Casa e escola

Bom ambiente familiar reduz traumas de bullying em filhos

Estudo brasileiro mostra como uma boa relação, e diálogo, entre pais e filhos reduz os traumas de bullying, além de prevenir

  • Por Amanda Milléo
  • 06/03/2020 14:01
Diálogo aberto na família protege filhos do bullying
| Foto: Bigstock

Filhos que sentem que podem conversar abertamente com os pais têm menor risco de se envolverem em episódios de bullying como agressores ou, no caso de vítimas, estão mais protegidas contra os traumas decorrentes dessa violência.

O bom ambiente familiar como uma ferramenta de prevenção ao bullying foi percebido em um estudo brasileiro, desenvolvido por pesquisadores de várias universidades, entre elas a Universidade de São Paulo (USP), e publicado na revista científica "Estudos de Psicologia" e compartilhado pela Agência Bori.

A pesquisa avaliou 2.354 estudantes, com uma média de 14 anos de idade, de 11 escolas públicas de Minas Gerais, a partir das respostas em dois questionários. Na sequência, 55 estudantes foram selecionados de forma aleatória para entrevistas mais aprofundadas sobre o tema.

Com os resultados, os pesquisadores perceberam que as interações familiares consideradas positivas tinham um poder de proteção em relação ao bullying, enquanto que as negativas aumentavam o risco de que as crianças e os adolescentes se envolvessem em episódios de violência psicológica.

"Acreditamos que a boa interação com os pais ajuda as vítimas, porque muitas relataram que isso [interação positiva] não existia na casa delas. Essa boa comunicação abre um canal de diálogo entre pais e filhos, que facilita a busca por ajuda", explica Wanderlei Abadio de Oliveira, autor principal do estudo e professor da pós-graduação em Psicologia da PUC-Campinas.

O pesquisador alerta que mesmo aspectos aparentemente positivos na relação entre pais e filhos, como criar expectativas positivas sobre a criança ou adolescente, pode não ser a melhor abordagem para a prevenção ao bullying. "Quando os pais têm muitas expectativas positivas, acham que ele é 100%, nota 10, isso vai inibindo o diálogo da vítima com esses pais. Ela vê que fracassa em algo que é básico, que são as relações interpessoais e, para não demonstrar essa falha, ela a oculta", afirma o pesquisador.

Cabe ao adulto deixar o diálogo aberto, criar um canal de conversa que não tenha preconceito. E, para além do diálogo, o exemplo – a partir de comportamentos e ações – deve vir dos pais.

"Se os pais usam dessas estratégias mais agressivas para, em alguma medida, controlar um comportamento, ao chegar na escola, a criança pode identificar estudantes que, mesmo estando em um mesmo nível que ela, são mais frágeis ou tem uma certa vulnerabilidade e se tornam vítimas. A família só consegue inibir um comportamento se, dentro de casa, ele não for tolerado também", completa.

Fatores de proteção

Na comparação das respostas dos estudantes que participaram do estudo, os pesquisadores conseguiram perceber alguns fatores em comum que indicariam famílias mais "protegidas" do bullying. Seriam as famílias:

  • Com a presença de duas figuras parentais (sejam os pais ou os responsáveis pela criança);
  • Com diálogo aberto e boa comunicação em casa;
  • Com sentimento de proteção e envolvimento;
  • Relações positivas com a figura materna;
  • Famílias que promovem o apoio e a compreensão;
  • Pais ou responsáveis que conferem as tarefas de casa dos filhos e estão conscientes de onde eles estão durante momentos livres.

"São fatores que consideramos como protetivos, mas fica parecendo que é uma receita de bolo, e não é. A família que deixa o canal de comunicação aberto, que entende que o filho, mesmo sendo adolescente, precisa ter regras, que os pais conhecem os amigos dos filhos e sabem onde eles estão, tudo isso facilita o convívio familiar e ajuda no desenvolvimento de uma forma geral", completa Wanderlei Abadio de Oliveira, pesquisador e autor principal do estudo.

No entanto, uma das preocupações dos pesquisadores é justamente não culpar a família, visto que outros fatores, alguns que condicionam a rotina da casa, podem gerar padrões de relacionamento diferentes. Ainda assim, segundo Oliveira, a pesquisa ajuda ao olhar para os padrões.

"Temos que nos preocupar muito com o bullying. É um problema de todos, embora aconteça em geral na escola, e por muito tempo foi visto como um problema apenas daquele lugar. Nossa pesquisa mostra que é um problema de todos nós. A maneira como lidamos com a criança em casa vai impactar na escola", reforça.

Impacto na vida adulta

Você pode até achar que não tem nada do seu pai ou da sua mãe em si, mas as figuras parentais que a criaram foram fundamentais na sua formação e na sua identidade. Isso não significa que eles não cometam erros, conforme lembra Claudia Nasser, psicóloga clínica, da clínica Veer, em Curitiba.

"Na angústia de criar bem, os pais podem pontuar muito as coisas negativas, na tentativa de criar limites, sem fazer uma validação. Então a criança, ou adolescente, entra na vida com aquele repertório de 'você é lerdo' ou 'mole', embora os pais pontuem essas questões com o objetivo de ajudar, acabam prejudicando", explica.

E aí, ao chegar à escola e receber agressões semelhantes de colegas, a criança ou adolescente não consegue deixá-las de lado. "Outra questão é que os filhos acabam sendo a possibilidade de o pai acertar na vida. O pai tem um problema com a própria identidade, mas joga no filho. O discurso é de 'estou preocupado com o bem-estar do meu filho', quando na verdade é com o próprio", afirma Claudia.

Os pais apenas percebem essas cobranças e exigências descabidas quando buscam por ajuda psicóloga e tentam se entender. "O sofrimento é muito grande porque o que as pessoas mais esperam é serem reconhecidos pelos pais, que eles tenham orgulho e eles não conseguem fazer a reflexão de: meu pai é mal resolvido e por isso que pega no meu pé. Eles pensam; o problema sou eu."

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.