Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Na primeira foto, Heather (à direita) e sua irmã Luka, um ano mais velha. Fotos: The Observer.
Na primeira foto, Heather (à direita) e sua irmã Luka, um ano mais velha. Fotos: The Observer.
Defesa da Vida

Ela nasceu com apenas 20 semanas de gestação – muito antes da “viabilidade” – mas já tem 12 anos

A partir das 26 semanas de gestação, a chance de sobrevivência do feto passa dos 80%. Mas antes das 21, tende a zero.

Considera-se que a viabilidade de um feto, isto é, a sua capacidade de sobreviver fora do útero, se dá a partir das 26 semanas de gestação, que é quando a chance do bebê sobreviver já é bem estável – por volta de 80 a 90%. Não é raro ver esse tipo de dado ser usado em debates para justificar que a mãe tenha direito a optar pelo aborto antes da viabilidade. Por isso, a história de Heather D’Arcy é um grande sinal do valor da vida, independentemente do número de semanas de gestação.

Heather nasceu depois de apenas 20 semanas de gestação – as estatísticas dizem que a chance de sobrevivência de um feto nascido com esse tempo se aproxima de 0%. Ao nascer, ela pesava 600 gramas.

Ela nasceu do tamanho de uma caneta, mas hoje tem 6 anos e é uma menina saudável

Os médicos haviam dito ao seu pai, Rick, que Heather nasceria com morte cerebral. Estavam errados. Quando ela nasceu com vida, eles disseram que ela teria sérios problemas de saúde pelo resto da vida. De novo, estavam errados.

Heather tem hoje 12 anos de idade e esbanja saúde. “Ela é muito boa nos estudos e muito ativa e extrovertida”, conta Rick ao jornal local The Observer. A família vive em Gladstone, na Austrália.

Logo depois de nascer, Heather teve que respirar por oxigênio. Ela não foi desconectada da máquina de oxigênio durante todo o seu primeiro mês de vida. Rick conta que durante todo esse mês ele e a esposa sequer a puderam pegar no colo.

Um dia, porém, foi permitido que ele pudesse tocá-la através de luvas encaixadas na incubadora. “Encostei meu indicador na sua mãozinha aberta. Imediatamente, ela fechou a mão em torno do meu dedo, como se me dissesse: ‘Estou aqui, papai, estou bem’”, lembra Rick.

Hoje, sempre que Rick a deixa na escola, Heather fecha a mão em volta do seu indicador. “É algo que faremos pelo resto de nossas vidas”, conta o pai.

Com informações de LifeSiteNews.

****

Recomendamos também:

Mães compartilham fotos do “antes e depois” de seus filhos prematuros

Bebê com microcefalia que viveria só “algumas horas” está prestes a completar 2 anos

Ela nasceu do tamanho de uma caneta, mas hoje tem 6 anos e é uma menina saudável

****

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também