Sempre Família - Porque cuidar é fundamental

Conecte-se ao Sempre Família

Siga-nos:
PUBLICIDADE
Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube
Virtudes e Valores

Estudantes criam prótese inspirada em Frozen para menina que nasceu sem mão

Equipamento permite que Karissa Mitchell, de nove anos, mexa seus dedos mecânicos por meio do movimento do cotovelo

Uma menina de nove anos que nasceu sem a mão direita tem agora uma nova prótese graças à ajuda de uma impressora 3D e à dedicação de vários colegas.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Os estudantes do Siena College, de Stillwater, no estado de Nova York (EUA) presentearam Karissa Mitchell com uma mão impressa em 3D e decorada com motivos do filme Frozen.

“É incrível”, disse ela, ao praticar o movimento dos dedos agarrando um Olaf de pelúcia, segundo uma nota do colégio. “É como se eu tivesse uma mão de verdade”, admirou-se a menina.

O braço é azul-gelo e vem até com uma luzinha removível. A impressora levou 30 horas para criar o objeto e os alunos precisaram de duas horas para montá-lo.

Mas o trabalho de verdade ficou nas mão da equipe e-NABLE, composta de oito pessoas que passaram seis meses pesquisando e testando a prótese. A família da menina contatou a equipe depois do seu primeiro projeto de sucesso, uma prótese impressa em 3D com temática do Homem de Ferro, cerca de um ano atrás.

“Os olhos de Karissa brilharam quando mostramos uma mão em fase de testes. Ela merece muito isso”, disse Alyx Gleason, membro da equipe. Eles usaram uma tecnologia já existente, que abre e fecha a mão usando o movimento do cotovelo. Se o usuário deixa o braço reto, os dedos se abrem. Quando o cotovelo está dobrado, os dedos se fecham.

Mas a parte favorita de Karissa é o tema de Frozen. “Ela se identifica com Elsa porque sabe como é se sentir diferente de todos os outros”, disse a mãe, Maria Mitchell. “Gosto dos poderes mágicos de Elsa. Ela é diferente”, disse Karissa. “Seria chato se todo mundo fosse igual todo mundo”.

Agora a menina está tentando usar seu braço com coisas com as quais ela tinha dificuldade antes. “Se eu ficar boa nisso, talvez possa até aprender a escrever”, disse ela.

 

 

 

Com informações de Inside Edition.

Colaborou: Felipe Koller

 

Leia também