Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Adolescente triste na praia
Adolescência

Como perceber sintomas da depressão na adolescência

Estimativa da OMS indica que a depressão atinge até 13% dos adolescentes entre 10 e 19 anos de idade

Ao contrário do que muita gente pensa, a depressão também pode atingir adolescentes. E durante essa fase da vida, os sintomas da doença podem acabar sendo confundidos com as mudanças comportamentais naturais da idade, atrasando diagnósticos.

Estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que a depressão atinge até 13% dos adolescentes entre 10 e 19 anos de idade, sendo um dos principais distúrbios a incapacitar os jovens.

Como durante essa fase da vida o organismo passa por transformações profundas, o jovem pode apresentar mudanças de humor e comportamento, sem que isso seja motivo para preocupação. Momentos de irritação, raiva e sentimentos de incompreensão, tristeza e desânimo, por exemplo, são bastante comuns nessa fase.

Famílias bem estruturadas e que oferecem suporte aos filhos conseguem atenuar os efeitos de eventos estressantes, que podem desencadear quadros depressivos nos adolescentes

Mas, se esses comportamentos e sentimentos são persistentes, podem ser um sinal de alerta. “Ter depressão e ansiedade não é normal, especialmente quando a sensação ultrapassa duas semanas e compromete ações como ir à escola, sair com amigos e fazer atividades de modo independente”, explica Yiu Kee Warren Ng, psiquiatra e professor da Universidade de Columbia (EUA).

No caso de meninos com depressão, é comum a incidência de comportamentos agressivos e violentos, uso de substâncias proibidas, problemas de conduta, desprezo e desdém pelos outros, além de uma constante atitude de desafio. Já nas meninas, é alta a presença de sentimentos de tristeza, ansiedade, tédio, raiva e baixa autoestima.

Segundo a American Psychiatric Association, deve se suspeitar de que existe um quadro depressivo quando o adolescente apresenta durante a maior parte do dia, por pelo menos duas semanas, ao menos cinco desses sintomas: tristeza; diminuição do interesse por atividades; diminuição do apetite, ganho ou perda de peso significativa; agitação ou apatia; pouca capacidade de concentração; insônia ou excesso de sono; cansaço e falta de energia; sentimento exagerado de culpa; ideias suicidas.

Uma família compreensiva é essencial para sucesso do tratamento

Tanto na prevenção quanto no tratamento da depressão em adolescentes, a família tem um papel fundamental. No artigo Estrutura e suporte familiar como fatores de risco na depressão de adolescentes, os pesquisadores Makilim Nunes Baptist, Adriana Said Daher Baptista e Rosana Righetto Dias lembram que “há amplas evidências de que problemas relacionados à estrutura e suporte familiar estão relacionados a desordens psiquiátricas infantis, especificamente aos transtornos de humor”.

No caso de meninos com depressão, é comum a incidência de comportamentos agressivos e violentos, uso de substâncias proibidas, problemas de conduta, desprezo e desdém pelos outros

Famílias bem estruturadas e que oferecem suporte aos filhos conseguem atenuar os efeitos de eventos estressantes, que podem desencadear quadros depressivos nos adolescentes. Isso acontece porque a família influencia diretamente a forma pela qual o adolescente se autoavalia e processa as informações que recebe. E, nesse aspecto, as famílias intactas – ou seja, aquelas formadas por pais não separadas e morando em um mesmo local – parecem passar mais estabilidade e afeto aos filhos.

Quando o diagnóstico de depressão é confirmado, o tratamento pode incluir a terapia familiar. E, mesmo quando o tratamento não incluir esse tipo de terapia, os familiares têm de estar preparados para lidar com a situação e apoiar o adolescente. Ser compreensivo e evitar cobranças excessivas é essencial para o sucesso do tratamento. O adolescente precisa perceber que conta com o apoio da família para poder vencer a depressão.

5 sintomas da depressão em adolescentes

Mudanças de comportamento e sentimentos exagerados durante a adolescência são normais. Mas fique atento aos seguintes sintomas. Se seu filho os apresenta na maior parte do dia, durante mais de duas semanas, talvez seja bom procurar um especialista:

  1. Escola

Os pais devem acompanhar sempre o desempenho escolar da criança e do adolescente. Quedas bruscas no rendimento, problemas de relacionamento com professores e colegas e dificuldade de concentração devem ser verificados.

  1. Vida familiar

Explosões constantes de raiva, irritação e instabilidade emocional, tentativas de fuga, discussões sem motivo e atitudes de desafio acompanhados de outros indícios podem ser decorrência de um quadro depressivo. Mas não se esqueça de que casos isolados desses comportamentos são normais durante a adolescência.

  1. Lazer

Adolescentes depressivos normalmente perdem o interesse por atividades que antes apreciavam. Também há tendência ao isolamento e afastamento dos amigos. O jovem pode ainda fazer uso de drogas e álcool.

  1. Saúde

Falta de energia, sensação de cansaço e alterações no sono e no apetite também são comuns em casos de depressão. O jovem sente-se cansado para as atividades do dia a dia, dorme mais ou menos do que o normal e pode ter perda ou ganho significativo no peso corporal.

  1. Sentimentos

A depressão faz com que os sentimentos de desesperança, tristeza e inadequação do adolescente sejam desproporcionais. Baixa autoestima e ideias suicidas – que podem até ser concretizadas em tentativas de suicídio – são recorrentes nos quadros de depressão.

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

67 Comentários
  1. Oi, tenho 13 anos. Eu não passo mais por isso exatamente, mas no verão (entre setembro até fevereiro do ano passado/esse ano) eu sofri muito com isso. Descobri com a psicóloga que estava me consultando naquele ano (2017). Mas toda vez que me lembro disso ou de situações passadas (muitas delas continuam hoje no presente mas menos intenso), como bullying na escola, problemas familiares e até msm o próprio quadro depressivo que tive, me sinto muito mal. Minha motivação começa a cair de novo e choro bastante ou tenho que segurar, que é o que faço maioria das vezes, pra n acabar chorando em publico tipo na escola ou na frente de pessoas e n precisar falar o que sinto pra eles, pq me sinto desconfortavel. Fora que mesmo raro, eu fico tremula e com as mãos geladas se essas lembranças me pegam em choque, eu gaguejo e passo por outros, não sei se posso chamar disso mas, sintomas que acontecem comigo.

    Quero muito saber se isso é normal mesmo depois de alguns meses após os acontecimentos, agradeceria de coração.

  2. Olá! Estou passando por muito dessa fase emocional. Desde meus 11 anos não sentia isso agora com meus 14, não sei mais o que está acontecendo comigo. Sinto meu corpo amolecer…estou dormindo muito cedo recentemente (entre 19:30 a 20:00). Sinto um cansaso enorme. Também choro às vezes por vários motivos e minha cabeça chega a queimar de tanta dor. Também estou tendo perda de apetite… antes comia muito, agora como o execesso do que tenho vontade de comer.

    Preciso urgente de ajuda…de respostas. Estou passando por muitas mudanças da minha vida e parece que meu corpo não está aceitando os padrões novos. Perdi muitas amizades depois que sai da ex escola. Muitos deles demostraram frieza e afastamento comigo. Estou tento um afastamento de meus pais…tento sorrir e rir ao máximo para dizer que estou bem mas, por algum motivo, me tranco no quarto e fico chorando sem nenhum sequer motivo.

    Não sei o que seria essa pressão toda dentro do meu peito mas, eu não aquento mais! Não aquento mais! Sempre fui otimista, confio em mim mesma até hoje mas, tenho medo, medo de colocar tudo a perder. Mesmo sendo forte, me sinto fraca, como se alguém quisesse me derrubar. Que pede pela minha infelicidade. Não aquento mais isso.

  3. Ola tenho 13 anos e sempre quando vou pra escola eu choro e so tenho uma amiga ano passado eu nao tive nenhuma amiga e esse ano a minha única amiga reprovou de ano e eu to em uma sala e nao gosto de ninguém de la e me acho feia todo dia durmo tarde sempre quando chego da escola eu choro e eu queria saber se eu to com depressão

  4. [Olá. Tenho meus 12 anos e estou completamente confusa sobre o que está se passando, e sobre meus sentimentos.
    Eu realmente não sei como começou toda essa confusão; não me lembro exatamente o motivo de eu ter complexo com meu corpo. Sim, tudo começou por conta de eu não me aceitar do jeito que sou. Talvez, isso seja algo “normal” na pré-adolescência e na adolescência.
    Jovens costumam ter muito complexo com as coisas, principalmente com o corpo. Ficamos frustrados por exigirem extrema perfeição; e queremos está perfeição. E nisto, começa todo o nosso nervosismo.
    Eu, comecei a me olhar no espelho, reparando cada imperfeição, tanto no meu rosto, quanto no meu corpo.
    Comecei a me importar para as mínimas imperfeições; e por mais que elas sejam pequenas, nem sequer notáveis, eu me sentia completamente feia, inferior a outras garotas.
    Comentários surgiam sobre meu corpo: “você é muito magra”, “você só tem osso”, “o vento te leva”, “você não come?”.
    E o que eu realmente fiquei com vergonha, e achei muito desnecessário da parte o meu “colega”: “você não tem bunda”, “você não tem peito”; coisa que a sociedade exige.
    A partir daí, minha auto-estima sumiu.
    Nisso, foi ligando outros pontos; incompetência, tristeza, desânimo, alterações no meu humor (ficava extramente nervosa) e por assim vai.
    Nesses meus sentimentos confusos, eu chorava, chorava de raiva e tristeza. Motivo? Ou eu estava me sentindo inútil, ou por simplismente não ter razões para chorar. O problema é; eu ficava desesperada, me rebatia, puxava meu cabelo com força, ás vezes, eu estava tão nervosa que comecei a me cortar e me bater, com força.
    Eu chorava todo dia, sem motivo. Eu ia pra escola com vergonha, tinha vergonha dos outros me olharem.
    Se alguém me olhasse eu baixava a cabeça, com pensamentos desagradáveis.
    Eu comecei a me assustar muito fácil. Com tudo, eu me assustava. Eu tinha um sentimento de preocupação muito grande, mas eu nunca soube o motivo da minha preocupação.
    Tudo o que eu escrevi, aconteceu à 2 meses atrás, se não me engano. Eu melhorei, bastante.
    Mas ainda me sinto triste, ás vezes ainda me pego chorando por nenhum motivo. Eu ainda tenho complexo com meu corpo, mas eu acho que melhorei porque estou de férias, então, eu não preciso ir para escola escutar comentários desagradáveis e ter que aturar olhares desagradáveis.
    Só que, eu ando muito esquecida, desatententa. E eu não tenho vontade de fazer nada, quando estou em casa.
    Isso já gerou discussões entre eu e minha mãe. Ela fica super nervosa comigo, pois eu esqueço tudo e não presto atenção em nada.
    Eu estou confusa sobre tudo isso. O que poderia ser? Tem algum conselho a me dar?

    • Não posso dizer profissionalmente, porque não sou psicóloga (apesar de ser o meu sonho ser uma), enfim…
      Amiga, é muito difícil se aceitar, sério mesmo, deixar de levar pelo o que as pessoas falam, porém você tem que acreditar em uma coisa: são mentiras, o mundo tá o tempo todo colocando padrões, ensinando formas de viver, isso e horrível. Acredite, ser igual a essas mulheres de revista não vai te fazer ser feliz, a completa felicidade só virá quando vc aprender a ser amar, porque sério, amar nossa própria companhia é demais! Vc não precisar de mais ninguém, porque tem a si mesma.
      Moça, todos nós somos obras-primas do Criador, o cara que fez tudoo no universo, Ele nos fez a sua imagem e semelhança, se Ele, perfeito, sem erros, nos fez como Ele, por que não nos amarmos? Somos perfeitos aos olhos dEle, é isso que importa. Então, quando vierem te falar: “ah que magra” “ah, sem peito”, não liga, é horrível, é! Mas, não deixa predominar vc, vai ser difícil se amar no começo, mas depois quando vc se amar por completo, isso não te dominará mais.
      Eu espero que isso te ajude de alguma forma.
      Att
      Vi ❤

  5. Olá sou a Sarah tenho 13 anos e no começo de 2017 eu tive crise de pânico, perdi bastante kl e não comia, me isolava, não conseguia sair p lugar nenhum com medo de passar mal na frente dos meus amigos, tive muito medo de morrer a qualquer momento, vinha muitas paranoias, mais tratei, melhorei, só q agora q estou entre do na adolescência eu tenho muitas dúvidas se gosto ede homens ou mulheres isso me assusta muito pq ri não quero isso p minha vida, é estou entendo na adolescência e, por favor se alguém só ver me falar se isso é verdade normal nessa fase da vida pfr me fala

  6. Olaa ame chamo jaqueline e tenho uma filha de 13 anos não sei o que fazer ela não sai do quarto fica deitada o dia todo fechada não quer ir a escola mais desde o começo do ano ela se interessa em licao trabalho em nada mais o que ela ke e so mecher no celular esqueceu do mundo a volta o que posso faze isso e sintoma de depressao

  7. Fernando, boa noite.
    Filho, tenho 54 anos, já sou avó, tenho duas filhas já casadas, um neto de 8 meses e um neto adolescente. me sensibilizou a sua postagem, por se tratar de um pai preocupado com os filhos, trabalho na área social e o que vemos são pais que não dão a mínima para os filhos.
    Pela experiencia que tenho, o que faz com que os filhos fiquem mais vulneráveis, é a falta da consolidação da separação, como sua ex-mulher continua na mesma casa, isso certamente faz com os filhos fiquem mais sensibilizados, com as atitudes dela, sendo que se a separação fosse efetivada, ela recomeçasse a sua vida, fora do ambiente familiar onde vivia com você e os meninos, com certeza eles, conseguiriam remontar os sentimentos quanto a separação.
    Com certeza o fato de verem você se esforçando para manter as coisas em harmonia apesar da separação também, sensibiliza os filhos. Nessas situações sempre quem sofre são os filhos, porque, o coração deles quer de fato os pais juntos e felizes.
    Outro fator importante é a fé, não sei que fé você professa, porém, nessas horas ter uma religião, buscar a Deus juntamente com os filhos, é muito bom, e como já postou a Cct adv, e concordo que o fato de serem meninos é favorável a que vocês façam coisas juntos, esporte e lazer. Desejo que consiga passar por essa fase sem maiores danos a você e seus filhos.
    Costumo dizer para as famílias que atendo no meu serviço, “NÃO HÁ LIMITES PARA O AMOR E O CUIDADO DE UM PAI”, acompanhei um pai tetraplégico, que conseguiu a guarda da filha de 5 anos, sendo que a mãe da mesma era fisicamente e mentalmente “normal” . Outro pai, cuida do filho de 8 anos, deficiente físico e mental, sozinho, porque a mãe abandonou os dois quando o menino nasceu, então aprendi que se existe amor, tudo vai dar certo. Deus o abençoe Fernando, a você e seus filhos.

  8. Meu nome é Fernano, sou médico, tenho dois filhosw, minha ex-, (mãe dos meninos) resolveu se separar de mim já fazem oito meses. Ela continua dentro de casa, voltou a estudar agora, 6a. série, mas trata os meninos mutio mal. Um fez 12 anos agora e o outro tem 17 anos. São duas personalidades diferentes, extremas. O de 12 anos parece muito enraivecido, o de 17 mais diplomata, mas sinto que ambos não estão lidando bem com a situação. Ela, mãe) não tem uma boa compreensão de tudo e vive sua vida sem se importar com eles. Sinto que o de 12 anos está muito revoltado, não admite que se fale com ele, rara são os momentos que consigo romper a barreira imposta por ele. A mãae acha que os dois são adultos e tem tudo, por isto não tem nada do que reclamar. Está muito difícil de traabalhar esta situação, pois com ela não posso contar, o de 12 anos confunde tudo e se fecha, o de 17 anos também se fecha, mas parece mais facil de estabelecer um contato. Por outro laedo trabalho muito,sou plantonista no hospital da cidade, tenho uma clínica, e ainda tenho que administrar esfola e toda esta loucura que se transformou nossas. Ela por sua vez, viaja sozinha,sai todas as noites e acha que está tudo muito normal, coisa que não fazia há 8 meses atr´\z. Mas minha maior preocupação no momento é com os meninos. O que devo fazer?

    • Boa noite, Fernando.
      Tbm sou mãe de um menino que está com 11 anos e iniciando as mudanças da pré adolescencia.
      Tenho lido muito e conversado muito sobre essa fase para que nós possamos passar por isso juntos da melhor forma possível.
      Uma coisa que li em quase todos os livros e artigos que falam sobre o tema é que qdo quiser estabelecer algum contato com o adolescente, uma das formas de fazer isso é levando-o para fazer algo que ele escolha fazer com vc. E então de forma calma e paciente conseguir que ele converse sem ver que é vc que está persuadindo.
      Sugiro aproveitar as mudanças da mãe e reorganizar as tarefas de casa. Por exemplo, consigo conversar coisas com meu filho, enquanto lavamos a louça que não consigo em outro momento.
      Vc tem a vantagem de ser homem tbm, então tem interesses parecidos. Matricular-se junto do de 17 em uma atividade ( academia, karate, jiu jitsu, etc) poderia ser bom.
      Se preocupe menos com sua ex. Não exija dela o que ela não consegue dar nesse momento, pois ao gastar energia com isso, vc perde seu tempo e o dos meninos.
      Até mais.
      Sempre família.

  9. ana-oliver-oliveira vi seu comentário e n consegui responder por lá​. Vi q seu filho foi ao psiquiatra e está sendo medicado. Ele está fazendo terapia tbem? Acho importante. Meu filho tem 15 anos e tbem passa por isso. Ele está n terapia e vai começar com o psiquiatra. N desista, ore por ele todos os dias. Tenho certeza q irão vencer isto. É um dia, logo mais, nossos filhos serão adultos felizes, resolvidos, e todos essa fase terá ficado para trás. E vcs eu veremos como valeu a pena cada luta, cada lágrima, cada esforço.

  10. Hey guys! Bom, minha vida sempre foi conturbada, mas a de quem não é? Eu sempre tento mascarar minha tristeza com “alegria”, e dava certo, mas ultimamente, eu sinto uma tristeza imensa, um pouco de falta de ar, e uma vontade louca de chorar, só que, eu choro por longos minutos, paro e retorno. Ultimamente venho passando problemas com esse negócio de entrar na faculdade. Eu meio que já “superei” isso. E não sei se é por conta de coisas que eu assisto ou ouço, o motivo de tamanha tristeza. Estou me sentindo cada vez menor, mais frágil, mais insegura e sentimental. Não sei se isso é paranóia, mas eu tenho tentado tirar de todas as formas isso da minha cabeça, é a primeira vez que escrevo algo desabafando assim. Na vida real, e não em rede eu sou uma pessoa que tenta ser alegre, conversativa e etc. Posso estar exagerando. Mas ufa, coloquei isso pra fora.

  11. Eu sempre tive problemas com a escola, não por mal comportamento ou notas, sempre fui uma excelente aluna. Porém desde os 5 anos apresento caso de fobia escolar, eu me tratei por alguns anos e melhorei bastante. Mas o caso,que havia se encerrado em 2011, voltou esse ano. Não consigo ir a escola mais por crises de pânico e fobia, passo as tardes dormindo , tenho o costume de isolar quando estou na escola, perdi 10kg em 3 meses . Não consigo me concentrar mais nas coisas, tenho muitos pesadelos ,crises de choro e ansiedade. Eu não sei mais o que fazer

  12. Oii, tenho 13 anos, tipo quando é a noite eu não consigo dormir, quando todo mundo dorme fica só eu dai começo a chorar pensando na vida eu tentei dizer a minha familia que eu to com depressão (ou não né) mas eles não acreditam em mim dizem que é coisa da minha cabeça que é drama dai eu fico mais triste ainda, minha mãe fala que eu to de mal humor por causa dos meus amigos sendo que não é, diz que to sendo influenciado, também não me dá vontade de sair pra canto nenhum só gosto de ficar em casa de uns dias pra cá tenho melhorado um pouco disso eu realmente não sei o que fazer

  13. A maioria desses sintomas são presentes na minha vida, algo que sempre senti, mas passei a perceber seriamente agora, depois de vários dias em conflito comigo mesmo. Ainda não procurei um piscicólgo, minha amiga diz para mim ir, mas as vezes acho que isso tudo é normal, mesmo que eu já tenha tentado suicídio varias vezes… N sei o que fazer, qeria cv com alguém antes..

    • Meu bem, muitos atores, jornalistas, apresentadores …. São tímidos. Isso vc aprende, tenha certeza. Pode ser q vai exigir mais esforço de vc do que de outra pessoa cuja habilidade parece existir desde o nascimento, mas falar em público é exatamente isso: uma habilidade. E habilidades podem ser adquiridas e desenvolvidas. Procure um curso de oratória pra começar. Vc vai conseguir..Só não desista!!!

    • boa tarde, Laise. tenho um filho que vai completar 14 anos. O pai dele não é presente. 101% do tempo ele vive comigo e com meus amigos (empresa). Ultimamente ele esta ficando muito triste. não sabe dizer o motivo. conversamos, porém creio eu que é um assunto que não sei lidar muito bem. será que é fase (adolescência), ou qual o real motivo de tanto tristeza para uma criança de 14 anos. o fato de não ter acesso para com o seu genitor gera estes conflitos. aguardo resposta e desde já agradeço. angelica flausino

      • Tenho um filho assim tbem. Tem 15 anos. Ele diz q n é triste o tempo todo.. mas o que eu vejo é q ele é triste, negativo, e apático 98% do tempo em que o vejo.Estou fazendo terapia para poder ajuda-lo melhor. Ele faz terapia tbem, e vamos leva-lo ao psiquiatra. Eu n gostaria de ve-lo tomando remédio controlado, mas se n houver outro jeito.. mas fique perto dele, o apoie, se coloque a disposição dele.. e tente todos os meios… Inclusive orar por ele todos os dias… Eu creio q Deus age onde n podemos alcançar. Torço para q vcs dois fiquem bem!! Beijos de uma mãe q te entende. Andreia M.

  14. Destes sintomas so n tenho o 1 pq parei d estudar motivo problemas com meu pai, foi onde td começou e nessa ultima semana td só piorou e o foda é que eu ja disse para minha tia e avô q ja pensei até em suicidio pela forma que meu pai me trata e eles parecem n ter levado a sério oq ta me fazendo mal é a familia pq qdo to com os amigos é td tranquilo e qdo chego em cs e como se eu tivesse em lugar cheio estranhos

  15. Eu sei que tenho depressão. Entendo como nós, adolescentes nos sentimos. Já tentei me matar uma vez, prefiro não dar detalhes. O pior é que quando tento falar com meus pais eles dizem que não devo me achar coitadinha e que isso é frescura. Minhas notas caíram muito ultimamente. A coisa que mais quero é me deitar e não sair mais da cama. Não tenho mais apetite nem disposição pra fazer exercícios e tal. Me sinto uma total fracassada toda hora. Me sinto deprimida até quando acontecem coisas legais comigo.

  16. Eu li isso.. mas ainda não entendi muito bem.. estou na dúvida de que eu possa estar com depressão! Minha mãe está enfurecida comigo pois não estou bem na escola, ando perdendo a hora, o Pior é que quando acordo de manhã eu não me importo, só volto a dormir e depois me arrependo me sentindo um fracasso. Na maior parte do tempo eu passo irritada com coisas pequenas, e isso me deixa mais irritada ainda, se eu pudesse ficar na cama o dia todo dormindo… tenho vontade de sair da vida de todo mundo! As vezes chego a conclusão que ninguém se importa ce verdade, nem mesmo meus amigos sentem mim falta

  17. Eu tenho a maioria desses sintomas. Já conversei com minha mãe dizendo que preciso de um médico mas para ela são só problemas de adolescente e isso acaba comigo. Eu não saio de casa, só fico no meu quarto, meu emocional é fraco, minha auto estima não existe, ganho peso rápido além de ter insonia e problemas com ansiedade, não tenho mais vontade de viver, porque tudo que eu faço sinto como se fosse um lixo. Eu preciso de ajuda e meus pais não percebem.

  18. Cada um se expressa de um jeito. Enquanto alguns adolescentes sao mais soltos mais espontaneos outros sao mais fechados timidos nao gostam de aparecer e isso pode causar a falta de percepcao dos pais caso o filho entre nesse estado. Nao estou defendendo eles mas se vc sempre agiu assim como seus pais vao perceber o que e depressao e o que e normal.??????

      • Bom, o típico é os pais não nos entenderem mesmo. Humiliating Mood, li seus comentários e me identifiquei bastante com você. Amanhã é o primeiro dia do qual vou a uma psicologa, eu finalmente vou ter com quem me abrir… Eu só estava precisando de alguém para finalmente me escutar e compreender minha situação, mas tudo o que meus pais fizeram foi dizer que eu estava errada, que eu iria conseguir manipular a cabeça de todo mundo fazendo com que acreditassem que eu sou a correta, disseram que eu estava me fazendo de vítima. Sinceramente? Eu sei que sou fracassada e tudo mais, já tentei me matar e nunca tirei essa opção da minha cabeça. Quando perdi o controle e fiz coisas na frente deles que realmente os fizeram acreditar que eu precisava desabafar com alguém, disseram que tudo isso era influência da tal “internet” e me tiraram o lazer (não posso acessar minhas redes sociais e não poderia estar aqui, mas cá estou eu). Eles afirmam não me reconhecer mais, que eu me mudei completamente… Sabe, acho que em relação aos pais de não compreenderem seus filhos é o principal problema, eles deveriam ter seu tempo livre para que os filhos pudessem desabafar. Não sei se estou com depressão ou coisa do tipo, me assustei um pouco, pois foram somente coisa de dois sintomas não apresentados. Enfim, a minha intenção era vir dizer que eu acho que é normal eles dizerem essas coisas até caírem na real e perceberem que isso realmente é um problemão. Eu briguei com os meus pais e foi bem feio, só pra vocês terem uma noção, isso só aconteceu porque eu cheguei neles e disse “Eu preciso desabafar com alguém, podem conversar comigo, por favor?”, e eles terem me dado a seguinte resposta “Agora não é o memento de conversar”. Enfim, o fato de eu ter arrumado uma psicologa foi super bom pra mim. E eu gostaria de deixar bem claro que eu entendo completamente a versão de vocês e sei que é super complicado, mesmo sendo só um problema de qualquer adolescente (por conta da idade) ou o início (ou um estágio mais avançado) de uma depressão.

      • oi meu nome e leonardo tenho 18 anos eu tenho eu descobri que tinha depressão dos meus 16 pra 17 anos eu ja pensei em fala com meu pais mais meu pai e um alcoólatra recentemente minha mãe se separo dele e no momento n quero falar com minha mãe sobre isso eu convivi com ela minha vida toda e toda vez que eu to com problema ela nunca me ajudo minha infancia toda eu olhei nos olhos da minha mãe e eu so via desprezo relacionado a min eu tenho duas irmas e elas tem pavio curto e já deram muinto trabalho pra minha mãe como fujir de casa ir pra rock e engravidar na adolescência ja eu sempre fui calmo nunca dei trabalho pro meus pais ,geralmente no meu dia a dia eu fico em casa sozinho n gosto de ficar conversando com ninguém e eu já pensei varias vezes em me matar mais agora não estou mais com aquela vontade de fingir que esta tudo bem então eu sei bem como vcs se sente .

  19. A depressão tem crescido absurdamente entre os adolescentes, e parece que as pessoas estão fechando os olhos, não querem admitir esse quadro que já foi posto como alerta pela Organização Mundial da Saúde. Atualmente, o suicídio, consequente da depressão, é a terceira causa de morte entre jovens. Precisamos falar sobre isso! Justamente com esse intuito, ano passado, 2015, publiquei um romance “A Teia dos Sonhos” que percorre o olhar de uma adolescente que reavalia a própria vida a partir do suicídio da melhor amiga. Está disponível na Amazon e no wattpad.

      • Olá, me chamo Carla “tia Carlinha” sou missionária e ajudo crianças e adolescentes que tem sofrido com problemas de depressão, abuso sexualidade,agressões etc… Se vc quiser eu te ajudo,converso, oro, te indico livros “evangélicos ” que possa te ajuda….mas pra começar eu gostaria muito de ser amiga de vcs,me adiciona no facebook, será um grande prazer ajudar,pois sei como é passando pois um dia também já passei por essa situação!!!! Bjinhos da tia Carlinha.

      • Carla. Meu filho de 16 anos está passando por uma fase muito difícil, sei que ele está com depressao mas tento ajudá lo mas é difícil a aproximação . Pergunto para ele o que acontece mas nem ele sabe , sente tristeza , raiva mágoa e está desorientado.Levei só psiquiatra , ele passou uns remédios mas está difícil lidar , ele culpa a todos pela sua vida diz que é infeliz e ninguém compreende.Mas fizemos tudo para ajuda lo. Sinto que está sofrendo muito e precisa desabafar mas bjo faz isso comigo.Já não sei vamo posso ajuda lo.Por favor se puder me aconselhar.obrigada.
        Ana

Leia também