Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Pais e filhos

Rede de apoio contribui para sucesso da amamentação

Saiba como os pais e familiares podem ajudar a mãe a vencer os obstáculos que surgem no caminho

O aleitamento materno é primordial para a saúde dos bebês – a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que a amamentação seja exclusiva até os seis meses e continue pelo menos até os dois anos de idade. Para a mãe superar os obstáculos que podem surgir no caminho, especialmente no início, é essencial ter suporte.

“Amamentar é um aprendizado intenso entre mãe e bebê já nas primeiras horas de vida. Por esse motivo, a rede de apoio é fundamental, principalmente no período em que a amamentação é estabelecida, na volta da mãe ao trabalho e também para prolongar esta fase”, destaca Eneida Souza, enfermeira pediatra e consultora em aleitamento materno pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA-CA).

O parceiro é o principal membro da rede de apoio, que também pode ser constituída pela família em suas diferentes configurações, amigos, profissionais e até por grupos nas redes sociais. De acordo com uma pesquisa realizada pela Philips Avent, no Brasil  78% dos parceiros gostariam de estar envolvidos no processo da amamentação e 72% estão envolvidos nos cuidados com o bebê. Contudo, 89% das mães acreditam que precisam de mais informações sobre como os parceiros podem apoiá-las nesta fase.

Conheça a mãe com hiperlactação que já doou 600 galões de leite a bebês necessitados

Para Eneida, essa falta sentida pelas mães se dá pela pouca orientação direcionada aos parceiros para que eles saibam como e quando podem ajudar. Além de não ter um espaço para que eles conversem, troquem ideias, falem sobre suas próprias emoções e a importância de cuidar da mãe. Nos cursos direcionados às gestantes, por exemplo, é necessário ampliar o conteúdo apresentado.

“O parceiro, quando orientado, pode lembrar quais são os sinais da pega correta, o posicionamento da mãe e bebê, a importância de a mulher se alimentar corretamente e ingerir líquidos”, explica Eneida. Além disso ele saberá como colocar o bebê em posição para arrotar, trocar a fralda, fazer curativo do coto umbilical, dar banho, cuidar da casa, preparar algo para a mãe comer, entre outros afazeres, e também entender que haverá alterações hormonais e emocionais.

Mais do que contribuir com a amamentação, os parceiros participativos ainda constroem e estabelecem vínculos muito mais cedo do que os que não estão presentes nos momentos de desenvolvimento da criança. “Se a mãe estiver bem cuidada, o bebê certamente estará bem cuidado”, esclarece.

Placa em restaurante viraliza por oferecer chá de graça a mães que amamentam

Apoio fortalece vínculos e ajuda a prolongar a amamentação

A dona de casa Talita Davet, de 33 anos, amamentou a filha Ana Sophia, de 2 anos e 7 meses, por quase dois anos. No início, teve ajuda de uma especialista e de uma amiga, que deram dicas de amamentação. O esposo sempre a incentivou e deu apoio quando chegou o momento de encerrar essa fase. “Ela acordava demais para mamar, estava ficando exausta. Em conjunto achamos melhor tirar”. Talita considera que a rede de apoio é importante para estimular a amamentação.

A artesã Akemi Kazue Hasemi Carvalho, de 38 anos, teve complicações no parto e foi direto para a UTI. Por isso, só conseguiu amamentar o filho Bernardino, 2a7m, aos três dias de vida. Mas as dificuldades não pararam por aí. Devido a falta de informações, pois não recebeu todas as orientações sobre a amamentação durante a internação e nem na palestra que participou enquanto estava grávida, teve mastite e cortes no seio causados pela pega incorreta. “Mais ou menos com um mês eu descobri o Grupo Virtual de Amamentação e foi aí que as coisas se tornaram mais fáceis pra mim”, conta.

Conforme Akemi obtinha mais conhecimento sobre a importância de amamentar, compartilhava as informações com o marido e tudo se tornou um processo natural. “Ele sempre fez tudo o que estava ao seu alcance. Sempre colaborou e me apoia até hoje”, afirma.

Para a artesã, a maternidade é um conjunto de coisas que provocam desgaste físico e emocional. “Tendo um suporte, nem que seja uma palavra, as coisas fluem melhor. É um momento muito especial. Vejo benefícios não só pelo alimento, mas pela aproximação, aconchego. Não é por ele, mas por nós. O dia a dia é desgastante e cinco minutinhos que paramos para amamentar é revigorante!”, ressalta a mãe, que, com o apoio do marido, continua amamentando o filho sem se importar com os palpites alheios.

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

 

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também