Quando as crises deixam de se tornam frequentes é necessário que o sinal de alerta seja acesso e se busque a terapia de casal.
Quando as crises deixam de se tornam frequentes é necessário que o sinal de alerta seja acesso e se busque a terapia de casal.| Foto: Bigstock

Todo relacionamento passa por altos e baixos. Seja namoro ou casamento, sempre tem uma fase mais complicada, em que os dois brigam muito ou quase não conversam. Na maioria das vezes é algo passageiro, que logo deixa de incomodar. Mas tem ocasiões em que essa crise parece que não vai embora. Aí talvez seja o momento de procurar uma terapia de casal para evitar o fim.

Siga o Sempre Família no Instagram!

A psicóloga Samarah Perszel de Freitas, especialista em terapia familiar sistêmica, dá algumas dicas a respeito desse momento e esclarece que não precisa ser casado há anos para procurar um terapeuta. Tem casal que busca terapia antes mesmo de se casar e de maneira preventiva. E para ajudar a fazer a manutenção da relação, Samarah lista quatro sinais de que é hora de procurar um psicólogo para ajudar a estabilizar as coisas.

  1. Objetivos de vida diferentes

    Samarah explica que quando um pensa em ter filhos e o outro não, ou quando um tem um plano profissional que impossibilita as escolhas do outro é hora de buscar ajuda profissional. Essas divergências de opinião ou de posicionamento causam problemas que podem ser resolvidos. As formas de educar os filhos também são motivo para conflito, mas é possível chegar a um objetivo comum. “Às vezes um é muito extrovertido e o outro, mais tímido. As formas de ver o mundo são diferentes, até para um casal”, ressalta a psicóloga, lembrando que conhecer o outro ajuda a traçar um caminho.
  2. Sofrimento

    O sofrimento pontual faz parte da relação. Mas se ficar junto exige um esforço ou causa aflição ou agonia, vale a pena buscar ajuda para descobrir qual o problema principal. Muitas vezes é o trabalho que causa estresse ou traz infelicidade e, sem saber lidar direito com a situação, essa frustração é descontada no parceiro.
  3. Distanciamento

    “Tem pessoas que ficam tão focadas no trabalho, na função de mãe e pai, que esquecem da intimidade, de se manter ativo como casal”, exemplifica Samarah. Ela diz que a relação precisa de atenção diária. “As pessoas de repente percebem que estão distantes, mas isso nunca acontece do dia pra noite”, afirma. A rotina e as atribuições do dia a dia não podem ser motivo para esquecer do cuidado com o outro.
  4. Brigar por brigar

    Brigar é saudável, reforça Samarah. São essas discussões que fazem com que o casal cresça, inclusive. Mas somente se as brigas forem saudáveis. Brigar por brigar, só pelo prazer do bate-boca é sinal de desgaste. Por isso o acompanhamento com profissional é benéfico em situações assim. O local da terapia é um ambiente neutro, em que o casal pode expor os problemas de forma honesta e sincera e o mediador induz à reflexão.

É preciso atentar para o fato de que não há garantias de que a terapia será suficiente para salvar um relacionamento. Mas, com certeza, se dispor a buscar ajuda para reparar danos e para melhorar o convívio é um gesto de amor genuíno entre o casal. Participar de um tempo de reflexões sobre o casamento faz com que o casal resgate emoções e sentimentos que podem ter ficado escondidos com o tempo.

semprefamilia

Deixe sua opinião