Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Foto: Facebook/Mylena Garbin
Foto: Facebook/Mylena Garbin
Pais e filhos

Ela não via o pai há anos – e o encontrou ao ser voluntária em uma ação na Cracolândia

Depois de oito anos sem vê-lo, Mylena reencontrou o pai em plena Cracolândia.

Os pais da produtora cultural paulistana Mylena Garbin são separados. Ao se mudar do centro para a Zona Sul de São Paulo, aos dez anos, ela perdeu o contato com o pai. Quando fez 18 anos, resolveu procurá-lo – e o encontrou na Cracolândia.

A mãe dela achava que o pai não a procurava porque não tinha interesse em saber como estava a filha. A ex-madrasta também não queria ajudar Mylena a encontrá-lo. Depois de dois meses procurando, ao passar pela Cracolândia com um ex-namorado, ela encontrou o pai – oito anos depois de vê-lo pela última vez. Mas a história não acaba aí. Ele “sumiu igual fumaça, sumiu. Eu não sabia de nada”, conta ela. “Eu não sei o que aconteceu, se eu era muito nova, se eu cobrei muito dele, tipo ‘para de usar isso’”.

Após mais quatro anos sem nenhum contato com o pai, Mylena decidiu se candidatar para ser voluntária na Semana da Diversidade da Beleza na Cracolândia, ajudando a fazer maquiagem e cabelo nas mulheres da região. Ela resolveu então perguntar a elas se conheciam o seu pai. “Disse o apelido, ninguém conheceu. Disse o nome real, as assistentes piraram, porque todas o conhecem. Foi emocionante, porque depois de quatro anos sem saber notícias do meu pai, eu pude reencontrá-lo”, conta Mylena.

35 anos depois, avô conhece neta levada pelo pai após morte da mãe no parto

Apesar disso, o reencontro não aconteceu no mesmo dia. Mylena foi ao hotel em que o pai morava, mas ele não estava. Mesmo assim, ela decidiu que voltaria na semana seguinte. Alguns dias depois, a surpresa: uma das assistentes sociais que ela havia conhecido durante a ação enviou uma foto de seu pai para ela através do Facebook. Ela reencontrou o pai e desde então mantém contato com ele.

Atualmente, ela vai visitá-lo pelo menos a cada duas semanas, em um dos hotéis da Cracolândia. “Eu ligo para ele toda semana, a gente conversa, bate um papinho e eu encontro com ele no final de semana, a gente dá um rolezinho”, relata Mylena. “Ele foi passar o Natal em casa. Ele ficou muito feliz, e depois de anos também sem ver minha mãe, a gente passou o Natal todo mundo junto. Foi muito legal”.

Com informações de Hypeness.

****

Recomendamos também:

35 anos depois, avô conhece neta levada pelo pai após morte da mãe no parto

Mulher grávida que ficou 45 dias em coma acorda e conhece o filho

Conheça a APAC, a cadeia sem policiais nem armas que recupera 90% dos detentos

****

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

2 Comentários
  1. Os filhos as vezes não sabem as vezes a verdadeira causa de um “sumiço” dos pais. Eu sou pai. Tive que sumir por vários anos, pois a mãe cobrava na justiça pensão. Eu não podia pagar pois estava (e estou até hoje) desempregado, Mas nunca deixei faltar nada para minha filha. Apenas a “in”justiça batia na minha porta e por algumas vezes fui ameaçado de prisão pelo Poder Judiciário. Também acontece de os pais (como foi o meu caso) não saber notícias muito verídicas sobre a vida dos filhos que moram com a mãe. Muitas coisas eu soube 18 anos depois. Muitas coisas que me deixaram realmente abalado. É a vida de pais separados. Hoje tomo medicamentos para depressão, stress e angústia. Dedico isso a minha separação. Mas não critico nada. É apenas um relato de um pai que ama a filha que tem, e principalmente aos filhos: tenham a certeza que seus pais o amam… incondicionalmente.

Leia também