Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Defesa da Vida

Recém-nascido declarado morto acorda chorando minutos antes de ser cremado

O bebê foi encontrado chorando depois de passar quinze horas num necrotério a -12°C

Um menino recém-nascido que tinha sido declarado morto na China acordou chorando momentos antes de ser cremado, depois de passar a noite num necrotério a uma temperatura de -12°C.  A história foi contada pelo diário britânico Telegraph.

Um funcionário da funerária percebeu que o bebê, chamado An An, ainda estava vivo quando o tirou da câmara fria e ele começou a chorar baixinho, reportou a Zhejiang Television. O funcionário entrou então em contato com o pai e cancelou a cremação.

O menino nasceu prematuro, no dia 8 de janeiro, depois de uma gestação de sete meses, numa província do sudeste da China.

O pai do bebê, que após nascer estava em uma incubadora, insistiu em levá-lo do hospital uma semana antes da recomendação dos médicos, para tê-lo em casa por ocasião do Ano Novo Chinês.

Dois dias depois, a face do bebê começou a perder a cor e a família voltou ao hospital. Em 4 de fevereiro, o estado do bebê piorou. O pediatra, Dr. Chen Shuanghua, declarou que o bebê já não respirava e o seu coração não batia mais.

Depois que o hospital emitiu a certidão de óbito, o pai de An An o enrolou em duas camadas de pano e levou-o à funerária por volta das 6 da tarde.

Ao ser encontrado com vida, o bebê voltou para a sala de emergência, onde foi colocado sob observação em uma incubadora. “Com 20 anos de carreira como pediatra, não posso entender como esse milagre aconteceu”, disse o Dr. Chen, de acordo com Epoch Times.

Infelizmente, as chances de que sobreviva são baixas, segundo o pediatra.

O diretor do hospital disse que houve uma falha ao não confirmar a morte do bebê uma segunda vez antes de emitir a certidão de óbito.

 

Com informações de Telegraph.

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

 

Leia também