Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Wikimedia Commons
Wikimedia Commons
Defesa da Vida

Legado de Fidel: Cuba tem a maior taxa de abortos do mundo

Em Cuba, 40% das gestações de que se tem conhecimento terminam em aborto provocado.

Entre o legado de Fidel Castro, o ditador que esteve à frente do governo de Cuba por cinquenta anos, contam-se não apenas as execuções de oponentes políticos, a censura à imprensa e a perseguição a religiosos e homossexuais, mas também uma das mais altas taxas de aborto do mundo. Segundo dados de 2013 da Organização das Nações Unidas, Cuba detém o mais alto percentual de prática de aborto entre os seus estados-membros: lá, 40% das gestações de que se tem conhecimento terminam em aborto provocado.

O aborto é gratuito e livre em Cuba. A única restrição é que garotas com menos de 16 anos devem ter o consentimento de seus responsáveis. Por isso, entre adolescentes grávidas, o número daquelas que abortam é três vezes maior do que o número daquelas que levam a gestação até o fim.

Segundo Adolfo Castañeda, diretor da divisão de língua espanhola da Human Life International, o aborto é usado em Cuba como uma forma de controle de natalidade. Além disso, “a tirania de Cuba se orgulha hipocritamente de ter uma baixa taxa de mortalidade infantil, mas isso se deve ao fato de que abortam muitos dos bebês que suspeitam ter alguma deficiência”.

Rússia, o primeiro país a legalizar o aborto, agora pede a proibição total da prática

Para Steven Mosher, presidente do Population Research Institute, uma taxa de natalidade baixa significa que o governo terá “menos jovens cubanos para alimentar, vestir e educar”. “Depois de meio século de comunismo, o nível de vida em Cuba está tão baixo e a sua opressão política é tão severa, que o povo ficou praticamente sem esperança para o futuro”, diz Mosher, que ressalta que um povo sem esperança tende a abortar seus filhos em grande número.

 

Com informações de Infocatolica.

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-no no Twitter.

3 Comentários
  1. Eduardo Koloski, seu conceito de indivíduo e gestação está equivocado. Um indivíduo, biologicamente falando, é aquele que possui DNA próprio. A partir do momento que o gameta masculino (contido no espermatozóide) entra em contato como gameta feminino (contido no óvulo), durante a fecundação, cria-se um novo zigoto totalmente independente. Isto é um indivíduo, Seu desenvolvimento acontecerá dentro de outro indivíduo, a mãe. A gestação é esta fase de desenvolvimento do ser humano. O fato do feto depender totalmente da mãe não o descaracteriza como indivíduo.
    Aborto diz respeito a leis sim. O direito da mulher sobre seu corpo está na responsabilidade de gerar outra vida. As condições para que esta vida cresça devem ser oferecidas pela sociedade (governantes e população, através dos recursos existentes e possíveis). Assim, a questão do aborto, por mais complexa que seja, está dentro do âmbito legislativo.
    Não devemos desvalorizar o indivíduo, o ser humano, simplesmente lavando as mãos e não se importando com quem é mais inocente.

  2. Aborto não diz respeito a leis, é parte do copo da mulher certamente a mulher decide. Violência é se achar dono da verdade e intromete-se no seu corpo. Só após a criança estar fora de seu corpo passa a ser um individuo, antes não porque se a mulher morrer o feto também morre, portanto ela decide o que vive e morre no seu corpo.

Leia também