Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Reprodução/ 
VTV9
Reprodução/ VTV9
Casamento e Compromisso

Homem vietnamita e mulher norte-coreana esperam 30 anos até poderem se casar

Eles se conheceram em 1970, mas só em 2002 a Coréia do Norte permitiu que uma cidadã se casasse com um estrangeiro

A primeira vez em que o vietnamita Pham Ngoc Canh, de 69 anos, trocou olhares com a norte-coreana Ri Yong Hui, foi no início dos anos 1970. Os dois jovens trabalhavam em uma mesma fábrica de fertilizantes na Coréia do Norte. Ele era da linha de produção e ela do laboratório. Cahn diz que se apaixonou por Ri naquele momento e que ali mesmo decidiu que um dia se casariam. Só que ele não sabia que isso só seria possível 30 anos mais tarde.

Internado na véspera do casamento, noivo decide manter data e casa no hospital

Mesmo sendo de países que tinham um conflito, Cahn não se importou em investir em um possível relacionamento. Ele então pegou um lenço que tinha comprado há algum tempo e juntou com uma foto sua. Depois fez com que “casualmente” eles se esbarrassem na saída do laboratório em que Ri estava e começaram a conversar.  Quando todos saíram do lugar, Cahn perguntou se Ri tinha namorado e ao ouvir a negativa perguntou se poderiam se conhecer melhor e lhe entregou o lenço.

Apesar de ter se encantado com aquele jovem, Ri logo se deu conta de que eram de países diferentes e, por isso, o relacionamento não vingaria. Cahn passou a visitá-la como combinado, mas o casal sempre temia que as autoridades norte-coreanas o encontrassem. Além disso, o tempo de Cahn no país estava terminando e ele logo voltaria à sua terra natal. Mas não havia mais como resistirem ao amor que nutriam um pelo outro e eles precisariam se adaptar à realidade que viria.

Em lados opostos

Meses mais tarde, Cahn voltou ao Vietnã e foi preciso muito jogo de cintura para que ele pudesse voltar ao pais de sua amada para vê-la. Então, todas as vezes em que delegações oficiais saíam do Vietnã rumo à Coreia do Norte, Cahn se voluntariava para ser tradutor. Assim, quem sabe, ele poderia ver rapidamente Ri. Clandestinamente, ainda, o casal achou maneiras de enviar cartas. O problema é que comumente elas chegavam atrasadas ou mesmo não alcançavam o destino. Houve uma vez, em 1980, que Cahn conseguiu entrar para uma comitiva oficial e avisou Ri por meio de carta, que estaria na região. A mensagem chegou uma semana mais tarde, mas felizmente ela conseguiu se despedir.

Aos 82 anos homem se ajoelha e pede novamente esposa em casamento

As restrições norte-coreanas a outros países se intensificaram ainda mais a partir do final daquela década. E então as cartas de Cahn para Ri não chegavam mais e as comitivas também já não aconteciam. Por isso, entre a década de 1990 e o início dos anos 2000, o casal não se viu mais. Ri e outros norte-coreanos passaram por tempos difíceis, mas ela se firmava no amor que sentia por Cahn. E ele, em seu país, trabalhava o quanto podia para um dia pedir ao governo norte-coreano a permissão para se casarem.

Obstáculos superados

Por isso, Cahn passou a investir seu tempo em ações que pudessem melhorar a relação entre os dois países. Até que em 2001 ele conseguiu entregar uma carta ao presidente do Vietnã, que estava prestes a ir à Coréia do Norte. No documento ele pedia para que o governo norte-coreano permitisse seu casamento com Ri. Semanas mais tarde, um amigo lhe contou que havia dado certo.

Então, em 2002, após 30 anos, em uma decisão rara, a Coréia do Norte permitiu que um cidadão de seu país se casasse com um estrangeiro. Cahn e Ri fizeram uma pequena cerimônia na capital Pyongyang e, felizes, eles puderam se mudar para Hanoi, no Vietnã.

Com informações de NPR

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também