Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Bigstock
Bigstock
Defesa da Vida

3 ações que os argentinos estão propondo para combater o aborto no país

Enquanto tramita no parlamento argentino um projeto de lei que pretende legalizar o aborto nas primeiras 14 semanas de gestação, os grupos pró-vida do país não estão de braços cruzados.

Enquanto tramita no parlamento argentino um projeto de lei que pretende legalizar o aborto nas primeiras 14 semanas de gestação, os grupos pró-vida do país não estão de braços cruzados – ao contrário do presidente Mauricio Macri, que já anunciou que não usará seu poder de veto se a legalização for aprovada no Congresso.

Além de levarem às ruas dezenas de milhares de pessoas no domingo (25/03) para demonstrar seu descontentamento com o projeto de lei, os argentinos pró-vida estão desenvolvendo em paralelo três ações para defender a vida do nascituro – e que podem muito bem inspirar ações semelhantes no Brasil. Saiba quais são:

 

  1. Um 0800 para atender mulheres que tiveram uma gravidez indesejada

A proposta foi apresentada à ministra do Desenvolvimento Social, Carolina Stanley. O recurso poderia tanto atender gestantes em situação de vulnerabilidade, que precisam de assistência para conseguir levar a gravidez adiante e manter a decisão de ficar com seu filho, quanto oferecer informações sobre os trâmites para adoção.

 

  1. A “adoção no ventre”

É o apelido de um projeto de lei apresentado pelos deputados federais Jorge Enríquez e Orieta Vera. A nova lei permitiria que gestantes que não queiram ter seus filhos consigam dar entrada nos trâmites da adoção ainda durante a gravidez. É diferente da maternidade de substituição (“barriga de aluguel”), já que não se trata de planejar a gravidez prevendo entregar a criança a outra pessoa – e, muito menos, receber por isso.

 

  1. Um projeto de lei de “proteção integral dos direitos humanos da mulher grávida e das meninas e meninos nascituros”

Trata-se de uma contraproposta apresentada por 15 parlamentares em resposta à tentativa de legalização do aborto.  O objetivo é regulamentar uma das cláusulas acrescentadas à Constituição em uma reforma feita em 1994. O projeto estipula que, desde a sua concepção, o “nascituro tem direito inalienável à vida como primeiro direito humano, fonte e origem de todos os demais, razão pela qual não pode ficar à mercê de ninguém”.

Entre outras providências, o texto estabelece que em caso de uma gestação proveniente “de um delito contra a integridade sexual”, a mulher receberá durante toda a sua gestação um subsídio mensal, extensivo até o filho completar 18 anos, caso a mulher decida ficar com ele. Se não quiser ficar com o filho, o procedimento de adoção se inicia o quanto antes – e a família adotante receberá o mesmo subsídio pelo mesmo tempo.

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

1 Comentário
  1. Ainda bem que nada disso vai ir para frente.
    Proibir não impede mulheres pobres e ricas de abortar, mas quando se tem clínicas legalizadas de aborto a mulher tem direto a acompanhamento psicológico e pode até desistir do aborto ou fazer e não correr riscos de morto. Essas leis pro vida só beneficiam só selecionam a vida que querem, já foi comprovado que proibir o aborto não faz com que ele diminua, ao contrário, é só vez as estatísticas, FATOS.
    Quando se legaliza, ninguém está obrigando uma mãe a abordar, só está dando uma opção, coisa que qualquer país que se diz democrático deveria assegurar: a livre escolha de todos os cidadãos e não só de religiosos que querem decidir e se intrometer na vida de todos com o seu falso moralismo.

Leia também