Gravidez

Por que mulheres devem evitar o uso de anti-inflamatórios na gravidez

  • PorC. Michael White*
  • The Conversation
  • 26/01/2021 10:41
Estudos mostram que remédios anti-inflamatórios reduzem o líquido amniótico durante a gestação.
Estudos mostram que remédios anti-inflamatórios reduzem o líquido amniótico durante a gestação.| Foto: Bigstock

A Food and Drug Administration (FDA) emitiu um alerta para profissionais de saúde e mulheres sobre o uso de anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs) após 20 semanas de gravidez.

Siga o Sempre Família no Instagram!

Isso ocorre após a agência federal adicionar seus dados de vigilância pós-comercialização às informações acumuladas que aparecem em jornais médicos. Os consumidores gastaram US$ 4,3 bilhões em mais de 760 milhões de frascos de AINEs em 2019. Isso inclui aqueles com as marcas Motrin, Advil, Aleve, Ecotrin e Bayer Aspirina e versões genéricas com os nomes Ibuprofeno, Naproxeno e Aspirina.

Esses números somam-se aos milhões de prescrições de medicamentos para a dor contendo AINEs ou produtos combinados de AINEs/opioides todo ano. Tudo isso torna o alerta significativo, especialmente considerando que as mulheres grávidas costumam sentir dores que podem ser aliviadas por esses medicamentos.

Qual é o problema?

Os médicos e farmacêuticos sabem, há algum tempo, que os AINEs podem diminuir a função renal em adultos e causar danos permanentes aos rins de algumas pessoas. 

A terapia com altas doses de AINE , o tratamento de longo prazo e o uso quando há disfunção renal pré-existente são especialmente perigosos para os adultos. O FDA agora acredita que esse risco renal se estende também ao feto se a mãe usar AINEs.

O feto é circundado por um saco amniótico protetor cheio de líquido. Esse fluido é produzido pela mãe até a 20ª semana, mas depois disso os próprios rins do feto criam a maior parte do fluido protetor. O FDA está ciente de dezenas de casos em que os médicos detectaram níveis baixos e possivelmente perigosos de líquido amniótico em mães que tomavam AINEs.

Em muitos desses casos, quando a mãe parou de tomar o AINE, os níveis de líquido amniótico começaram a voltar ao normal, mas baixaram novamente quando o AINE foi reiniciado. 

Em algumas dessas mesmas mães, níveis baixos de líquido amniótico foram detectados após o uso de AINEs por apenas dois dias. Mas para outras mulheres grávidas, várias semanas se passaram até que os níveis de líquido amniótico fossem detectados.

Em cinco casos, o FDA tem conhecimento de recém-nascidos que morreram de insuficiência renal logo após o nascimento. Embora seja um pequeno número de casos no geral, o FDA acredita que provavelmente haja muitos outros casos em que as reduções induzidas por AINE nos níveis de líquido amniótico não estão sendo detectadas porque os pacientes e os médicos não estão cientes do risco.

O que as mulheres grávidas devem fazer?

O FDA recomenda que os profissionais de saúde limitem a prescrição de AINEs ou a recomendação de venda livre para mulheres entre 20 a 30 semanas de gravidez e evitem totalmente após 30 semanas, se possível. 

Se o tratamento com anti-inflamatórios for necessário, elas devem usar a menor dose eficaz e pelo menor período de tempo possível. Os profissionais de saúde devem considerar o monitoramento por ultrassom do líquido amniótico, se o tratamento com AINE se estender além de 48 horas e descontinuar os AINE se o nível do líquido amniótico for reduzido.

A melhor coisa que uma mulher grávida pode fazer para tomar um anti-inflamatório de venda livre para a dor é discutir o assunto com seu obstetra primeiro. 

Seu obstetra pode recomendar paracetamol como uma alternativa viável. Mesmo assim, entretanto, há alguma evidência preliminar de que o uso de uma dose mais alta ou terapia prolongada com paracetamol durante a gravidez está relacionado ao transtorno de déficit de atenção ou autismo conforme a criança se desenvolve.

Os farmacêuticos podem ajudar os pacientes a identificar quais produtos sem receita contêm paracetamol ou AINEs. Às vezes, isso pode ser complicado porque, além dos analgésicos comuns, eles também existem em alguns produtos de venda livre para resfriado e gripe e em alguns soníferos.

E quanto às opções não medicamentosas?

O uso de suplementos dietéticos para o alívio da dor pode ser arriscado porque o FDA não garante adequadamente a qualidade de fabricação e os produtos podem conter metais pesados, bactérias ou mofo. 

Os suplementos dietéticos simplesmente não são regulamentados quanto à segurança e eficácia como os medicamentos. Além disso, a falta de dados de segurança com suplementos dietéticos não significa que os problemas não ocorrerão, apenas que os riscos são desconhecidos.

Outras terapias não medicamentosas para dores incluem compressas quentes, exercícios de alongamento, massagem terapêutica, terapia de visualização e outras técnicas. 

Mesmo que essas técnicas não medicamentosas não eliminem a dor, elas podem reduzir a dose do analgésico ou a duração da terapia necessária. As mulheres grávidas podem experimentar algumas dessas opções e ver o que funciona para elas.

* C. Michael White é professor e chefe do Departamento de Prática Farmacêutica da Universidade de Connecticut.

©2021 The Conversation. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.