Coronavírus e crianças

Síndrome em crianças associada à Covid-19 será monitorada por ministério

    • Equipe Sempre Família com Agência Brasil
    • 07/08/2020 13:53
    De acordo com dados da pasta de Saúde, até julho foram notificados 71 casos e três mortes no Brasil
    De acordo com dados da pasta de Saúde, até julho foram notificados 71 casos e três mortes no Brasil| Foto: Bigstock

    O Ministério da Saúde informou nesta quinta-feira (6) que está monitorando uma síndrome que atinge crianças e possivelmente estaria associada à Covid-19. A condição é conhecida por síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica, ou síndrome inflamatória multissistêmica (SIM-P), e pode gerar alguns sintomas, tais como:

    • Febre alta (acima de 38,5 graus Celsius) e persistente;
    • Diarreia e dores na barriga;
    • Vermelhidão pelo corpo;
    • Vômito;
    • Dor de garganta;
    • Mucosa da boca avermelhada e mais sensível;
    • Inchaço de mãos e pés;
    • Dores de cabeça;
    • Conjuntivite;
    • Inchaço de ínguas ou linfonodos pelo corpo.

    Até julho deste ano, de acordo com informações da Agência Brasil, foram notificados 71 casos da doença no Brasil. O estado do Ceará concentra a maior parte, com 29 casos. Na sequência, Rio de Janeiro (22), Pará (18) e dois casos no Piauí.

    Em outros países, foram registrados cerca de 300 crianças com a condição. Elas se encontram na Espanha, França, Itália, Canadá e Estados Unidos.

    A Sociedade Brasileira de Pediatria, no dia 20 de maio, já havia lançado uma nota de alerta aos especialistas do país, destacando os sintomas e os critérios para identificar casos da síndrome. A presença do novo coronavírus não é obrigatória nesses casos, visto que é mais comum os anticorpos - o que indicaria que a criança já passou pela Covid-19.

    Semelhança com outras doenças

    Os sintomas que identificam a síndrome inflamatória multissistêmica são semelhantes a outras doenças pediátricas, como a de Kawasaki e o choque tóxico. Por serem raras, com incidência de cinco para cada 100 mil crianças no caso da Kawasaki, o aumento no número de pacientes com os mesmos sintomas acendeu o alerta de médicos na China, Espanha, Itália, além do Reino Unido e Estados Unidos.

    Não se trata, porém, de um desencadeamento dessas doenças a partir da infecção pelo novo coronavírus. Por terem características parecidas, essas outras condições precisam ser excluídas para o diagnóstico da síndrome inflamatória.

    "O que eles viram foram crianças com sintomas semelhantes [às doenças raras e conhecidas], como febre persistente e algumas evidências de disfunção em mais de um órgão, principalmente o cardíaco. Os sinais poderiam preencher alguns dos critérios da doença de Kawasaki. Mas ainda não há muitas certezas", explica Eitan Berezin, médico pediatra, professor da Faculdade de Ciências Médicas e chefe do setor de infectologia pediátrica da Santa Casa, em São Paulo, além de servidor público do Hospital Emílio Ribas.

    Deixe sua opinião

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.