Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Pais e filhos

Paternidade centralizada nos filhos desestabiliza a relação familiar

Esse comportamento em relação aos filhos pode trazer até problemas conjugais como o afastamento e o esquecimento das figuras de marido e mulher

Antes de mais nada, é importante ressaltar que a criança não é o centro da família porque quer, mas sim porque há um adulto que permite. E, segundo a psicanalista e psicóloga clínica Camisa Corsato, muitas vezes os pais nem se dão conta disso, só percebendo o problema quando a parte social da criança sinaliza que há algo errado.

Para ela, vivemos um tempo em que a felicidade e o prazer são os imperativos que regem o sucesso de alguém. Por isso, temos não só crianças, mas, também, adultos que precisam ter todos os seus desejos satisfeitos, que exigem a felicidade e não toleram a mínima frustração.

Menos é mais: por que reduzir o número de brinquedos de seu filho pode ajudá-lo a se desenvolver

Só que, no caso das crianças, a família tem a contribuição da escola, para constatar esse problema. É que ali, quando está com os colegas, que professores percebem dificuldades de socialização, de respeito às e verificam a incapacidade do aluno de fazer amigos. Mas como perceber que a paternidade está centralizada nos filhos? Alguns pontos a considerar são:

  • Quando as atividades da família passam a ser definidas em função dos filhos. Por exemplo: o cardápio, a música do carro, o canal da tevê.
  • Quando os pais não conseguem conversar ou estabelecer uma mínima relação quando os filhos estão acordados, pois a criança exige ser o centro das atenções e não suporta que na vida dos pais aconteçam coisas das quais ela não participa.
  • Quando pais ou mães (ou ambos) abrem mão de seus sonhos, de sua vida profissional, de sua vida pessoal em nome de projetos futuros que sonham para seus filhos.

E as consequências de avançar uma etapa e, ainda pequena, a criança ser colocada no nível do adulto são uma falsa sensação de poder e uma falsa autonomia, que podem torná-la um adulto inseguro e com significativas complicações na autoestima.

A desestabilização do ambiente familiar

Esse comportamento dos pais em relação aos filhos acaba, inclusive, afetando o relacionamento conjugal, desestabilizando  o ambiente familiar. Camila alerta para os possíveis problemas conjugais resultados dessa relação: o afastamento e o esquecimento das figuras marido e mulher que dão lugar apenas às figuras de pai e mãe.

Para evitar que isso aconteça é importante e necessário entender que o bebê pode reinar na família nessa fase, algo fundamental para construção do alicerce de sua personalidade. Mas que, entre o final do primeiro ano e a chegada do segundo ano de vida, ele deve ser “destronado”, de acordo com Camila. “Assim, ele acabará concluindo algo que já vem desconfiando há algum tempo: ele não é o centro das atenções e sua mãe tem outros interesses que não apenas ele, sendo que um dos interesses é seu pai”.

É preciso, ainda, que pai, mãe ou qualquer outro cuidador tenham outros interesses e outros projetos que não apenas a criança. “Dessa maneira, a chamada ‘infantolatria’ não acontece, porque os os desejos dos pais se deslocam da criança e ela não se torna objeto de satisfação dos desejos dos pais”, finaliza a especialista.

***

Recomendamos também:

***

Acompanhe-nos nas redes sociais: Facebook Twitter | YouTube

Newsletter Estilo de Vida

Aqui os valores fazem parte da notícia

Clique e leia
Leia também