Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Kazuend/Unsplash
Kazuend/Unsplash
Educação dos filhos

Como lidar com crianças mandonas

Crianças mandonas costumam reproduzir modelos de adultos que convivem com elas e se tornam extremamente egocêntricas

Ele é quem quer escolher o programa da família para o fim de semana, quem decide o que todos assistirão em casa, que diz o que quer ou não para o almoço. Embora não seja socialmente aceitável, esse comportamento nos filhos é perfeitamente normal e esperado, segundo a professora de Pedagogia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC), Fabiane Lopes.

É que durante a primeira infância, principalmente entre os 2 e os 7 anos, as crianças imaginam que são o centro das atenções e querem que seus desejos sejam atendidos prontamente pelos pais. Caso contrário, fazem birras e pequenos shows em público, quando não têm seus pedidos realizados. “Elas pensam que tudo o que está à volta delas é para lhes servir”, observa a especialista.

Como ensinar aos filhos que toda pessoa é única e digna de respeito

E de onde vem esse comportamento? De acordo com ela, as crianças mandonas, além de serem extremamente egocêntricas, podem imitar modelos de adultos durante a convivência e acreditam que seja correto, quando os pais ou parentes próximos são mandões, agressivos e impulsivos.

Por isso, é importante que comece dentro de casa a mudança de comportamento. “Muitas vezes, os adultos realmente acabam corroborando com essa impressão das crianças, oferecendo tudo o que podem para elas, compensando ausências, por exemplo”, completa Fabiane.

Como lidar com um filho mandão?

Maristela Gripp, psicopedagoga e professo do Centro Universitário Internacional Uninter reforça a questão do comportamento pelo exemplo. Ela enfatiza, ainda, que um relacionamento entre pai e filho, sob essa perspectiva é extremamente ruim. “Essa é uma maneira negativa de construção de relacionamentos. Não é desse jeito que se estabelece uma relação de confiança com os filhos”, afirma

Mas, felizmente, esse é um momento que os pais podem superar, sem que o ambiente familiar se transforme em uma monarquia absoluta, dominada pela criança. Então, antes que seu filho comece a achar que conhece as coisas melhor que os adultos e comece a ditar regras dentro de casa, adote os seguintes passos sugeridos por Amanda Rock, escritora especializada em publicações para pais, no site VeryWell Family.

1. Seja paciente

Uma grande razão pela qual as crianças são mandonas é que elas estão simplesmente imitando o comportamento que veem todos os dias. Elas também estão aprendendo a expressar o que querem. Embora a autoridade e a assertividade nem sempre sejam características favoráveis, elas podem ser um trunfo (em pequenas doses) quando envelhecem. Com um pouco de direção (e redirecionamento), você poderá canalizar esses atributos em habilidades de liderança.

2. Peça uma mudança de comportamento

Se a criança começar a dizer a você ou a alguém para fazer as coisas, lembre-a de usar maneiras assertivas para combater esse comportamento. Explique que é mais provável que você faça algo por ele, como ler uma história ou ajudar a trocar de sapato, por exemplo, se ela pedir de uma maneira educada, em vez de exigir.

3. Dê-lhe algum poder

Crie situações em que seu filho possa tomar uma decisão ou servir como um “adulto”. Por exemplo, quando for a hora de almoçar, ofereça duas opções (certificando-se de que qualquer uma delas seja aceitável para você). Se você estiver se preparando para jogar com seu filho, deixe-o decidir qual modalidade. Também, deixe-os “supervisionar” uma criança mais nova calçando os sapatos. Nesses casos, seu filho pode realmente ser o chefe, satisfazendo sua necessidade de estar no comando.

4. Envolva professores e cuidadores

Se você suspeitar que a autoridade de seu filho ultrapassou os limites do muro de casa, peça a adultos envolvidos regularmente com ele para ajudá-lo a monitorar a situação e se envolver quando necessário.

5. Sugira em vez de chamar atenção

Quando seus filhos começarem a ditar ordens para os outros, chame-os para uma conversa tranquila e à sós. Pergunte a eles como se sentiriam se um amigo começasse a dizer o que eles devem fazer. Sugira, então, que eles podem querer brincar com outra pessoa se não tiverem a chance de o fazer com aquele pessoa especificamente.

6. Ensine-os a pedir de maneira gentil

Em vez de dizer ao seu filho para encher a tigela de água do cachorro, pergunte educadamente: “Você pode encher a tigela de Toy com água para mim?” Pode funcionar! E quando for corrigir algum comportamento dele, não faça isso necessariamente na frente de amigos ou irmãos. Seu filho pode ficar envergonhado.

7. Explique que eles nem sempre conseguem o que querem

Ouvir as pessoas dizerem “não” é uma lição de vida que seus filhos vão aprender com o tempo.  Explique para eles que certamente quando pedirem às pessoas para jogar um determinado jogo ou trazer um brinquedo para eles, elas podem dizer não.

8. Elogie seus filhos por serem educados

Quando seus filhos se comportarem de maneira apropriada, chame à atenção deles. Eles ficarão felizes por você ter notado e provavelmente continuarão agindo e falando dessa maneira no futuro.

***

Recomendamos também:

***

Acompanhe-nos nas redes sociais: Facebook Twitter | YouTube

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
1 Comentário
  1. Um adulto bom e estável, com amor e tolerância no coração, é aproximadamente a melhor terapia que uma criança pode ter. A principal consideração na criação de crianças é o problema de treiná-las sem destruí-las. As crianças não são cães. Não podem ser treinadas como são os cães. Não são itens controláveis. São e não esqueçamos este ponto: ‘homens e mulheres’ que ainda não atingiram o crescimento completo. Qualquer lei que se aplique ao comportamento de homens e mulheres aplica-se às crianças. Não são mandonas, os pais é que permitem isto, não são egocêntricas, possuem vontade próprias. Você deseja um cordeirinho submisso ou um filho amável e livre?

Leia também