Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Crédito: Bigstock.
Crédito: Bigstock.
Educação

Impedir o bullying começa cedo

O exemplo dos pais é fundamental para evitar o bullying e ajudar a forjar o caráter da criança

Um relatório recém publicado pela organização Child Trends afirma que os pais podem adotar medidas e ajudar a impedir que seus filhos se tornem praticantes de bullying e assédio moral. A avaliação, de acordo com o site Deseret News, foi feita com crianças nos anos pré-escolares para encontrar fatores que levam a estratégias de bullying e de prevenção.

Para Deborah Temkin, diretora de pesquisa de educação para crianças e uma das autoras do relatório, o exemplo dos pais é fundamental na construção do caráter da criança. “As crianças assistem a tudo o que os pais fazem. Perceber que os pais pensam nas outras pessoas pode influenciar o comportamento futuro delas”, afirma.

A ideia proposta no relatório é trabalhar na mudança de comportamento das crianças, já que a partir do momento em que ela se torna agressora, ou agredida, é mais difícil ajustar a situação. O que muitos pais não sabem é que eles devem colocar o foco no comportamento do filho, sem rotular. De acordo com Kyle Snow, diretor do Centro de Pesquisa Aplicada da Associação Nacional para Educação de Crianças, no lugar de perguntar “como posso mudar meu filho?” os pais devem pensar “como meu filho pode evitar agir de forma agressiva quando está frustrado?”.

E as crianças não se dividem nitidamente em vítima e agressor, observou ele. Em uma situação de assédio moral, pelo menos um filho é agressivo em direção a um alvo. Pode haver espectadores e apoiadores secundários ao bullying. Mas os papéis são fluidos. Uma criança intimidada pode intimidar outra pessoa, disse ele.

O bullying é um ato de agressão, seja ela física, social, relacional ou uma combinação. Ele tende a ser repetido e geralmente há um diferencial de poder. Com crianças mais velhas, disse Snow, é mais fácil de detectar a dinâmica de poder, o nível de intenção e regularidade de um comportamento.

“Eu acho que a agressividade em crianças pequenas podem resultar em assédio moral se elas sentem uma sensação de satisfação e poder a partir dele,” disse o Dr. Kate Roberts, um psicólogo de Boston. “Todas as crianças pequenas querem controlar. É um estágio de desenvolvimento. Se eles dominarem os outros com sucesso, eles são mais propensos a repetir a ação e isso pode levar ao bullying. Intenção é a chave”, disse Roberts.

Os fatores de risco

O relatório identifica vários fatores de risco para o desenvolvimento de comportamentos de bullying:

  • Características dos pais: ter expectativas irreais de desenvolvimento de uma criança, violência ou hostilidade em casa ou pouca empatia materna.
  • Maus tratos na infância precoce: de acordo com o relatório, isso pode mudar o cérebro da criança e criar déficits emocionais e sociais. “As crianças que sofreram maus-tratos (mais comum com as de 0 a 5) também podem ser mais propensas a interpretar situações inócuas como hostis e responder da mesma maneira.” Os resultados potenciais incluem questões de saúde emocional e mental, mau desempenho escolar, abuso de substâncias químicas, problemas de relacionamento e criminalidade, entre outros.
  • Exposição à tevê: os pesquisadores observaram uma ligação entre ver tevê mais cedo e mais tarde, mesmo com conteúdo não violento. Mas o relatório afirma que programas que falam sobre “cooperação, nutrir e verbalizar sentimentos”, na verdade, tornam mais provável que as crianças expressem essas habilidades.

Construção de ambientes saudáveis

De acordo com Temkin, é possível ajudar todas as crianças a desenvolver as habilidades necessárias para serem criaturas sociais. Para Snow, as crianças precisam de harmonia, ao invés de caos. Rotinas e tranquilidade são vitais para as crianças, pois dessa forma elas aprendem como devem se comportar. O caos aumenta a probabilidade de agressividade.

Os adultos também devem apoiar as características de uma criança e orientar para que haja um equilíbrio. Uma criança que é tímida, por exemplo, pode ser encorajada a interagir sem ser oprimida, enquanto uma criança que é vocal pode ser encorajada a expressar pensamentos sem ser dominadora. A convivência entre pais e filhos também é fundamental nesse processo. Refeições juntos e leitura em família são bons exemplos.

Leia também