Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Arquivo pessoal
Arquivo pessoal
Defesa da Vida

Menina de 7 anos doa medula e salva a vida do irmão de 3

“A cura estava do nosso lado o tempo todo. Esse milagre estava preparado para nossa família”, conta a mãe das crianças

O universo dos super-heróis costuma encantar as crianças, despertando nelas o desejo de quem sabe um dia salvar vidas com seus poderes. Mas, em Pernambuco, uma menininha de sete anos poderá contar aos amigos que é sim uma super-heroína. Acontece que Luiza Mello salvou a vida de seu irmão de três anos, Théo, ao fazer uma doação de medula óssea. O menino tinha uma doença rara e só assim seria curado.

Irmãos se reencontram em Santa Catarina após 69 anos separados

Théo nasceu com uma síndrome chamada Blackfan Diamond, que afeta as células do sangue causando uma anemia profunda, e durante dois anos esperou no cadastro nacional um doador de medula. Foi então que em abril deste ano sua família viajou 2,3 mil km entre Petrolina e Curitiba, no Paraná, para uma consulta no Hospital Nossa Senhora das Graças e teve uma grata surpresa.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

“A cura estava do nosso lado o tempo todo. Esse milagre estava preparado para nossa família”, conta a mãe das crianças, Cleonia Araújo, de 37 anos, se referindo ao fato de que a medula de Luiza era 100% compatível com a do irmão. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), esse é um fato raro já que a chance de compatibilidade entre irmãos é de apenas 30%.

E para completar a alegria da família, a pega medular – quando a medula já consegue produzir as células do sangue em quantidades suficientes e que ocorre em torno de 15 dias após o transplante – aconteceu no dia do aniversário de Luiza. “Por isso consideramos que agora os dois comemorarão o aniversário juntos”, diz Cleonia.

O amor da irmã para enfrentar uma rotina difícil

Segundo os pais, o transplante uniu ainda mais os irmãos. Quando Luiza soube que precisaria ajudar Théo para que ele sobrevivesse não relutou. “Expliquei que a cura dele estava dentro dela e ela concordou em ajudar”, lembra a mãe emocionada. Mas a atitude da menina não causou estranheza na mãe. Desde o nascimento do irmão, ela sempre foi dedicada e atenciosa com ele.

Por conta da rotina hospitalar, Théo sempre teve apenas a companhia de Luiza para brincar. “Quando ele completou um mês de vida, precisamos leva-lo imediatamente para o hospital, porque ele teve paradas cardíacas”, lembra Cleonia. Mesmo assim, o menino resistiu. Então, para se manter saudável, começou a receber transfusões de sangue a cada 20 dias, aproximadamente.

Ter irmãos faz bem e ajuda a formar importantes aspectos da personalidade

“Tentamos fazer o tratamento farmacêutico, com apenas um medicamento, mas a cada resfriado o quadro dele piorava. Ficamos com medo de infecções, mas nada aconteceu”, diz a mãe. Somente quando Théo tinha quatro meses é que a família soube que a única cura para a doença aconteceria com um transplante de medula óssea.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

No hospital em Pernambuco, toda a família fez o teste para verificar a compatibilidade, que deu negativo, inclusive o de Luiza. Então, Théo entrou no cadastro nacional. Buscando mais informações sobre a doença, Cleonia soube que o processo para realização de um transplante aconteceria mais rápido em Curitiba e, em abril, a família viajou até a capital paranaense.

Ao apresentar os exames feitos anteriormente à equipe médica do Hospital Nossa Senhora das Graças foi constatado que, ao contrário do que havia sido dito, Luiza era a doadora perfeita para o irmão. O processo para o transplante durou dois meses e, em 8 de junho, Théo recebeu a medula da irmã e antes dos 15 dias previstos aconteceu tão esperada pega medular.

“Agora alcançamos a cura definitiva dele. Os médicos até nos liberaram para voltar para a casa antes dos 100 dias estipulados após o transplante. Em um ano, ele poderá passear no parque, brincar com outras crianças, como sempre quis”, finaliza a mãe.

O que é a síndrome Blackfan Diamond?

A síndrome Blackfan Diamond é uma doença congênita em que os glóbulos vermelhos (hemácias) produzidos pelo indivíduo são muito frágeis desde os primeiros dias de vida. Elas duram muito pouco na corrente sanguínea, o que provoca uma anemia profunda e pode prejudicar outros órgãos com o tempo.

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também