Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Sij Hemal e Toyin Ogundipe logo após o nascimento de Jake. Foto: Divulgação/Cleveland Clinic
Sij Hemal e Toyin Ogundipe logo após o nascimento de Jake. Foto: Divulgação/Cleveland Clinic
Virtudes e Valores

Urologista de 27 anos faz parto de improviso em pleno voo

No sétimo mês de gestação, Jake resolveu nascer a 10 mil metros de altitude, em um voo entre Paris e Nova York.

Um bebê que estava no 7º mês de gestação “resolveu” nascer em um voo entre Paris e Nova York nessa terça-feira (23/01). A passageira Toyin Ogundipe, uma bancária nigeriana de 41 anos, começou a sentir fortes dores nas costas durante o voo e foi aí que um comissário de bordo perguntou se havia um médico no voo e transferiu a gestante para a primeira classe.

Ogundipe entrou em trabalho de parto quando o avião já contornava a costa sul da Groenlândia. Um pouso de emergência na base militar norte-americana nos Açores demoraria duas horas, de modo que Sij Hemal, um médico residente de apenas 27 anos que estava a bordo, orientou a tripulação para que o avião seguisse rumando para Nova York, mesmo faltando quatro horas para o pouso.

Papa realiza casamento de comissários de bordo em pleno voo

Hemal, que assistia a um filme quando foi solicitado, é urologista. Ao lado dele, coincidentemente, havia uma pediatra, Susan Shepherd, que também auxiliou no parto. Ambos monitoraram as contrações de Ogundipe antes de tomar a decisão de seguir para o aeroporto JFK, em Nova York.

Transferida à primeira classe, a gestante ainda brincou: “Meu upgrade para a primeira classe!”, divertiu-se. Após uma hora de trabalho de parto, o bebê nasceu. “Eu apenas tentei pensar no que poderia dar errado e criar uma solução criativa”, explicou Hemal, que só tinha trabalhado em sete partos na época da faculdade.

Jake nasceu a 10 mil metros de altitude – e, como veio ao mundo no espaço aéreo norte-americano, é oficialmente um cidadão dos Estados Unidos. O parto foi improvisado, com o uso de uma corda para amarrar o cordão umbilical e de uma braçadeira cirúrgica para tirar a placenta, mas Ogundipe garante que foi melhor do que em um hospital. Ela, Jake e a filha de quatro anos que também estava no voo foram encaminhados para o Centro Médico Hospitalar de Jamaica, um bairro de Nova York.

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também