Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube
Educação dos filhos

Assista ao desenho animado que ensina crianças a se defenderem do abuso sexual

Vídeo produzido em Curitiba deve ser usado em campanhas de 83 países

Para orientar crianças sobre os limites do toque e desmistificar questões sobre o corpo, a produtora curitibana SPIRIT Animation criou em parceria com o Grupo Marista, a animação “Defenda-se”. Em menos de um mês, o vídeo da campanha chegou a 1,7 milhão de vizualizações em 83 países.

Lançado por conta do Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, celebrado no dia 18 de maio, o vídeo tem linguagem acessível às crianças, principal público da ação. “Por meio de um filme leve, bonito e simpático, conseguimos alcançar milhares de lares com uma mensagem de grande importância”, explica Fernando Macedo, fundador e diretor de criação da SPIRIT.

6 táticas usadas por abusadores de crianças – e o que fazer para proteger o seu filho

O vídeo foi publicado no Facebook, no YouTube, no Instagram e outras plataformas que facilitem o compartilhamento do conteúdo. Além disso, a parceria com o Grupo Marista deve viabilizar a transformação do projeto Defenda-se em iniciativa global por meio da Fundação Marista de Solidariedade Internacional.

A Campanha Defenda-se existe há quatro anos com a proposta de promover a autodefesa de crianças contra a violência sexual utilizando uma linguagem acessível, amigável e preventiva. Segundo Vinícius Gallon, criador e coordenador do projeto no Grupo Marista, a ideia central é dar ferramentas para que meninas e meninos identifiquem em sua rotina situações que favoreçam a violência sexual, para que tenham condições de dificultar a ação dos agressores.

Gallon explica ainda, que as mensagens empoderam os pequenos a conhecerem e cuidarem do próprio corpo, ampliando a noção de que detêm os direitos sobre ele. E principalmente, ensinam eles a recusar toques e carinhos indesejados, feitos em segredo ou que causem sentimentos como culpa, medo, vergonha e dor. “E ressaltamos que isso não pode acontecer mesmo quando forem pessoas próximas, seja da família nuclear, extensa e conhecidos, ou de pessoas que não conheçam”, completa.

 

 

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também