Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Educação dos filhos

Como ajudar um filho adolescente a lidar com seus sentimentos

Durante essa fase da vida em que os sentimentos são ainda mais complicados de se entender, o que um adolescente menos precisa é estar cercado de adultos emocionalmente instáveis

Saber lidar com as emoções é um grande desafio, tanto que a inteligência emocional tem sido uma das virtudes mais buscadas pelas pessoas. E se adultos têm procurado compreender melhor seus sentimentos, por encontrarem dificuldades nesta área, imagina os adolescentes que estão passando por uma série de mudanças complexas na vida. Você, pai ou mãe, já passou por essa fase e sabe como todos os sentimentos parecem ser potencializados nessa faixa etária.

É possível melhorar o relacionamento com filhos adolescentes com estes 5 princípios

Katy Epling tem três filhos e contou recentemente ao site iMom como tem sido sua experiência com a filha adolescente. “Quando ela ainda era uma criança lembro-me de brincar dizendo que se ela já fazia de suas emoções algo muito maior para sua idade, o que seria de mim quando ela tivesse 13 anos”, contou ela.

Segundo a mãe, ela tinha esperanças de que a menina já conseguisse lidar com os próprios sentimentos quando crescesse. Mas agora ela vê que definitivamente isso não vai acontecer. “Juntaram-se as emoções com as mudanças hormonais. Às vezes eu gostaria de voltar à simplicidade das birras de criança”, lamenta. “No entanto, é preciso andar lado a lado com nossos filhos por esse caminho de descobertas”.

O que você pode fazer para ajudá-lo?

Antes de mais nada lembre-se de que você é um exemplo para ela, ainda que nesta fase eles tentem se distanciar um pouco. Inclusive, esse pode ser um reflexo da falta de compreensão momentânea sobre quem ele é como indivíduo. Por isso Katy sugere três passos preciosos para que você ajude seu filho:

1. Mantenha seus pés no chão e se mostre um lugar estável

Seu filho adolescente está vivendo em uma montanha-russa de emoções, com mudanças de comportamento que podem acontecer da manhã para a tarde. Mas, por mais tentador que possa ser, não embarque nessa carona com ele. Mantenha os seus pés no chão, procure se acalmar e esteja pronto para guia-lo quando ele retornar ao estado inicial de tranquilidade. Talvez signifique respirar fundo ou até sair da sala quando seu filho começar a tirar você do sério. Se você conseguir manter a calma enquanto eles estão fora de controle, estará mais apto a falar sobre a vida deles quando a poeira baixar.

2. Façam um “pente fino” nas emoções

Quando você mantém a calma está mais preparado para ajudar um adolescente a processar e lidar com tudo aquilo que ele está sentindo. Katy sugere algumas etapas para fazer um pente fino nessas emoções:

– Peça que ele diga em voz alta o nome do sentimento: o que exatamente ele está experimentando? É raiva, decepção, tristeza, medo. Emoções esmagadoras com estas podem parecer semelhantes. Incentive-os a tentar identificar exatamente o que é e procurar o que está por trás disso.

– Incentive-o a viver aquele sentimento: as emoções, sejam boas ou ruins, não são erradas e os filhos não devem ter vergonha delas. Não há problema em ficar chateado quando um amigo os decepciona, quando mesmo estudando para um teste ele não se sai bem ou até mesmo se entristecer por razões que não consegue identificar – lembrem-se dos hormônios.

– Não o culpe pelo que sente: seu filho com certeza estará se sentindo culpado por seus sentimentos. Talvez por não entender o que está acontecendo ou quem sabe porque por meio dele ele feriu alguém. Diante disso, não seja você mais um fator a estimular a culpa nele, já que esse sentimento aliado a todas as outras emoções que ele está sentindo, só deixarão tudo pior. Apesar disso, não deixe de mostrar que ele é responsável por seus atos.

3. Seja um exemplo a seguir

Lembre-se sempre de que você é o principal exemplo de caráter do seu filho. E que ele certamente estará olhando para a maneira com que você lida com seus sentimentos, para dar conta dos seus próprios. Portanto, procure maneiras saudáveis de lidar e expressar o que você sente.

Além disso, deixe que seu filho veja como você se sai de situações em que o estresse o faz chegar ao limite. Mas você jamais alcançará a perfeição e todos sabemos disso. Então, caso erre, peça desculpas e os incentive a fazer o mesmo quando acontecer a eles. Como já dissemos acima, a inteligência emocional é uma virtude que ainda precisa ser alcançada por muita gente.

Mas, muito além do que um passo a passo, queremos encorajar vocês a mostrarem a seus filhos que sempre estarão ali por eles. A adolescência é um mar de emoções confusas e o que seus filhos menos precisam é ter pais que estejam tão instáveis emocionalmente quanto eles.

***

Recomendamos também:

***

Acompanhe-nos nas redes sociais: Facebook Twitter | YouTube

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também