Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo
Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo
Virtudes e Valores

Conheça o trabalho do fotógrafo cego que cobriu as Paralimpíadas do Rio

João Maia registra belas imagens usando apenas a audição e os vultos que percebe à sua frente

Em meio à aglomeração de fotógrafos que fizeram o registro de imagens das Paralimpíadas Rio 2016, João Maia chamou a atenção de todos. Ao contrário dos outros profissionais, ele é cego. Com o auxílio da audição e da tecnologia, ele prova ser capaz de exercer com maestria a profissão que escolheu, apesar da limitação. “Fotografia é sensibilidade”, afirma ele em vídeo-reportagem do site G1.

João ficou cego em 2004, aos 28 anos, em decorrência de um caso grave de uveíte bilateral – uma inflamação na camada média do globo ocular. Ele não enxerga com o olho direito, que sofreu descolamento de retina. Já o olho esquerdo tem uma lesão no nervo ótico, além de glaucoma. Clinicamente cego, ele só é capaz de enxergar vultos coloridos à uma distância de até um metro. Por causa do problema ocular, João faz tratamento periódico no Hospital das Clínicas de São Paulo.

Ele começou a fotografar quatro anos depois de ficar cego. “A audição me ajuda e o contraste de cores me facilita”, explicou João sobre o desafio de fotografar sem enxergar. Ele opera uma câmera profissional com o auxílio de um telefone celular que possui comandos de voz e o indica onde está cada comando do equipamento.

“As pessoas me perguntam se faz diferença fotografar com uma câmera ou com um celular. Mas o que faz a diferença é quem está por trás do equipamento. Como você compõe a foto, imagina a foto. Tudo isso passa pela minha cabeça”, revelou João, que nasceu em Bom Jesus, no Piauí, e se mudou para São Paulo há 20 anos.

Acostumado a fotografar eventos esportivos, participar dos Jogos Paralímpicos é o ponto alto da carreira de João Maia. As competições de goalball e futebol de cinco são suas favoritas. “Todo mundo tem que ficar em silêncio, aí a gente tem que ouvir o guizo da bola. Aí é perfeito para fotografar, porque eu vou seguindo o som com o guizo e tem o contraste das cores, o que proporciona uma imagem de qualidade”, contou o fotógrafo.

Confira algumas das imagens que João publica em seu perfil no Instagram:

 

Ponte estaiada da Barra. #mobgraphia #powertravel Uma foto publicada por João Maia da Silva (@joaomaiafotografo) em

*****

Recomendamos também:

Bailarina de 14 anos tem perna amputada, volta a dançar e vira exemplo

Atleta leiloará medalha de prata para ajudar menino com câncer na retina

Mãe raspa o cabelo para ficar igual à filha que fez cirurgia no cérebro

***

Curta nossa página no Facebook e siga-no no Twitter.

 

Leia também