Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Imagem: Bigstock
Imagem: Bigstock
Educação dos filhos

Por dentro do cérebro adolescente

Entenda como a cabeça do seu filho funciona e confira 12 dicas para ajudá-lo a desenvolver um cérebro adolescente saudável.

Com a passagem da infância à adolescência, o cérebro cresce e muda. Essas mudanças afetam o pensamento e o comportamento – como os pais podem perceber. Porém, quando você entende como isso acontece, pode ajudar os seus filhos a desenvolver um cérebro adolescente saudável.

O cérebro das crianças tem um surto de crescimento enorme quando elas são bem pequenas. Aos seis anos, o cérebro já tem cerca de 90% a 95% do tamanho adulto. Mas ainda é preciso que se remodele muito para que funcione como um cérebro adulto.

A remodelação do cérebro acontece sobretudo na adolescência e se estende até por volta dos 25 anos. Algumas mudanças acontecem antes da puberdade e outra apenas bem depois. A mudança no cérebro depende da idade, das experiências e das mudanças hormonais da puberdade.

Por que eles são tão sensíveis e imprevisíveis?

A principal mudança consiste no fato de que conexões neuronais não utilizadas na parte de pensamento e processamento do cérebro são “podadas”. Ao mesmo tempo, outras conexões são fortalecidas. É desse modo que o cérebro se torna mais eficiente: o que não é usado, é descartado.

Esse processo de poda começa na parte de trás do cérebro. A parte da frente, chamada de córtex pré-frontal, é remodelada por último. O córtex pré-frontal é a parte do cérebro que toma decisões, sendo responsável pela habilidade de planejar e pensar sobre as consequências das ações, resolver problemas e controlar impulsos. Alterações nessa parte continuam até o começo da idade adulta.

Cinco dicas para melhorar a comunicação com seu filho adolescente

Como o córtex pré-frontal ainda está se desenvolvendo, adolescentes recorrem mais do que adultos a uma parte do cérebro chamada de amídala para resolver problemas e tomar decisões. A amídala está associada a emoções, impulsos, agressividade e comportamento instintivo.

O desenvolvimento progressivo do cérebro, da parte posterior à parte frontal, explica por que o pensamento e o comportamento do seu filho às vezes parecem maduros e outras vezes ilógicos ou impulsivos. Os adolescentes contam com um cérebro que ainda está em construção.

Construindo um cérebro saudável

A combinação do modo como o cérebro está se desenvolvendo com o ambiente em que o adolescente vive influencia a forma como ele age, pensa e sente. Por isso, a forma como os adolescentes usam o seu tempo é crucial para o desenvolvimento cerebral. Vale a pena pensar sobre a gama de atividades e experiências com as quais o seu filho se envolve – música, esportes, estudos, línguas, videogames. Como essas coisas influenciam o tipo de cérebro que o seu filho terá na idade adulta?

Você é uma parte importante do ambiente em que o seu filho vive e significa muito para ele. O modo como você o guia e o influencia será importante no desenvolvimento de um cérebro saudável. Você pode ajudar de diversas maneiras, encorajando o seu comportamento positivo e contribuindo para o desenvolvimento do seu raciocínio:

  1. Deixe o seu filho assumir alguns riscos saudáveis. Os adolescentes precisam assumir riscos para crescer e se desenvolver. Você pode apoiar o seu filho ajudando-o a escolher riscos saudáveis – como esportes ou viagens – em vez de riscos negativos, como roubar ou fumar.
  2. Ajude o seu filho a encontrar formas criativas de expressar os seus sentimentos, como no esporte ou na música ou outra forma de arte, quer como participante, quer como espectador.
  3. Use a rotina da família para dar alguma estrutura à vida do seu filho, baseada no cronograma da escola e da família.
  4. Imponha limites e oportunidades para negociá-los. Os adolescentes precisam que os adultos lhes orientem e estabeleçam limites.
  5. Elogie o seu filho com frequência e recompense os comportamentos desejados. Isso reforça essas conexões no seu cérebro.
  6. Seja um bom exemplo. O seu comportamento mostrará ao seu filho o comportamento que você espera.
  7. Mantenha-se conectado com o seu filho. Você provavelmente vai querer dar uma olhada nas atividades e nos amigos dele. Estar aberto e próximo ajuda nisso.
  8. Fale com o seu filho sobre o seu cérebro em desenvolvimento. Compreender esse importante período de crescimento pode ajudá-lo a processar os seus sentimentos.
  9. Apoie os seus interesses, atividades e hobbies. Os adolescentes se envolvem muito com os seus interesses, especialmente com aqueles que lhes dão chance de socializar.
  10. Encoraje a empatia. Fale sobre sentimentos – os seus, os dele e os de outras pessoas. Ressalte o fato de que outras pessoas têm perspectivas e circunstâncias diferentes.
  11. Ajude-o a pensar as consequências de uma ação, tanto imediatas quanto a longo prazo. A parte do cérebro responsável por pensar o futuro (o córtex pré-frontal) está ainda se desenvolvendo. Se você conversar com o seu filho sobre como uma ação influencia tanto o presente quanto o futuro, poderá ajudar no desenvolvimento saudável dessa região.
  12. Deixe que ele durma bastante. Durante a adolescência, o padrão de sono do seu filho muda. Isso se deve à produção de melatonina no cérebro em um horário diferente do dia, o que faz com que ele se sinta cansado e com vontade de dormir mais tarde. O sono é essencial para um desenvolvimento cerebral saudável. Por isso, assegure-se de que o seu filho tem um lugar confortável e silencioso para dormir e incentive-o a diminuir o ritmo antes de dormir – se afastando da televisão, do celular e do computador – e a ter uma boa quantidade de sono a cada noite (a média da necessidade entre adolescentes é de nove horas).

****

Com informações de Raising Children.

****

Recomendamos também:

Como ajudar seu filho adolescente a vencer a timidez

10% dos adolescentes britânicos entre 12 e 13 anos admitem vício em pornografia

Cinco dicas para melhorar a comunicação com seu filho adolescente

****

Curta nossa página no Facebook e siga-nos no Twitter.

Leia também