Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Pais e filhos

Programa de apoio às famílias de dependentes atua há 31 anos com foco em testemunhos

Método de compartilhar experiências e o seguimento de princípios motivacionais ajuda pais e mães de dependentes a superarem a culpa e a revolta

Descobrir que um filho está envolvido com drogas pode ser um grande choque para os pais. Sentimentos de culpa, raiva e impotência podem deixar a família toda sem saber o que fazer, ou pior, o problema pode ser agravado com a tomada de ações ineficazes ou insuficientes. Pensando justamente nos familiares do dependente químico, o programa “Amor Exigente” investe no poder dos testemunhos de quem já viveu situações semelhantes para dar apoio aos parentes e amigos que têm a vida afetada pelas novas circunstâncias que o vício traz ao lar. A iniciativa foi criada por voluntários há 31 anos e os grupos de apoio são dirigidos pela Federação Brasileira de Amor-Exigente.

“O dependente já conta com suporte da sociedade para superar seu problema. Há clínicas, psicólogos e outros tipos de ajuda. Mas a família não tem para onde correr”, diz Arnaldo Camilo Bento, presidente da Associação Regional Amor-Exigente Curitiba, entidade aplicadora do programa na capital paranaense. Por experiência própria, Bento afirma que conviver e conhecer pais que passam pelo mesmo problema é a melhor forma de retomar a tranquilidade de consciência, pensar e agir melhor. “Os grupos de apoio são, acima de tudo, grupos de atitude. Ouvir histórias reais de quem passa ou já passou por isso lhe encoraja a lutar para resolver o problema”, diz.

Ele conta que a metodologia do Amor Exigente prevê a reflexão e a discussão frequente de 12 princípios éticos. Nos grupos de apoio, espalhados por todo o país, cada mês do ano é dedicado a um deles. Confira quais são:

1.º Princípio

Identificador – Os problemas da família, da escola e da comunidade têm raízes na estruturação atual da sociedade. Em linhas gerais, este princípio identifica os valores, aquilo que somos e o que queremos ser. Trabalha os objetivos de cada pessoa, para que se ajudem mutuamente.

2.º Princípio

Humanizador – Os pais também são gente. Professores também são gente. Você também é gente. Quer dizer que não somos super-heróis e nem somos perfeitos, ao contrário, devemos aceitar nossas limitações e nos perdoar sem perder a autoridade, o amor pela vida e nem desanimar por causa dos problemas.

3.º Princípio

Protetor – Os recursos são limitados. Precisamos aceitar que não somos uma fonte ilimitada de recursos. Para isso, devemos avaliar e conhecer os próprios limites: físicos, emocionais e econômicos sabendo que nosso amor, maturidade e disposição vencem quando aprendermos a ceder e compreender os limites dos outros.

4.º Princípio

Valorizador – Pais e filhos não são iguais. Professores e alunos não iguais. Você e eu não somos iguais. Cada um de nós tem um papel diferente. É importante assumir nossa missão de pai, professor ou médico, e orientar, nortear a conduta das pessoas, estabelecendo normas e regras que precisam ser respeitadas para o bem de todos.

5.º Princípio

Libertador – O Sentimento de culpa torna as pessoas indefesas e sem ação. Acusar alguém ou alguma coisa para se livrar da responsabilidade do que não está dando certo com você ou com os seus nada resolve. Sem sentimento de culpa, de autopiedade ou de raiva, estaremos livres para agir e deixar que os outros cresçam, arcando com as consequências (boas ou más) do próprio comportamento.

6.º Princípio

Influenciador – O comportamento dos filhos afeta os pais; o comportamento dos pais afeta os filhos. O comportamento do aluno afeta o professor; o comportamento do professor afeta o aluno. Meu comportamento afeta você; seu comportamento me afeta. Diante de um comportamento inaceitável, não podemos competir com a outra pessoa ou perder a dignidade. É preciso manter o equilíbrio para conduzir os relacionamentos no rumo certo.

7.º Princípio

Preparador – Tomar atitude precipita crise. Vamos nos preparar, não permitir abusos e desrespeitos e cuidar para que nossas atitudes sejam corretas e corajosas. Devemos assumir posições claras e bem definidas e ser firmes e perseverantes, sem nos omitir, nem delegar responsabilidades para terceiros.

8.º Princípio

Esperançador – Da crise bem administrada, surge a possibilidade de mudança positiva Este é um princípio de extrema importância para que possamos atingir os resultados desejados com a aplicação do Programa Amor-Exigente. Devemos ter um plano de ação com metas, prioridades e fazer o que precisa ser feito, sem pena do outro ou de si próprio.

9.º Princípio

Apoiador – Na comunidade, as famílias precisam dar e receber apoio. Os grupos do Amor-Exigente reúnem pessoas em busca de ajuda para si mesmas e para os seus compartilhando experiências, informações e instruções. Assim, elas não se sentem sozinhas e têm um ambiente propício para juntas, com uma comunidade irmã, encontrarem novos caminhos.

“Os grupos de apoio são, acima de tudo, grupos de atitude. Ouvir histórias reais de quem passa ou já passou por isso lhe encoraja a lutar para resolver o problema.”

10.º Princípio

Cooperador – A essência da família repousa na cooperação, não só na convivência. Devemos participar de trabalhos na família e na comunidade facilitando a cooperação e a solidariedade entre as pessoas. Isso nos dá a oportunidade de nos valorizar, de melhorar nossa autoestima, e fazer parte das mudanças de uma época, assumindo a responsabilidade social que nos cabe.

11.º Princípio

Organizador – A exigência na disciplina tem o objetivo de ordenar e organizar a vida dos pais, dos filhos e de toda a família. A exigência na disciplina tem o objetivo de ordenar e organizar a minha vida. Sem organização e disciplina, nos sentimos infantis e inseguros. É preciso estabelecer limites e criar condições para desabrochar o que temos de bom para sermos cada vez melhores.

12.º Princípio

Compensador – O amor com respeito, sem egoísmo, sem comodismo deve ser também um amor que orienta, educa e exige. Amo você, só não aceito o que você está fazendo de errado. Amar não é fazer tudo pelas pessoas ou dar-lhes tudo o que é possível. Amar é essencialmente dar condições para que saibam escolher o que é correto e bom para si próprios e para os outros.

Quer mais informações sobre o programa Amor Exigente? Acesse o site oficial ou entre em contato pelo e-mail faleconosco@amorexigente.org.br.

Leia também