Dados iniciais da fase 3

Vacina da Pfizer e BioNTech mostrou mais de 90% de eficácia, segundo dados iniciais

    • Equipe Sempre Família com Estadão Conteúdo
    • 09/11/2020 11:00
    Dados iniciais da fase 3 divulgados pelas farmacêuticas apontam eficácia acima de 90% contra Covid-19.
    Dados iniciais da fase 3 divulgados pelas farmacêuticas apontam eficácia acima de 90% contra Covid-19.| Foto: Cottonbro/Pexels

    As farmacêuticas Pfizer e BioNTech anunciaram nesta segunda-feira (9) que a vacina experimental que desenvolvem de forma conjunta se mostrou 90% eficaz contra o novo coronavírus, de acordo com uma análise preliminar dos dados da terceira fase dos estudos clínicos. As farmacêuticas são as primeiras a divulgarem uma eficácia do imunizante para a Covid-19 nessa etapa.

    Em comunicado, as empresas informaram que compararam a eficácia do imunizante entre dois grupos dos 43 mil participantes: os que receberam a vacina que vem sendo testada, e os que receberam o placebo (substância inerte).

    Foram verificados 94 casos confirmados para a Covid-19 no estudo. Mais de 90% das pessoas confirmadas para a doença estavam no grupo placebo, e não no grupo que recebeu as duas doses da vacina (a segunda dose feita três semanas depois da primeira). Ou seja, adoeceram mais pessoas que não receberam a vacina do que aqueles que a receberam.

    Informações importantes sobre o imunizante, como se a vacina previne casos severos da doença ou se ela reduz a carga viral no organismo das pessoas, não foram divulgadas. Embora a forma mais conhecida de ação da vacina seja prevenindo a doença, os imunizantes podem atuar em diferentes frentes, como:

    • Previne a infecção;
    • Previne o adoecimento (a pessoa pode até pegar a doença, mas será de uma forma mais leve do que seria se tivesse contato com o microrganismo sem a vacina);
    • Previne a transmissão (a pessoa pode até pegar a doença, mas não transmitirá o vírus aos outros).

    É importante destacar, ainda, que os resultados não foram revisados por outros pesquisadores e nem foram publicado em revistas científicas. As farmacêuticas também não deram mais detalhes sobre o estudo, apenas em uma divulgação à imprensa.

    Eficácia ainda em análise

    Os dados parecem positivos, mas não significa que essa eficácia acima de 90% não poderá ser modificada ao longo dos próximos meses. Os próprios laboratórios destacam essa questão no anúncio feito pelo site da Pfizer:

    "Conforme o estudo segue, o percentual final de eficácia da vacina pode variar. O Comitê de Monitoramento dos Dados (DMC, Data Monitoring Commitee) não relatou nenhuma preocupação grave com relação à segurança e recomenda que o estudo continue a coletar dados adicionais de segurança e eficácia conforme planejado".

    Uso emergencial

    As desenvolvedores afirmaram que não pretendem solicitar autorização da agência regulatória Administração de Medicamentos e Alimentos (FDA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos para o uso emergencial da vacina até que a pesquisa atinja uma meta: quando a metade dos participantes tiver sido acompanhada por qualquer questão de segurança durante, pelo menos, dois meses após tomada a segunda dose da vacina. A expectativa é que essa meta seja alcançada na terceira semana de novembro.

    Vacina do tipo RNA

    Das diferentes estratégias disponíveis para as vacinas ajudarem o sistema imunológico humano a identificar vírus e bactérias, a vacina em questão representa uma das tecnologias mais modernas: o uso do RNA-mensageiro, ou RNAm.

    Essa tecnologia, de terceira geração, entrega uma parte do material genético do Sars-CoV-2 para que o organismo humano produza uma proteína comum ao vírus. Como o organismo humano não expressa essa proteína normalmente, o sistema imunológico a atacará, aprendendo a se defender.

    Dos desafios associados a essa tecnologia está o fato de que não há, até o momento, nenhuma vacina de RNAm aprovada e sendo usada no mundo. Há também a questão da distribuição, visto que serão necessários ambientes com temperaturas muito baixas para que elas sejam armazenadas - situação diferente de outros tipos de vacinas, como aquelas feitas com o vírus atenuado ou com o vírus inativado.

    Deixe sua opinião

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.