Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Foto: Time.
Foto: Time.
Religião, Sociedade

Proteção a cristãos perseguidos é prioridade da política externa de Trump, diz vice

“O sofrimento dos cristãos no Oriente Médio impulsionou os norte-americanos a agir e isso me trouxe aqui hoje”, disse Mike Pence.

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, esteve no dia 11 de maio no Fórum Mundial em Defesa dos Cristãos Perseguidos, em Washington, e garantiu que o governo de Donald Trump está comprometido com a proteção dos cristãos no país e em regiões de perseguição no mundo todo.

“Proteger e promover a liberdade religiosa é uma prioridade da política externa da administração Trump”, disse Pence aos líderes cristãos presentes no evento. Segundo o jornal The Washington Post, trata-se de um público que está grato pelas diversas declarações do presidente de apoio à causa, mas que está se perguntando quando começarão as ações concretas a respeito.

Leia também: O que acontece quando cristãos perseguidos contra-atacam extremistas islâmicos

A um grupo de pessoas que compartilhou no evento suas histórias pessoais de perseguição por serem cristãos, o vice-presidente disse: “Vocês podem contar com as orações do presidente dos Estados Unidos. O sofrimento dos cristãos no Oriente Médio impulsionou os norte-americanos a agir e isso me trouxe aqui hoje”.

O evento foi organizado pela Billy Graham Evangelistic Association. O líder da conferência, Franklin Graham, apresentou Pence dizendo: “O que me agrada muito no nosso vice-presidente é a sua firme fé em Deus e sua crença em Jesus Cristo como filho de Deus. Como nação, somos muito sortudos de ter um presidente que acredita em Deus e um vice que apoia enfaticamente todos nós na igreja e não tem medo de expressar a sua fé”.

Participaram do evento não apenas líderes evangélicos, como ortodoxos e católicos, como o cardeal-arcebispo de Washington, Donald Wuerl, e os metropolitas Tikhon de Washington e Hilarion de Volokolamsk.

Há alguns dias, Trump assinou uma ordem executiva afirmando que empregadores religiosos podem se recusar a providenciar cobertura para controle de natalidade nos planos de seus funcionários. O presidente ainda instruiu que a admissão de refugiados no país deve priorizar cristãos perseguidos.

Com informações de The Washington Post.

***

Recomendamos também:

Governo Trump provoca virada pró-vida na comissão da ONU para as mulheres

Trump põe 8,8 bilhões de dólares anuais fora do alcance de ONGs pró-aborto

O que acontece quando cristãos perseguidos contra-atacam extremistas islâmicos

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também