Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Mulher tomando remédio
Saúde

Medicamentos estão mudando a vida de mulheres… para pior

Mudanças de humor naturais acabam sendo vistas como doenças, criando um novo “normal” que não respeita a dinâmica biológica feminina.

Será que a sociedade está induzindo as mulheres a serem “menos mulheres”? Em artigo publicado no jornal The New York Times, a psiquiatra Julie Holland se mostra preocupada com o uso excessivo de medicamentos psiquiátricos por mulheres. Segundo ela, hoje uma em cada quatro americanas usa esse tipo de medicação. E nem sempre esse uso é pautado por uma real necessidade.

Mudanças de humor naturais na vida das mulheres acabam sendo vistas como doenças, criando, nas palavras de Julie, um novo “normal”, que não respeita a dinâmica biológica feminina. Empresas farmacêuticas e alguns médicos, mesmo sabendo que as alterações de humor das mulheres são um processo natural, aproveitam-se da situação e tentam convencê-las de que se trata de um problema médico que deve ser combatido através de medicamentos.

As exigências do mundo do trabalho podem estar incentivando as mulheres a buscar formas de “esconder” suas características femininas para poderem priorizar a carreira e o status

“O humor das mulheres oscila naturalmente. Pelo nosso design evolutivo, somos equipadas para ser sensíveis aos nossos ambientes, empáticas com as necessidades dos nossos filhos e intuitivas quanto às intenções dos nossos parceiros. Isso é fundamental para a nossa sobrevivência e para a da nossa prole”, explica Julie.

Entre os medicamentos mais usados pelas americanas estão aqueles que regulam a serotonina, neurotransmissor que tem como função, por exemplo, regular o humor, sono, apetite e sensibilidade à dor. O uso indiscriminado desses remédios pode levar ao entorpecimento da mulher. Muitas relatam que, além de sentirem menos irritação, tristeza e raiva, sentem também menos empatia, menor criatividade e menos tendência a demonstrar os próprios sentimentos.

Sensibilidade feminina

Na prática, isso significa que as mulheres que usam medicamentos para manter o nível de serotonina artificialmente elevado correm o risco de perder parte da sensibilidade natural feminina, aproximando-se de um padrão hormonal menos dinâmico, mais comum de ser encontrado entre homens do que em mulheres. Para Julie, isso poderia levar as mulheres a terem comportamentos mais “masculinos”, como parecer menos vulneráveis e mais propensas a correr riscos.

Por que cada vez mais mulheres optam por métodos naturais de regulação da fertilidade

As exigências do mundo do trabalho podem, na avaliação da psiquiatra, estar incentivando as mulheres a buscar formas de “esconder” suas características femininas para poderem priorizar a carreira e o status. Ela conta que uma paciente lhe procurou e, entre lágrimas, pediu para aumentar a dose do antidepressivo que tomava porque não poderia ser vista chorando no trabalho. Antes de procurar a médica, a paciente tinha sido humilhada pelo chefe na frente da equipe por ter chorado e queria evitar que a situação se repetisse. “Nós acabamos decidindo que o que ela precisava era aprender a ter calma em situações de confronto e não mais medicação.”

Química

É interessante notar que da mesma forma como começa a acontecer com as emoções, consideradas como “indesejáveis” num mundo cada vez mais competitivo e passíveis de serem controlados – ou mesmo sufocados – através de medicamentos, a fertilidade das mulheres, lembra Carolyn Moynihan, no site Aleteia, também é vista muitas vezes como algo a ser suprimido para não “atrapalhar” a carreira da mulher.

Aliás, no caso das mulheres, fertilidade e emoções estão intimamente ligados. Parte das alterações do humor feminino é decorrente do ciclo hormonal natural das mulheres e não pode – salvo raras exceções – ser visto como patológico. “A emotividade das mulheres é um sinal de saúde, não de doença; é uma fonte de energia, não de fraqueza. Mas nós vivemos sob constante pressão para conter o nosso emocional. Somos doutrinadas a pedir desculpas pelas nossas lágrimas, a sufocar a nossa raiva e a ter medo de ser chamadas de histéricas”, resume Julie.

***

Recomendamos também:

Por que cada vez mais mulheres optam por métodos naturais de regulação da fertilidade

Por que falamos que as cegonhas trazem os bebês?

Estudo comprova que pílula do dia seguinte é abortiva em 50% dos casos

***

Curta nossa página no Facebook e siga o perfil do Sempre Família no Twitter.

Leia também