Significado especial

Após 48 dias internado por Covid-19, paciente com Down recebe alta e pede brigadeiro

  • Por Raquel Derevecki
  • 06/09/2020 14:51
Paul Decock contraiu o coronavírus, apresentou várias complicações durante o tratamento e passou 48 dias internado para se recuperar
Paul Decock contraiu a Covid-19 nas últimas semanas, apresentou várias complicações durante o tratamento e passou 48 dias internado no Hospital das Nações para se recuperar.| Foto: Divulgação/Hospital das Nações

O pedido do paciente Paul Chao Decock era muito simples: um brigadeiro. No entanto, para quem estava internado há 48 dias e se alimentando somente com soro e produtos batidos no liquidificador, aquele docinho significava muito. “Ele tem síndrome de Down, esquizofrenia e passou várias semanas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Nações lutando contra a Covid-19”, relata a curitibana Clara Chao Decock, que sofreu ao ver o filho de 39 anos apresentando complicações durante o tratamento.

Segundo ela, Paul foi internado com 50% do pulmão comprometido, piorou ainda mais após o diagnóstico e precisou receber oxigênio. “Só que não foi possível realizar a intubação e a equipe médica teve que optar pela traqueostomia”, relata a mãe, ao lembrar do procedimento cirúrgico que abriu a parede da traqueia do rapaz na tentativa de melhorar sua respiração. “Felizmente, deu tudo certo, mas meu filho não conseguiu mais falar”.

A alternativa, então, foi deixar um caderno e caneta sempre perto de Paul para que ele se comunicasse no período de internamento. “Principalmente porque eu e meu esposo fazemos parte do grupo de risco, e não podíamos acompanhá-lo no hospital”, explica Clara, que tem 68 anos, e que recebia das cuidadoras contratadas todas as informações referentes à saúde do rapaz. “Tanto as boas como as ruins”.

Entre as notícias preocupantes estava o fato de saber que o filho continuava na UTI, não podia se alimentar com comida sólida e passaria vários dias recebendo apenas soro. “Depois, ele foi para o quarto e começou a dieta pastosa”, conta a mãe, que sabia como Paul estava com saudade de casa e das refeições que gostava. “É difícil para qualquer um ficar tanto tempo assim no hospital, principalmente com rígidas restrições alimentares”.

Surpresa!

Por isso, ela ficou muito agradecida assim que soube da surpresa que o filho recebeu do hospital. “Uma funcionária foi no quarto dele perguntar o que o Paul estava com vontade de comer, e ele começou a escrever no caderno que queria itens como sanduíche e brigadeiro”, relata a mãe, rindo. “Não são os alimentos mais saudáveis, mas era o que ele estava com vontade”.

Então, a partir dessa lista, a nutricionista Thalita Paula Toso avaliou o que era possível preparar para o paciente, fez uma pequena quantidade do doce solicitado, fechou a embalagem com um laço e enviou o singelo presente ao quarto do rapaz com um cartão personalizado. “Paul, te desejo uma tarde deliciosa com sabor de brigadeiro”, escreveu, na tentativa de alegrá-lo.

E conseguiu. “O Paul ficou muito, muito feliz com a surpresa, e foi direto para o potinho de brigadeiro assim que o viu”, contou a mãe, emocionada. “O que eles fizeram foi algo simples, mas que demonstrou como se importam com cada paciente”.

Rotina do hospital

De acordo com Thalita, a ação faz parte da rotina do Hospital das Nações, em Curitiba, e o procedimento ocorre com todo paciente que permanece internado por mais de 15 dias. “Sempre verificamos se a pessoa tem algum pedido em relação à alimentação, e fazemos o possível para atender”.

Além disso, ela afirma que prepara outros cardápios especiais em períodos como carnaval, festa junina ou halloween, e que os pacientes ainda recebem alimentação diferenciada no dia do aniversário. “Isso melhora a experiência dele no hospital e, sem dúvida, pode interferir positivamente no seu tratamento”.

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.