Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Facebook/Damares Alves
Facebook/Damares Alves
Defesa da Vida

“Fiz da minha dor minha luta e minha bandeira”: conheça Damares Alves, líder pró-vida e pró-família

Aborto, adoção, violência contra a mulher, suicídio de adolescentes, maus tratos, drogas: Damares se desdobra em mil para defender a vida e a família no Brasil

Educadora, advogada, assessora parlamentar e pastora. As várias funções desempenhadas por Damares Alves certamente a qualificam para o trabalho que vem exercendo na defesa da vida e da família. Mas, para ela, muito mais do que a formação acadêmica ou religiosa, é o fato de ser mãe que a faz estar sempre engajada na luta por um país melhor.

Não podendo ter um filho biológico devido a um episódio de violência sexual que sofreu aos seis anos de idade, Damares adotou uma menina indígena há 13 anos. Sua trajetória de vida e o que fez por sua filha são importantes pontos na construção de Damares, mulher ativa na defesa das crianças e da família. Ela conversou com o Sempre Família e contou um pouco da sua história e do trabalho que vem desenvolvendo ao longo dos anos, na luta pela família.

O que a motivou a lutar nas causas ligadas à família e a vida?

Para mim, é inconcebível ser cristã e não se envolver com a defesa da vida e da família. E comecei cedo! Aos 12 anos de idade fiz minha opção de lutar pelas crianças excluídas e em sofrimento e aos 13 anos já estava envolvida em ações de combate à desnutrição e desidratação de crianças lá no sertão da Bahia. Ainda, em meados dos anos 80, já estava liderando grupos de combate ao aborto e trabalhando em comunidades terapêuticas, na prevenção e recuperação do uso de drogas.  Foi então que, no início da década de 90, assustada com os avanços do movimento de desconstrução no país, passei a atuar na área jurídica assessorando parlamentares cristãos nas demandas em defesa da vida, da família e da infância.

Sabemos que a senhora é bastante ativa em diversos áreas. É fundadora de um movimento pela vida e proteção de crianças indígenas, secretária de outro contra o aborto e atua também pela causa das mulheres que sofrem violência. Além dessas, em quais outras frentes a senhora trabalha?

São tantos os ataques às famílias e a infância que hoje é impossível se deter em um único tema. Além dessas citadas por você, atuo também contra a erotização de crianças e adolescentes e, consequentemente, estou há anos na estrada no combate à ideologia de gênero, pois a erotização de crianças é um dos pilares desta terrível ideologia.  Tenho, ainda, um trabalho na prevenção ao abuso e violência sexual de crianças e adolescentes, o que me possibilita participar de diversos movimentos e de inúmeros grupos dessa área, em nível nacional, como o Programa Infância Protegida e o Projeto Proteger. Ajudo também na coordenação nacional do Projeto Adota Brasil que visa a ajudar a adequar e melhorar a legislação e os processos de adoção no país, e sou uma das coordenadoras do Movimento Nacional Brasil Sem Drogas que faz um grande trabalho de prevenção ao consumo e liberação das drogas no país. E nos dois últimos anos, ajudei a fundar o Movimento Brasil Sem Azar que atua contra a legalização dos jogos de azar.

Como a religião ajuda os jovens a se manterem longe de tendências suicidas

E há também um trabalho recente contra a automutilação e suicídio de crianças, adolescentes e jovens, certo?

Sim. São muitas lutas e muitos desafios que enfrentamos diariamente. Quando pensava que já estava fazendo bastante coisa, fui surpreendida com mais uma missão divina: há 20 meses estou atuando, diuturnamente, no combate e prevenção da automutilação e do suicídio de jovens, crianças e adolescentes. E este novo desafio tem me feito acreditar que precisamos fazer muito e muito mais pelas crianças e adolescentes. O Brasil está mergulhado em um mar de sangue. Os números assustam: segundo especialistas, cerca de 20% dos jovens e adolescentes estão se mutilando. É possível que estejamos diante de uma epidemia.

Diante dessa diversidade de movimentos em que atua, ligados pelo fato de defenderem a família, quais foram suas principais vitórias?

Somos muito vitoriosos! Na verdade, seguir a Cristo é ser mais que vencedor. Todos os dias conquistamos uma batalha aqui e outra ali. E as vitórias são maiores que as derrotas. E são tantas, que é impossível enumerá-las. Mas darei aqui um exemplo que é bastante representativo. Decidi trabalhar no Congresso Nacional, como assessora jurídica, na década de 90, quando percebi que corríamos o risco da legalização do aborto.

Naquela época, tramitava na Câmara dos Deputados o PL 1135/1991. O projeto era terrível e havia até uma emenda que poderia abrir as portas para a liberação do aborto até o nono mês no Brasil! Os movimentos feministas acreditavam na aprovação da proposta legislativa. No ano de 2006 o projeto foi para votação e ganhamos por apenas um voto. Era um tempo difícil. O partido que governava o país era a favor da descriminalização do aborto e foram meses de muita luta. No ano de 2008, quando o texto desse projeto voltou para a pauta, na histórica tarde de 14 de maio de 2008, na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, ganhamos por 33 votos a favor da vida contra zero voto a favor do aborto. O placar milagroso surpreendeu até mesmo os movimentos pró-vida.

Esse terrível projeto foi definitivamente arquivado na Câmara dos Deputados em 2011. Ou seja, ele tramitou por exatos 20 anos e foi derrotado.  Nos anos seguintes, outras propostas legislativas foram apresentadas na Câmara dos Deputados e no Senado Federal visando a legalizar o massacre de bebês no ventre materno e nenhuma delas foi aprovada. Estamos no final de 2017 e, até agora, mesmo com tantos investimentos que os movimentos pró-aborto têm e com todas as batalhas que eles travam contra a vida, a descriminalização do aborto não passou no Congresso Nacional. Considero este fato uma grande vitória. E registro que esta vitória só é possível graças à unidade dos movimentos em defesa da vida!

Em suas palestras, a senhora costuma dizer que as crianças estão em perigo no Brasil. A que isso se deve e como a população pode contribuir para garantir a segurança delas?

Nunca a infância foi tão atacada como nos dias de hoje. Os números e os dados nos assustam: uma em cada três meninas são abusadas sexualmente de alguma forma até os 18 anos, no Brasil. De cada quatro meninas abusadas somente uma denuncia e de cada 100 meninos abusados somente um denuncia. Isso nos leva a acreditar que podemos ter mais meninos abusados sexualmente que meninas no Brasil. Segundo o Mapa da Violência divulgado pela UNESCO em 2014, o Brasil é o quarto país do mundo que mais mata crianças, adolescentes e jovens. Fomos também surpreendidos com a notícia de que nossas crianças são as mais estressadas do mundo. E para a nossa vergonha completa, já ganhamos o título de pior país da América do Sul para se ser menina. Em recente pesquisa feita em diversos países as crianças brasileiras aparecem como as que mais têm medo da violência. Me lembro que quando eu era pequena eu tinha medo do lobisomem, do bicho-papão.  Hoje, as crianças brasileiras têm medo de balas perdidas, da violência urbana, da violência no campo e nos lares.

Quais os procedimentos para a adoção de crianças no Brasil?

Para nossa tristeza, agora já somos o quarto país do mundo em casamentos infantis. E terminamos o ano com o triste número divulgado pelo IBGE que mostra que mais de um milhão de crianças em nosso país estão no trabalho infantil. Sim, os dados assustam! Mas me assusta mais ainda o nível de crueldade contra as crianças no Brasil. Estamos vivendo uma onda de ódio contra a infância.  Facilmente encontramos sites, blogs, páginas e perfis em redes sociais pregando ódio a elas, ensinando como machucar um bebê e até mesmo ensinando-as a se mutilarem ou a se suicidarem. Por isso, todo cuidado com a infância ainda é pouco.

A senhora tem assessorado juridicamente a CPI que é destinada a investigar casos de maus tratos de crianças e adolescentes no Brasil. Como tem sido esse trabalho, para a senhora, que atua tão fortemente na defesa delas?

Confesso que tenho perdido o sono com tudo que estou vendo e conhecendo. Em todos os lugares e em todas as idades as crianças correm risco. Estamos recebendo na CPI diversas denúncias de violência contra crianças em creches, escolas, abrigos e lares. Lugares que deveriam ser de proteção. E a violência sexual é uma das que mais me assusta!

Nos últimos anos cresceu o abuso e o estupro de bebês, por exemplo. Um único pedófilo preso pela Polícia Federal há dois meses no sul do país tinha armazenado em um aparelho celular 56 vídeos de estupro de bebês! A imagem da criança mais jovem que fui obrigada, por conta de meu trabalho, a ter acesso era de uma menina de 29 dias sendo abusada por um médico pediatra. E eu achei que era o recorde e o cúmulo do abuso. Mas agora já recebemos a notícia de uma menina de apenas 22 dias sendo abusada. Chegamos ao caos!

E como a população, de maneira geral, pode estar mais bem informada acerca de assuntos relacionados à família e à vida? De quem é o papel de informar as pessoas?

Ações pró-vida e pró-família que todo município deveria adotar

Hoje temos a alegria de ter inúmeros veículos de comunicação que nos deixam informados sobre os ataques à família e à vida. O Sempre Família é um dos exemplos. Vocês têm sido um instrumento de pesquisa e informação para todos os que atuam na defesa da família, inclusive os parlamentares e juristas.  Mas acho que as igrejas precisam se engajar mais na ação informativa. Nossos líderes religiosos precisam entender que estamos em guerra e o alvo é a família e a vida. É hora de instruir e treinar um exército!

No próximo ano teremos eleições. Como a senhora vê o atual cenário e o que espera do que está por vir? Acha que movimentos como os que a senhora atua, terão maior visibilidade e apoio?

Nas duas últimas eleições já vimos isto acontecer. Em 2014 elegemos para o Congresso Nacional a maior bancada pró-vida e pró-família da história. A mesma coisa aconteceu nas eleições municipais. Acredito que o feito se repetirá na eleição de 2018 e, desta vez, nossos temas vão influenciar diretamente na escolha da Presidência da República. O que vai decidir a eleição para presidente será a posição dos candidatos diante dos temas relacionados à vida e a família. Eles não vão ter como fugir disto. A sociedade está reagindo! Ainda somos um país conservador e cristão.

A senhora é assessora jurídica e parlamentar, pastora, educadora e advogada. Como concilia todas essas atividades? Elas se completam?

Sim. Elas se completam. Mas sou também mãe e é isto que mais me qualifica para lutar por um país melhor. Sou mãe de uma menina indígena. Eu a adotei quanto tinha seis anos e agora ela está com 19. Era uma criança em situação de risco e hoje é uma jovem linda, alegre, criativa e já envolvida com nossas causas. Ela acabou de decidir que vai fazer um curso de multiculturalismo em uma escola especial em Rondônia para se preparar e trabalhar com a defesa das crianças indígenas. A decisão dela me encheu de alegria.

Não consegui gerar um filho biológico.  Não tive a graça de gerar um filho no útero, mas tive a benção de gerar no coração. Aos seis anos de idade fui vítima de violência sexual. Fui barbaramente abusada.  Sei bem o que é ser menina no pior país da América do Sul para se ser uma. Fiz de minha dor minha luta e minha bandeira.

Não se engane com esse rostinho: essa freira dá trabalho para os traficantes de mulheres

Diante de sua formação acadêmica, qual é a sua principal área de atuação nos movimentos?

Como educadora faço o acompanhamento de todas as demandas relacionadas à educação e assim participo dos debates na Câmara e no Senado. Como jurista atuo na construção das peças legislativas, durante as votações nos plenários e comissões. Também ando por todo o país fazendo palestras, participando de debates, seminários, congressos, audiências públicas e discussões sobre temas que tenha ligação com a vida e a família.

E que mensagem a senhora pode deixar àqueles que veem a necessidade de trabalhar em favor de causas relacionadas à família, mas não sabem como começar?

Comecem acompanhado os grupos, os movimentos e as pessoas que já atuam e já fazem alguma coisa. Organizem um arquivo pessoal, uma biblioteca física ou digital, que seja devidamente reunida por temas. Leiam muito e o tempo todo sobre os assuntos ligados à defesa da vida e da família. Assistam vídeos e gastem tempo nas redes sociais garimpando as coisas boas que já estão por aí publicadas. Usem seus perfis nas redes sociais, seus blogs, seus sites para divulgar informações o tempo todo. Não percam uma oportunidade sequer, de compartilhar informações, mas antes, se certifiquem das fontes e da veracidade daquilo que retransmitem. Sejam canal de transmissão de conhecimentos e informações e criem seu próprio espaço de debate. A nossa arma é informar e formar!

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também