Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Defesa da Vida

Bebês são capazes de reconhecer a face humana antes mesmo de nascer

Um estudo constatou que a experiência pós-natal não é necessária para que os bebês reajam a um rosto humano.

Um estudo de pesquisadores da Universidade de Lancaster, na Inglaterra, descobriu uma habilidade curiosa que os bebês têm antes mesmo de nascer: reconhecer o rosto humano e reagir a ele. Os pesquisadores projetaram padrões luminosos em direção ao útero de mulheres no terceiro trimestre de gestação e observaram a reação dos nascituros. Constatou-se que os bebês reagiam a três pontos configurados como dois olhos e uma boca, mas não reagiam quando os pontos eram mostrados de cabeça para baixo, sem aparentar um rosto.

Depois de 17 anos tentando engravidar, mulher dá à luz sêxtuplos

O estudo foi publicado na última quinta-feira (08/06) na revista científica Current Biology. “Nós já sabemos que logo após o nascimento bebês mostram preferência por interagir com estímulos que remetam a rostos”, escreveram os pesquisadores. “No entanto, o presente estudo sugere que a experiência pós-natal não é um requisito para essa preferência”.

O estudo, que detectou com o auxílio de ultrassom 4D de última geração que os bebês seguiam com o olhar as luzes que se assemelhavam a uma face humana, ainda mostrou que é possível estudar a sua visão e cognição antes do nascimento. O ultrassom mostrou que, embora fiquem de olhos fechados na maior parte do tempo, os fetos piscam com frequência. Os estudiosos garantiram que o experimento foi realizado de maneira a não pôr em risco a saúde dos nascituros.

Com informações de USA Today.

***

Recomendamos também:

“Não conheço uma só competidora de atletismo que não tenha feito aborto”, revela campeã olímpica

Horror: câmera escondida revela o que a indústria do aborto fala nos bastidores

Feministas, LGBTs e movimento pró-vida unidos contra a barriga de aluguel

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também