Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
A Coreia do Norte é o país mais hostil ao cristianismo há 14 anos. Foto: Bigstock.
A Coreia do Norte é o país mais hostil ao cristianismo há 14 anos. Foto: Bigstock.
Atualidades, Religião

Relatório aponta que cristãos são o grupo religioso mais perseguido do mundo

A ONG Portas Abertas divulgou a lista de 2017 dos 50 países onde a perseguição aos cristãos é mais hostil. Coreia do Norte se mantém em 1º.

A ONG Portas Abertas divulgou hoje (11/01) a edição de 2017 da Lista Mundial da Perseguição, que revela os cinquenta países mais hostis ao cristianismo, segundo dados de novembro de 2015 a outubro de 2016. Segundo a pesquisa, cerca de 215 milhões de cristãos são perseguidos atualmente nesses países – o que faz dos cristãos o grupo religioso que mais sofre perseguição no mundo atualmente.

Pelo 15º ano consecutivo, a Coreia do Norte lidera a lista como o país que mais persegue os cristãos. Lá, o cristianismo é ilegal. Quando descobertos, os cristãos são, geralmente, enviados para campos de trabalho forçado ou mortos.

Em seguida estão a Somália, o Afeganistão, o Paquistão e o Sudão. seOs únicos países da lista que não se localizam nem na Ásia nem na África são o México (em 41º) e a Colômbia (em 50º). No México, 23 líderes cristãos – padres e agentes de pastoral – foram mortos durante o período. Na Colômbia foram quatro.

Onda de assassinatos de padres assusta católicos no México

A pesquisa considera que existe perseguição aos cristãos quando lhes são negados os direitos à liberdade religiosa; a conversão ao cristianismo é proibida por conta de ameaças vindas do governo ou de outros grupos da sociedade; eles são forçados a deixar suas casas ou empregos temerosos da violência que pode lhes sobrevir; são agredidos fisicamente ou mortos por causa de sua fé; são presos, interrogados e, muitas vezes, torturados por se recusarem a negar a sua fé.

A partir dos dados da pesquisa, a ONG aponta que a tendência em 2017 é que o nacionalismo étnico cresça em países asiáticos. Nenhum país do Leste Asiático perdeu pontos na pesquisa ao longo do período em análise. Na maioria desses países, os governos dizem, por exemplo, que ser do Sri Lanka significa ser budista; na Malásia, ser malaio é ser muçulmano. Além disso, a situação da África Subsaariana continua a piorar, com o crescimento de grupos fundamentalistas islâmicos.

Confira abaixo o mapa que mostra os cinquenta países mais hostis. Os países que sofrem perseguição extrema, com a fé cristã sendo motivo de prisão, tortura e morte, estão em vermelho escuro. Os países que sofrem perseguição severa estão em lilás. Por fim, os países com perseguição alta estão em amarelo. Clique na imagem para aumentar.

Divulgação/Portas Abertas
Divulgação/Portas Abertas

****

Recomendamos também:

Onda de assassinatos de padres assusta católicos no México

Quem era Jacques Hamel, o padre francês morto pelo Estado Islâmico enquanto celebrava missa

Réplica de mosteiro sírio destruído pelo Estado Islâmico é inaugurada na Itália

****

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

5 Comentários
  1. Infelizmente existe intolerâncias em diversas partes deste Planeta, sejam religiosas, homofóbicas, de raça e cor etc… São sempre motivos para desentendimentos e até guerras.
    O passado mostra isto e repercute no presente. Alguns países, na área religiosa se dizem laicos, por suas leis, nem sempre realidade. Este é um campo de batalha que todos deveriam evitar e todos terem direito às suas crenças. Um dia talvez compreendam que todos defendem o mesmo princípio e que podem estar equivocados.

    • Acredito que para fazer um comentário assim você não tenha conhecimento da história, afinal, desde o início da nossa era, o cristianismo sofria perseguição, basta consultar o dito feito pelo Império Romano. Você sabe quando tivemos liberdade de culto? Além disso, os cristãos ainda persistem nestes países citados na matéria justamente porque a tolerância faz parte da nossa doutrina. Pena sermos acusados por quem não conhece os fatos da história!

Leia também