Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Foto meramente ilustrativa. Banco de imagens: Bigstock.
Foto meramente ilustrativa. Banco de imagens: Bigstock.
Defesa da Vida

Gêmeos prematuros nascem 123 dias após a morte cerebral da mãe

A mãe teve a morte cerebral constatada em outubro, mas a equipe médica conseguiu manter os bebês vivos e se desenvolvendo até estarem prontos para vir ao mundo

Uma longa história de luta pela vida teve um desfecho emocionante nesta semana, em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. Frankielen da Silva Zampoli, de 21 anos, teve  morte cerebral em outubro de 2016, mas estava grávida de dois bebês que foram mantidos vivos, dentro de seu útero, por 123 dias, até que tivessem condições de vir ao mundo. O enorme desafio enfrentado pela equipe médica foi concluído com êxito. Os gêmeos Azaphi e Ana Vitória nasceram nesta segunda-feira.

Segundo a reportagem da RPC TV, Frankielen chegou ao hospital com uma hemorragia grave no cérebro. Três dias depois, os médicos constataram a morte cerebral.

Sua gestação, contudo, estava apenas no segundo mês. A equipe médica tinha, então, a tarefa de manter o corpo da mãe funcionando para que os dois bebês pudessem se desenvolver.

Cuidados

“Nós precisávamos manter a pressão adequada da mãe, a oxigenação adequada e manter todo o suporte hormonal e nutricional dela”, explicou o médico Dalton Rivabem à reportagem do programa Paraná TV.

Frankielen (foto: reprodução/RPC TV)
Frankielen (foto: reprodução/RPC TV)

Cada minuto, cada avanço, cada resposta: foi uma gravidez monitorada 24 horas por dia e comemorada nos detalhes por médicos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas e outros profissionais da saúde.

Frankielen foi atendida pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Entre os cuidados, estava uma ecografia diária. O principal desafio, contam os médicos, era a de fazer com que os bebês sentissem o afeto que a mãe não podia dar. Para isso, família e equipe acariciavam a barriga, conversavam e até cantavam para os bebês.

“Nós trouxemos canções para as crianças: canções de crianças, canções improvisadas, canções que nós fizemos exclusivamente para elas. A UTI ficou cheia de músicas de amor e afeto”, conta a capelã e musicoterapeuta Érika Checan.

Foi no hospital, cercada de carinho, que Frankielen ficou durante os sete meses de gravidez e até os médicos não poderem mais esperar. Os bebês nasceram com a saúde compatível com a de prematuros dessa idade.

Quarto onde Frankielen ficou até o nascimento dos gêmeos (reprodução: RPC/TV).
Quarto onde Frankielen ficou até o nascimento dos gêmeos (reprodução: RPC/TV).

Hoje, os bebês ficam isolados porque precisam de muitos cuidados, principalmente por causa do risco de infecção. Ana Vitória, que nasceu com um 1,4 quilo, é um pouquinho maior do que o irmão Azaphi, que veio ao mundo com 1,3 quilo.

Família

Para o pai a avó dos irmãos, a hora mais importante do dia é o momento da visita aos bebês. É um encontro especial, de olhares apaixonados, de preencher o coração machucado. Os médicos avaliam que ainda é cedo pra arriscar dizer como eles vão se desenvolver e se ficou alguma sequela.

Porém, o histórico deles, certamente, aponta para a superação. “Foi um momento, para mim, muito bom, de muita felicidade, dia após dia. Lá dentro, a felicidade transborda, dá ânimo de vida na gente, né?! Não tem preço, sabe. A força vem deles muito pra minha vida. Da minha esposa, vai ficar a saudade e o aprendizado”, explica o pai das crianças, Muriel Padilha.

 

Leia a íntegra da reportagem e assista ao vídeo no site do G1 Paraná.

*****

Recomendamos também:

***

Curta nossa página no Facebook e siga-no no Twitter.

1 Comentário
Leia também