Rotina

Por que meu filho está se comportando como um bebê na quarentena?

  • PorLucian Haro, especial para a Gazeta do Povo
  • 10/07/2020 17:03
Neste momento de isolamento social, a “regressão” da criança é uma forma de ela se ajustar às mudanças
Neste momento de isolamento social, a “regressão” da criança é uma forma de ela se ajustar às mudanças| Foto: Ketut Subiyanto/Pexels

Imagine que você (pai ou mãe) perdeu o emprego de uma hora para outra, ou então que seu marido ou esposa faleceu repentinamente. Do dia para a noite, teria que lidar com esse “desajuste” e ainda reprogramar toda a sua vida – um desgaste emocional difícil de calcular. A comparação pode até parecer desproporcional, mas se assemelha muito ao que algumas crianças têm enfrentado nesta quarentena.

“Dado o contexto em que estamos vivendo, o comportamento da criança pode ser interpretado como uma reação ao momento de estresse”, esclarece o psicólogo Bruno Mader, do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba. Segundo ele, isso ajuda a entender, por exemplo, por que seu filho – que já dominava o penico – anda sofrendo alguns “acidentes” ou o motivo pelo qual o seu mais velho está pedindo ajuda para cumprir tarefas que já realizada sozinho.

Ana Priscilla Christiano, doutora em Educação e membro do Conselho de Psicologia do Paraná, explica que essa reação pode vir de diversas formas. “Ela pode vir como irritabilidade, como alteração do sono, da alimentação e também dos interesses da criança”. Pelo que afirma, essa é a forma que os pequenos conhecem de dizer que não está tudo bem. “Todos nós estamos alterados”, lembra.

Causas

Vale ressaltar, também, que quanto menor a criança, maiores as chances de ela sentir esse baque. “As crianças menores regulam seus sentimentos e emoções a partir de uma rotina estabelecida, o que foi quebrado por esta pandemia. De modo geral, a organização delas mudou, o que suportava o psiquismo delas mudou. E, por isso, vão procurar segurança em algum lugar”, aponta Bruno Mader.

O argumento justifica, ainda, o fato de muitas crianças estarem mais carentes do que três ou quatro meses atrás. Nas palavras do psicólogo, muitas vezes a criança regride no desenvolvimento porque está buscando se ajustar. “Neste momento, os pais vão ter que entender que é um período difícil e que essa regressão é, na verdade, uma tentativa (mesmo que malsucedida) de adaptação. A questão aqui é conseguir perceber qual é essa tentativa e definir quais suportes você vai dar para o seu filho passar por isso”, orienta.

Como lidar

Para a psicóloga Ana Priscilla Christiano, repreender ou punir a criança não ajudará em nada. Do contrário, só vai fazer com que as coisas piorem. “Eu tenho falado para os pais que, neste momento, o que eles mais precisam é exercitar a paciência”, diz.

Ela sugere, também, que os pais conversem muito com os filhos e expliquem para eles (sem medo) o que realmente está acontecendo. “É preciso dizer que está difícil para todo mundo e se mostrar solidário ao que estão sentindo”, destaca.

Já Bruno Mader indica repensar os momentos da rotina em casa e estabelecer uma nova lógica para conter os efeitos da mudança. “Se antes você chegava em casa do trabalho e ia direto para o sofá ver televisão, agora vai precisar dar uma atenção diferenciada para o seu filho. Se der a mesma resposta de antes, não vai ajudar, apenas estará contribuindo para que a frustração dele continue”, alerta.

Deixe sua opinião

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.