada 15 dias durante toda a tarde. Realizada com o voluntariado, Larissa conta que a maior beneficiada é ela mesma. “Me sinto mais útil, realizada. Esse trabalho me completa, me estimula e me dá esperança de ver um futuro melhor. Posso estar super cansada da correria do dia a dia , mas quando vou para a CIAF volto renovada. O que me move é o amor pelas crianças. Ver aqueles rostinhos lindos e sem maldade, cheios de brilho, de vontade de aprender, de alegria me enche de ânimo”, conta Larissa, que ainda faz questão de levar as filhas sempre que pode para acompanhá-la. “Tenho duas filhas de 3 e 6 anos, e vejo nelas a alegria de fazerem parte desse projeto comigo. Meu esposo ainda não me acompanha efetivamente, mas me ajuda na retaguarda, na montagem das aulas, nas atividades, nas dinâmicas… E também me incentivando.”

“Me sinto mais útil, realizada. Esse trabalho me completa, me estimula e me dá esperança de ver um futuro melhor.”

Sobre a ONG

A Central Integrada de Apoio Familiar (CIAF) tem como objetivo promover programas, projetos e serviços úteis às famílias, valorizando a convivência e o fortalecimento de vínculos, favorecendo  o desenvolvimento de uma geração saudável, e a defesa de direitos sociais.

Durante alguns anos a CIAF desenvolveu várias ações pontuais, de cunho recreativo e socioeducativo, com crianças e pré-adolescentes e, reconhecendo a necessidade da comunidade e do território onde atua, iniciou em agosto de 2013 o Melhor Escolha, um serviço de convivência e fortalecimento de vínculos que acolhe a criança no horário oposto ao horário da escola, provendo um ambiente  saudável e seguro.

Por meio do serviço, são oferecidas oficinas de informática, contação de histórias, jogos cooperativos, culinária, dança, artes, recreação e lazer, entre outras. O serviço  também desenvolve atividades envolvendo os familiares no processo de ouvir e serem ouvidos, tais como reuniões, palestras, atividades e brincadeiras, gincanas em grupos. “A ação voluntária trouxe para as crianças a oportunidade de ter segurança, cuidado, recreação, lazer num tempo que poderiam estar expostas ao perigo de estar na rua, ou sozinhas e ociosas em suas casas no período que não estão na escola. A ação voluntária promove para as crianças o entendimento de que elas também podem fazer a diferença na vida de alguém, muitas das nossas crianças nos dizem que quando se tornarem adultas querem ser ‘tios’ no Melhor Escolha”, finaliza Ana.

Leia também