Diagnóstico

“Se meu filho for autista, eu também sou”, diz advogado diagnosticado aos 41 anos

  • Por Raquel Derevecki
  • 09/09/2020 17:00
“Se meu filho for autista, eu também sou”, diz advogado diagnosticado aos 41 anos
| Foto: Arquivo pessoal

Ao perceber que o filho de 3 anos apresentava dificuldade em suas interações sociais, o advogado Alexander Rickli começou a acompanhá-lo nas consultas com um neuropediatra para identificar o motivo daquele comportamento. Afinal, se ele sofresse com o Transtorno do Espectro Autista (TEA), poderia ter dificuldades de desenvolvimento, prejuízo na capacidade de comunicação e ainda condutas obsessivas ou repetitivas durante a vida.

No entanto, o pai não imaginava que o diagnóstico apresentado ao garoto seria também o seu. “A especialista perguntou algumas situações a respeito de meu filho e eu sempre respondia: ‘se ele for autista, eu também sou’, pois tenho muitas maneiras de agir parecidas com ele”, conta o sul-mato-grossense, que descobriu aos 41 anos sua condição como autista de grau leve, também conhecida como síndrome de Asperger.

Segundo o advogado, desde criança ele tinha dificuldades para interagir com outras pessoas e acabava imitando reações dos demais para se adaptar ao ambiente, algo que é comum entre portadores da síndrome. Além disso, focava muito no que estava fazendo, sem a possibilidade de interromper alguma tarefa antes de concluí-la, e se interessava em assuntos que não combinavam com sua idade.

“Com 4, 5 anos, por exemplo, eu assistia ao telecurso do Ensino Médio que passava às 6 horas da manhã e, em vez de brincar com outras crianças, preferia ler enciclopédias”, recorda o homem, que ficou surpreso ao descobrir como isso era raro naquela faixa etária. “Só que, para mim, era muito natural, então eu achava que todos fossem como eu”.

Essa visão, associada à escassez de informações a respeito do autismo nas últimas décadas, fizeram com que Rickli e muitos outros portadores do transtorno crescessem sem o diagnóstico correto e descobrissem sua condição apenas na fase adulta. “Então, acabaram crescendo com dificuldade para se relacionar e para alterar sua rotina”, afirma a psicóloga Alessandra Slonzon.

Atuante no Projeto Autismo Paraná, ela já atendeu diversos adultos que a procuraram com dúvidas a respeito do próprio comportamento e que sentiam dificuldade em suas interações. “Aí eles pesquisam a respeito dessas atitudes e percebem que pode ser autismo”, diz a terapeuta, que procura descobrir durante as sessões como foi a infância da pessoa, com que idade ela caminhou, começou a ler, quais são seus interesses e como lida com atividades atualmente.

“Assim, é possível fazer um laudo detalhado e encaminhá-lo ao psiquiatra ou ao neurologista, que apresentará o diagnóstico”. De maneira geral, segundo Alessandra, os adultos que têm autismo apresentam pouca interação social, dificuldades ao iniciar uma conversa e a hipersensibilidade aos sons, alimentos, texturas e outros itens do cotidiano.Um exemplo seria a pessoa não conseguir realizar seu trabalho porque há algum barulho no ambiente ou porque a luz está muito forte e isso a incomoda”, afirma a especialista, citando ainda rigidez na rotina dessas pessoas, assim como acontecia com Alexander.

Antes de ser diagnosticado com a síndrome de Asperger, ele realizava sempre o mesmo caminho para ir ao trabalho e evitava qualquer alteração no trajeto, pois pequenas mudanças sempre o deixaram irritado. “Hoje sei que era medo do desconhecido e do que poderia acontecer ao realizar algo diferente”, relata o morador de Curitiba, que passou a treinar novos percursos após ser diagnosticado como autista. “Agora forço meu cérebro a encontrar alternativas diferentes e isso me ajuda a lidar com o estresse”.

Isso acontece, de acordo com Alessandra, porque o diagnóstico correto auxilia o indivíduo a entender seu próprio comportamento e a lidar melhor com as situações que o incomodam. Por isso, é importante que a pessoa com características semelhantes à de um autista procure auxílio especializado para verificar se pode ser um portador de TEA com grau leve, moderado ou grave. “Afinal, pode ser que você não tenha autismo, mas precise de ajuda para lidar com alguma situação. Então, o acompanhamento correto fará diferença para você”.

O projeto

Para quem mora em Curitiba ou em outras cidades paranaenses, é possível entrar em contato com o Projeto Autismo Paraná pelo telefone (41) 99983-8542. A instituição atende desde 2018, oferece palestras e atendimento individual gratuito com vagas limitadas.

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.