Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Casamento e Compromisso

Até que a morte os separe: como lidar com a viuvez?

Quando o “até que a morte nos separe” chega, é preciso aprender com a dor e retomar a vida

Conviver com a ausência da pessoa escolhida para passar o resto da vida não é nada fácil. Uma pesquisa feita pelo Instituto do Casal revela que ficar viúvo é o segundo maior medo dos casais brasileiros. Deparar-se com a solidão depois de anos de convivência pode parecer assustador, afinal, aquela pessoa com quem se dividia a vida, experiências, emoções e até funções não está mais ao seu lado.

O temor que cerca a ideia de perder a pessoa amada está, segundo o teólogo Márcio Luiz Fernandes, no fato de que “ficar sozinho” é um medo do ser humano de modo geral, pois, fundamentalmente, ele não foi feito para essa situação. Perder alguém com quem se criou vínculos afetivos fortes é experimentar “algo radicalmente humano: as dimensões interiores da dor, da fragilidade, da dependência, da perda, do sofrimento”.

Após morte da esposa, idoso faz intercâmbio para ver de novo os lugares visitados com ela

E a compreensão desse novo momento na vida varia de pessoa para pessoa, sendo necessário que ela possa viver o luto para se adaptar. Então como é possível viver essa nova realidade, lidando agora com a viuvez? Além do tempo que cada um necessita, as dificuldades têm suas particularidades para quem se torna viúvo ainda jovem e para aqueles que perdem seu companheiro já no final da vida.

Viuvez precoce x Viuvez tardia

Por ser uma situação “menos natural” a viuvez precoce pode ser um choque para quem se casou há pouco tempo e pode ter filhos pequenos, adolescentes ou jovens. “É comum que essa morte seja sentida como algo brutal, havendo a sensação de que este outro foi arrancado de nossas vidas” conta o psicólogo Luiz Henrique Michel, especialista em luto.

Já Fernandes explica que a pessoa que ficou viúva precocemente, além de conviver com a dor, terá de se preocupar com questões muito práticas como a criação dos filhos, o sustento e a organização da vida, além da própria preocupação com a saúde física e mental. Estar nessa circunstância ainda na juventude ou mesmo na vida adulta implica algumas “preocupações muito determinadas com relação aquilo que é imediato”, avalia.

De outro modo, na viuvez tardia é preciso despedir-se de alguém com quem se compartilhou a vida toda. Enquanto na viuvez precoce a pessoa se vê procurando soluções de como criar os filhos sozinha, na velhice os filhos já estão criados, já têm suas próprias famílias e, por isso, o sentimento de solidão pode ser maior.

Mas apesar das peculiaridades que cada história carrega, há uma semelhança que é principal: ambos sentem “o sofrimento e a solidão pelo distanciamento daquele com o qual se viveu e se compartilhou por muito tempo as próprias emoções, a própria vida e as próprias vivências”, explica Fernandes.

Voltando à rotina

Após viver o luto e entender os desafios que esta nova realidade trará, é preciso encarar a vida novamente e, segundo Michel, buscar encontrar um novo lugar para esta pessoa em sua vida. “Não é necessário esquecê-la. Muito pelo contrário, as lembranças, os aprendizados e mesmo os sonhos partilhados podem permanecer vivos, ainda que não haja mais a presença física da pessoa amada”, comenta. “Ao mesmo tempo – sem jamais deixar de se respeitar -, é importante retomar gradualmente a vida, buscando suporte sempre que necessário em amigos, familiares, comunidade religiosa (no caso daqueles que têm uma), grupos de ajuda mútua ou profissionais da área da saúde”, lembra ele.

Como ajudar as crianças a lidar com a morte de um parente?

A família também tem papel fundamental nesse momento, porque é nela que o viúvo encontrará grande apoio. E muitas vezes o que o enlutado precisa é se sentir amado por meio de pequenos gestos e pequenas disposições de se fazer presente. Ajudar nas tarefas domésticas e organização financeira, é um papel que pode ser feito pelos familiares, por exemplo.

Mas, claro, muito terão facilidade em expressar esse amor por meio das palavras. E mesmo separados por quilômetros de distância, é possível estar presente por meio das redes sociais.  Mas Michel lembra que é comum no momento de tentar amparar o viúvo, que a família não escolha bem as palavras. “Comentários sobre ‘encontrar um novo parceiro ou parceira’ não devem ser feitos, pois podem causar a impressão de que o cônjuge que faleceu poderia ser facilmente substituído por outra pessoa”, aconselha Michel.

***

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-no no Twitter.

Leia também